Cultura

CULTURA

Com show do DJ Rennan da Penha, começa nesta sexta (17) o festival verão sem censura em SP

Durante o governo Bolsonaro e Dória repleto de repressão à cultura, Festival Verão sem Censura, terá início nesta sexta feira (17). Contando com 45 atrações compostas por peças, shows, filmes e festas censuradas ou fortemente criticadas por seus temas.

sexta-feira 17 de janeiro| Edição do dia

O primeiro ano do governo Bolsonaro deixou marcas profundas de ataque à cultura, iniciando com o desmanche do ministério da cultura, transformando-o em secretaria especial ligada ao Ministério da Cidadania e após transferindo a área para o ministério do Turismo. Com cortes orçamentários, contingenciamento do Fundo Nacional de Cultura, as verbas de projetos de Lei de Incentivo, paralisações de editais da Ancine e cortes de patrocínio da Petrobras. A troca dos principais cargos de institutos e secretarias por nomes aliados ao presidente como Roberto Alvim, secretário nacional da cultura que ontem (16) deixou clara visão nazista de arte e para quem ela deve servir.

Em meio ao desmanche da cultura, temos o caso da prisão do DJ Rennan da Penha que não é apenas um caso de censura, mas também a prova da desvalidação da cultura negra no Brasil. O DJ Rennan da Penha que foi mantido preso injustamente por sete meses, detido em segunda instância com uma condenação racista, sendo absurdamente acusado de ser “olheiro” do tráfico por mensagens em um grupo do whatsapp.

Junto a sua prisão, o baile da gaiola também foi criminalizado, com o enorme esforço que existe por parte do judiciário, da mídia e de amplos setores do conservadorismo e reacionarismo em criminalizar todos os espaços de cultura da população preta e pobre. Prendem Rennan da Penha e promovem o genocídio da juventude negra, negando os espaços de lazer em áreas periféricas, precarizando suas vidas e oferecem apenas desemprego em larga escala.

A discussão sobre censura e liberdade de expressão se tornou muito presente com inúmeros casos de cancelamento de peças teatrais, HQ’s, músicas e filmes que fossem contra o governo de Bolsonaro de alguma forma. O governo de João Dória junto com o governo Bolsonaro cumpriram um papel essencial em reprimir a cultura durante 2019. Um exemplo escandaloso foi o episódio de Paraisópolis, no qual a polícia sob ordem do governo chegou fazendo um terror em jovens pobres que só queriam se divertir.

Em resposta a esses episódios de censura, acontecerá em São Paulo o Festival Verão sem Censura, que inicia nesta sexta feira (17). O evento conta com 45 atrações compostas por peças, shows, filmes e festas censuradas ou fortemente criticadas por seus temas e será muito importante nesse momento político, mas tendo em vista que a luta pela liberdade de expressão e da arte continua, pois o governo está armado para nos reprimir.

O festival acontecerá até o dia 31 de janeiro, confira a programação divulgada pela prefeitura de São Paulo por locais:

Praça das Artes
17/01

20h00 Arnaldo Antunes

18/01

21h30 Conversa com a Deborah Secco e Raquel Pacheco
22h00 Exibição do filme “Bruna Surfistinha” – Classificação indicativa: 16 anos
00h00 Daspu – desfile
00h30 Desculpa Qualquer Coisa festa com performance do grupo de pole dance Maravilhosas Corpo de Baile

Centro Cultural São Paulo
17 a 31/01

Exposição “Corrompidas” de Felipe Cama – Piso Caio Gracco
17 a 31/01

Instituto Temporário de pesquisa sobre censura – Sala de ensaio II e sala de vidro.
A Casa 1 (casa de cultura e acolhimento LGBT) propõe um mergulho crítico sobre a trajetória da censura com: aulas públicas, grupo de estudos aberto, gráfica e construção de acervo de livros e pesquisas sobre o tema.

17/01

21h Caranguejo Overdrive – Aquela Cia de Teatro
18/01

21h Caranguejo Overdrive – Aquela Cia de Teatro
19/01

15h Vida Invisível (filme) – Sala Lima Barreto
17 a 31/01 Exposição com cartazes de filmes censurados
18/01 – Circuito Spcine
16h Sessão de curtas LGBT: Vando Vulgo Vendita, O Órfão, Preciso Dizer que Te Amo, Reforma, Tea for two e Swinguerra
19/01 – Circuito Spcine
15h Corpo Elétrico
17h Sessão de médias: Verona e Nova Dubai
19h Bixa Travesty
19/01
20h Caranguejo Overdrive – Aquela Cia de Teatro
29/01
19h Exibição do longa metragem “Act and Punishment” de Yevgeni Mitta sobre a
trajetória do grupo Pussy Riot.
20h30 Debate com as integrantes da banda Pussy Riot – Sala Adoniran Barbosa (distribuição de ingressos 2h antes)
21h Lançamento do livro “Riot Days” de Maria Alyokhna fundadora do grupo Pussy Riot. Tradução de Marina Damaros.
30/01
18h Jup do Bairro convida Bixarte – Sala Adoniran Barbosa

Palco – Rua Vergueiro, 1200
30/01
20h Pussy Riot com participação de Linn da Quebrada. Em seguida, a banda comanda uma festa no Centro Cultural São Paulo

Biblioteca Mário de Andrade
17/01 a 31/01
19h – Banidos – exposição de livros censurados. Na abertura, debate com os escritores Ignácio de Loyola Brandão e Laura Mattos. Moderação: Maria Fernanda Rodrigues
18 e 19/01
19h – O Caderno Rosa de Lori Lamby (teatro)
21/01

19h – Cabaré da Fossa (leitura homoerótica)
19h – Uma aula sobre “1984”, com Lilia Schwarcz
23/01
19h – Erotismo censurado, aula com Eliane Robert Moraes. Trechos escolhidos serão lidos pela atriz Helena Ignez
24, 25 e 26/01
19h – Navalha na Carne Negra (teatro)
25/01
das 10h às 13h, das 14h às 17h – Oficina de poesia sem censura, com Angélica Freitas. 20 vagas, oficina sequencial, das 10h às 13h, das 14h às 17h.
28/01
19h – Proibidas (leitura de autoras latino-americanas censuradas) – com integrantes da revista literária “Puñado”, editada por um coletivo de mulheres, e convidadas: Laura Del Rey e Raquel Dommarco Pedrão, organizadoras da Puñado, e as convidadas Hailey Kaas, Jéssica Balbino, Luciana Bento e Vanessa Ferrari.
29/01
19h – Marighella (conversa), com Mário Magalhães e Maria Marighella. Moderação: Rodrigo Casarin.
30/01
19h – Mulheres nos Anos de Chumbo (conversa), com Claudia Lage, Maria Valéria Rezende e Maria Claudia Badan Ribeiro. Mediação: Robson Viturino
30 e 31/01
19h – Calabar, o Elogio da Traição (leitura dramática)
Centro Cultural Olido
17, 18 e 19/01 – Sala Paissandu
18h Abrazo – Grupo Clowns de Shakespeare (teatro)
17, 18 e 19/01 – Sala Olido
21h Gritos – Cia Dos à Deux (teatro)

Centro Cultural da Diversidade
18/01
21h A Mulher Monstro – S.E.M. Cia de Teatro
19/01

19h A Mulher Monstro – S.E.M. Cia de Teatro
25/01

21h Sombra – Teatro da Pomba Gira
26/01

19h Sombra – Teatro da Pomba Gira

Teatro Flávio Império
18/01

20h O Crime da Cabra – Cia do Sal (teatro)
19/01

19h O Crime da Cabra- Cia do Sal (teatro)
29/01

20h Lembro Todo dia de Você – Núcleo Experimental (musical)
30/01

20h Lembro Todo dia de Você – Núcleo Experimental (musical)

Vila Itororó
18 e 19/01

15h BLITZ, o Império que Nunca Dorme – Trupe Olho da Rua (teatro)
25 e 26/01

20h Quando Quebra Queima – Coletiva Ocupação (teatro)

Centro Cultural da Juventude
17 e 18/01

20h Domínio Público (teatro)
22/01

20h Res Publica 2023 – Grupo A Motosserra Perfumada (teatro)
23/01

20h Res Publica 2023 – Grupo A Motosserra Perfumada (teatro)

Centro de Culturas Negras do Jabaquara
25 e 26/01

16h Macacos – Cia do Sal (teatro)

Praça Ramos de Azevedo (em frente ao Theatro Municipal)
31/01

23h Cortejo com a Espetacular Charanga do França
00h Festa com bloco Tarado Ni Você
01h Bloco Minhoqueens

Theatro Municipal
17/01

23h Rennan da Penha (sacada)

29/01

20h Divinas Divas (show)

31/01

19h Roda Viva (teatro)
22:30 Concentração da Espetacular Charanga do França (Na frente do Theatro)
23h Cortejo: Roda Viva e Espetacular Charanga do França

OBS.: Todas as apresentações de teatro serão seguidas de mediação.




Tópicos relacionados

Censura   /    Arte de Rua   /    cultura   /    Arte   /    Agenda Cultural   /    Cultura

Comentários

Comentar