Política

NEGACIONISMO

Com número de óbitos subindo, Bolsonaro diz que Brasil vive “finalzinho da pandemia”

Bolsonaro voltou a dizer que a pandemia no Brasil já está no fim, reforçando seu negacionismo e pouco se importando com as centenas de trabalhadores que morrem todos os dias.

quinta-feira 10 de dezembro de 2020| Edição do dia

Foto: Alan Santos/Planalto - 10.dez.2020

O presidente Jair Bolsonaro voltou a reafirmar seu negacionismo dizendo que o Brasil já está no “finalzinho da pandemia”. Essa, que é apenas mais uma de suas declarações absurdas, foi dita nesta quinta-feira, 10, em uma cerimônia em Porto Alegre.

Bolsonaro já tinha feito uma declaração semelhante há duas semanas atrás, quando diversos especialistas já apontavam a possibilidade de o país estar entrando em uma segunda onda de covid-19. Na ocasião, quando perguntado se o auxílio emergencial poderia ser prorrogado, o presidente respondeu “Pergunta para o vírus” e que esperava “que o vírus esteja realmente de partida do Brasil”.

No Brasil já são 179.032 vidas perdidas pela doença e a média móvel de mortes atingiu nesta semana o maior valor dos últimos dois meses. Somente ontem foram registrados 832 óbitos, o maior registro em um dia desde 12 de novembro. Já são 21 estados, além do Distrito Federal, que apresentam tendência de aceleração na média de mortes.

Veja também: RJ tem superlotação de hospitais com espera por UTI, macas improvisadas e médicos sem salário

Outros países vivem um medo parecido, se não pior. Os EUA atingiram o número de 15 milhões de casos confirmados de Covid-19 e o maior número de pessoas infectadas em um único mês.

Com a chegada das festas de fim de ano e com o completo descaso dos governos no geral, a situação ainda pode piorar. Bolsonaro disse que não deve prorrogar o auxílio emergencial, isso em uma situação de desemprego elevado no país e aumento da inflação da cesta básica, demonstra o quão preocupado o governo está com a população mais pobre.




Tópicos relacionados

Bolsonaro   /    Negacionismo   /    COVID-19   /    pandemia   /    Política

Comentários

Comentar