Sociedade

PANTANAL

Com Pantanal em chamas, Bolsonaro e Salles repetem que Brasil é “o país que mais preserva”

Em mais uma declaração, o presidente e seu ministro afirmam novamente que Brasil é país que mais preserva, enquanto o agronegócio é beneficiado por seu governo e segue incendiando o Pantanal e a Amazônia .

quinta-feira 24 de setembro| Edição do dia

Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, em transmissão ao vivo nas redes sociais nesta quinta-feira, 24, que se as terras indígenas passassem a ocupar área equivalente a 20% do território nacional, o agronegócio seria "inviabilizado". Atualmente, 13,8% da extensão do país é reservada a povos indígenas. Ele alegou ainda que a expansão das terras indígenas para 20% do território seria uma vontade de "alguns países do primeiro mundo".

Veja: Bolsonaro põe culpa das queimadas em povos tradicionais em Conferencia da ONU

Após ter rebatido críticas à sua política ambiental na última terça-feira, 22, em discurso na Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU), hoje o presidente voltou a dizer que é acusado de "tocar fogo" na Amazônia e no Pantanal "ou não tomar providências" em relação ao alastramento das queimadas nas duas regiões. Segundo o mandatário, o Brasil seria alvo de "um ataque criminoso" e "desinformação" como parte de um "jogo econômico".

Bolsonaro repetiu a afirmação de que o Brasil seria "o país que mais preserva" florestas tropicais, sem explicar, contudo, que fomos também o país com a maior perda desse tipo de cobertura vegetal em 2019. "Temos commodities, o que produzimos no campo. Tem países - não quero citar nomes para não ter polêmica, mas o pessoal deve saber qual país europeu está interessado nisso - que nos acusam de ser terroristas ambientais", continuou o presidente.

Leia também: Para Mourão, defensor do agronegócio, queimadas no Pantanal e na Amazônia estão sendo superdimensionadas

Além de países europeus e a imprensa, ele acusou a esquerda de, supostamente, "se aproveitar" dos incêndios florestais para tentar prejudicá-lo. Bolsonaro também repetiu, a exemplo da fala à ONU, que, nas suas palavras, "o índio" e "o caboclo tocam fogo no roçado".

"Fazemos o trabalho de conter o foco de incêndio, mas, problemas e medidas equivocadas no passado potencializam os incêndios", alegou o presidente.

Nesse ponto, Salles voltou a defender o uso do fogo de forma preventiva para diminuir o acúmulo de matéria orgânica no solo. O ministro também repetiu a alegação de que o "núcleo" da floresta, por ser úmido, não estaria pegando fogo. "Pega no entorno da floresta, com a diminuição da vegetação pela intervenção humana ao longo de 500 anos", acrescentou.

Essa não é a primeira vez que Bolsonaro faz esse tipo de declaração, há uma semana atrás, já havia dito que o Brasil é o país que mais preserva. Suas declarações buscam desviar e tirar das costas do agronegócio o peso pelas queimadas que esse setor da burguesia tem promovido no Pantanal e na Amazônia para atender sua sanha de lucro.

Pode interessar: "Dia 25 às ruas pelo Pantanal, contra as queimadas, o agronegócio e Bolsonaro”, diz Letícia Parks

Confira também: A crise ecológica no Pantanal: Quais respostas são necessárias?

Com informações da Agência do Estado




Tópicos relacionados

PANTANAL    /    Amazônia   /    Ricardo Salles   /    Governo Bolsonaro   /    Jair Bolsonaro   /    Sociedade   /    Meio Ambiente

Comentários

Comentar