Política

Comandante da Força Nacional elogia motim reacionário no Ceará

A "assembleia" que pôs fim ao reacionário motim policial contou com uma presença não ordinária: o diretor da Força Nacional de Segurança Pública, coronel Aginaldo de Oliveira, que chamou os amotinados de "gigantes".

segunda-feira 2 de março de 2020| Edição do dia

Ontem chegou ao fim o reacionário motim de policiais no Ceará, após entrarem em acordo com o governador Camilo Santana. O motim, incentivado pelo bolsonarismo e liderado por figuras bolsonaristas como o Deputado Federal Capitão Wagner, contou agora com mais um apoio: o diretor da Força Nacional de Segurança Pública, coronel Aginaldo de Oliveira, subordinado ao Ministério da Justiça e Segurança de Moro, além de marido da deputada bolsonarista Carla Zambelli (PSL).

É muita coragem fazer o que os senhores estão fazendo. Não é pra todo mundo. É aquela coisa: os covardes nunca tentam. Os fracos ficam pelo meio do caminho. Só os fortes conseguem atingir os seus objetivos. E vocês estão atingindo os seus objetivos. Vocês movimentaram toda uma comissão de poderes constituídos do estado cearense e do governo federal. Então os senhores se agigantaram de uma forma que não tem tamanho, e é o tamanho do Brasil que vocês representam - declarou o comandante - Não serão covardes! Será covardia se o que foi pactuado não for cumprido. A gente acredita no que foi pactuado, no que está escrito, e voltaremos à paz. Acreditem: vocês são gigantes, vocês são monstros, vocês são corajosos; demonstraram isso ao longo desses dez, onze, doze dias que estão aqui dentro desse quartel, em busca de melhoria da classe, e vão conseguir. Vão conseguir! Sem palavras para dizer a coragem que vocês estão tendo ao longo desses dias

No video abaixo pode ser visto todo o discurso:

O apoio do diretor da Força Nacional é mais uma evidência de como o governo alentou por baixo o motim dos policiais, uma das principais bases sociais de Bolsonaro, buscando através dessa mobilização capitalizar na região Nordeste onde o presidente possui menos influência. O próprio Moro já havia declara indiretamente seu apoio a pauta dos policiais e puxou a sardinha para seu lado e do governo federal ao comemorar a resolução da crise, através da intervenção das Forças Armadas e da Força Nacional.

Essa mobilização de suas bases policialescas nacionalmente marca uma nova inflexão por parte do Bolsonaro em suas disputas com o bonapartismo institucional para buscar estender seu autoritarismo, juntamente ao chamado ao ato do dia 15/03.

Veja mais: Avança o bonapartismo? Quais as forças para combatê-lo?




Tópicos relacionados

Ceará   /    PM   /    Política

Comentários

Comentar