Sociedade

CORONAVÍRUS

Cinco pontos sobre a nova cepa de coronavírus

O Reino Unido informou no último fim de semana que detectou uma nova cepa de coronavírus e que a transmissão poderia ser mais rápida. No entanto, suas características ainda estão sendo estudadas. Aqui estão cinco chaves do se sabe até agora.

quarta-feira 23 de dezembro de 2020| Edição do dia

Nos últimos dias, o governo britânico informou ter detectado uma nova cepa do coronavírus em seu território, ao mesmo tempo em que aumentava a velocidade de transmissão nas mesmas áreas. Com o passar das horas, o alarme se espalhou, com o aprofundamento da quarentena e o fechamento preventivo de voos e fronteiras para veículos e pessoas daquele país, inclusive do governo argentino. Cientistas de vários países estudam freneticamente em laboratórios, por exemplo, se é mais transmissível - e, se sim, por que - e por que evoluiu dessa forma. Mas o que se sabe até agora sobre esta nova cepa?

1) Em que se diferencia esta variante da cepa original?

A nova variante, chamada B.1.1.7 (ou VUI-202012/01), tem 23 mutações em comparação com a cepa Sars-Cov-2 sequenciada na China em janeiro, mas o surpreendente é que 17 mutações apareceram em um único evento. Alguns também estão presentes na variante sul-africana, outro na encontrada nos bisões dinamarquêses e outros apareceram em uma pessoa imunossuprimida (diminuindo sua resposta ao plasma convalescente). O número dessas mutações repentinas é impressionante e Kai Kupferschmidt aponta em um artigo detalhado na revista Science nesta segunda-feira que “os cientistas especulam que isso pode ter acontecido durante uma infecção prolongada em um paciente, que permitiu que o vírus passasse por um período de evolução. rápido com múltiplas variantes competindo entre si. "

2) Quanto se expandiu?

Até agora, a nova cepa foi encontrada na Holanda em um paciente e também foi detectada na Itália e na Austrália - como anunciado essa semana naquele país -, em ambos os casos em viajantes recém-chegados do Reino Unido. Já pode estar presente em outros países que não têm a capacidade de sequenciamento que a Inglaterra possui, segundo o epidemiologista William Hanage, da Escola de Saúde T.H. Chan de Harvard.

3) Esta variante é mais transmissível?

É possível, embora a afirmação de Boris Johnson de que a nova variante aumenta a transmissibilidade do vírus em 70% ainda seja precipitada. O que se sabe é que algumas das mutações estão na proteína "spike" (daquelas que formam a coroa do vírus) e podem permitir maior eficiência na infecção. O dado da Inglaterra também pode ser devido a mudanças no comportamento da população, mas nas últimas horas, Peter Horby, diretor do NERVTAG (sigla em inglês do Grupo de Acessoria de Ameaças de Novos e Emergentes Vírus Respiratórios do Reino Unido) afirmou que “agora temos mais certeza de que essa variante tem uma vantagem de transmissibilidade”. De acordo com Andrew Rambault, biólogo molecular evolutivo da Universidade de Edimburgo, das 17 mutações, 8 estão em genes que codificam a proteína spike e duas 2 (69-70del e N501Y) são preocupantes a esse respeito, como mostram estudos anteriores.

A mutação N501Y foi anteriormente associada a um aumento na afinidade por um receptor na membrana celular, a "porta de entrada" do vírus para a célula. A mutação 69-70del leva à perda de dois aminoácidos na proteína spike e pode contribuir para que o vírus evite a resposta imune em alguns pacientes.

A variante foi isolada pela primeira vez em 20 de setembro, em meados de novembro era de 26% e “na semana de 9 de dezembro já era bem maior. Portanto, em Londres, 60% dos casos são desta nova variante", disse o consultor científico do governo britânico, Patrick Vallance, em sua coletiva de imprensa no sábado. Por sua vez, Christian Drosten, virologista do Hospital de Charité de Berlim, diz que ainda é prematuro afirmar que a transmissibilidade aumenta: “ainda há muito desconhecimento”, e aponta que a variante apresenta a omissão no gene ORF8, que estudos anteriores sugerem que pode reduzir a capacidade de contágio.

Notícias da África do Sul parecem confirmar o aumento da transmissibilidade: em três províncias onde um surto rápido está ocorrendo, uma linhagem diferente da variante da Inglaterra foi identificada, mas também tem a mutação N501Y no gene spike. Num trabalho “preprint” (sem revisão por pares para acelerar os tempos), publicado hoje por um grupo de cientistas liderado pelo investigador Túlio de Oliveira, afirma-se que “enquanto o significado completo das mutações permanece por determinar, a informação genômica , que mostra um deslocamento mais rápido do que outras linhagens, sugere que isso pode estar associado a uma maior transmissibilidade. "

Isso afeta a detecção do vírus pelo teste de PCR? Um dos testes de PCR mais usados ​​no Reino Unido (o TaqPath) detecta três sequências de genes. Mas os vírus com a mutação 69-70del testam apenas positivo para duas dessas sequências e negativo para a sequência da proteína spike. Essa é uma feliz coincidência, pois permite que o progresso dessa nova variante do vírus seja rastreado sem a necessidade de sequenciamento completo, para que possa ser rastreado na Inglaterra (onde centenas de milhares de testes são realizados diariamente).

4) Pode agravar a enfermidade?

Embora haja alguma evidência a esse respeito na África do Sul, atingindo os jovens, John Nkengasong, diretor do Centro Africano para Controle e Pesquisa de Doenças, diz que "é preocupante, mas precisamos de mais dados para ter certeza". Por sua vez, a virologista Emma Hodcroft, da Universidade de Basel, sugere que é melhor ser cauteloso e lembra que a variante B.1.177 encontrada na Espanha, que se pensava ter uma taxa de mortalidade 50% maior, resultou em "informações puramente confusas, distorcidas nos primeiros dias. Pode ser também que haja uma doença maior devido a eventos de maior infecção (aliás, essa variante também foi pensada como mais transmissível, pois se espalhou pela Europa rapidamente, mas hoje os cientistas pensam que isso se devia a viajantes que voltavam de férias naquele país). Drosten aponta que estudos comparativos com células e animais são necessários para determinar isso.

Outro estudo, conduzido por Ravindra Gupta, um virologista da Universidade de Cambridge, e publicado em um estudo de "preprint" sugere que foi identificado que um paciente infectado com o vírus com a variante 69-70del e outro, D796H, era menos suscetível a a ação do plasma convalescente (de pacientes com a variante original do vírus) e morreu, então essas duas mutações podem ser as causas. Mas são as primeiras investigações (outras se referindo a outras mutações sairiam no fim do mês).

5) Pode afetar a efetividade das vacinas?

A preocupação de que o vírus sofra mutação e se torne resistente às vacinas, e em particular nesta cepa devido à alteração que afeta a imunidade aos anticorpos indicados, parece infundada a princípio, pois isso implicaria em muito mais mutações (e tempo para desenvolver, talvez anos). Em declarações ao New York Times, o biólogo evolucionista do Fred Hutchinson Cancer Research Center em Seattle, Jesse Bloom, observou que “ninguém deveria se preocupar que poderia haver uma única mutação catastrófica que tornaria repentinamente toda imunidade e anticorpos inúteis. Será um processo que ocorre em uma escala de tempo de vários anos, com o acúmulo de múltiplas variações virais. "

A mutação dos vírus ocorre aleatoriamente o tempo todo, e este coronavírus está fazendo isso em uma taxa mais frequente do que se pensava, mas em si não é nem melhor nem pior em termos de saúde, mas deve ser investigado especificamente em cada caso. No momento, cientistas de todo o mundo estão monitorando de perto essas mudanças.




Tópicos relacionados

Nova Cepa   /    Vacina   /    COVID-19   /    pandemia   /    Coronavírus   /    Ciência e Tecnologia   /    Sociedade   /    Internacional

Comentários

Comentar