Internacional

Crise ecológica

Cinco capitalistas que estão destruindo o meio ambiente

À medida que a ameaça da crise climática aumenta em magnitude, a esquerda deve lembrar de quem é a culpa e o que será necessário fazer para sobreviver.

sábado 10 de outubro| Edição do dia

Você não saberia disso acompanhando a grande mídia, mas a ameaça da crise climática não desapareceu desde sua breve passagem como manchete em torno da Greve Climática Global, que ocorreu há mais de um ano. Somente este ano, aconteceram os piores incêndios florestais da história da Califórnia, que ocorrerem simultaneamente a um número sem precedentes de tempestades tropicais no Atlântico. Apesar da ameaça existencial que a crise climática representa para o mundo - especialmente para a classe trabalhadora - os líderes políticos se recusam a tomar quaisquer medidas sérias, ou mesmo moderadas, medidas quase de centro-esquerda como as propostas no Novo Acordo Verde (Green New Deal).

Há uma razão óbvia para a falta de ação: a crise climática é alimentada pelo capitalismo. Embora políticos republicanos e democratas difiram em sua retórica, os dois partidos existem para servir à classe capitalista. Tudo o que eles dizem e fazem existe para manter as relações materiais que levaram à destruição em grande escala dos ambientes naturais do mundo às custas de todos, exceto das pessoas mais ricas.

Uma vez que eles nunca revelarão os verdadeiros perpetradores dessa destruição, é responsabilidade da esquerda citar nomes e destacar as indústrias que são particularmente culpadas pela crise ambiental. Esses cinco capitalistas são exemplos de como o capitalismo alimenta diretamente a crise climática.

James Quincey, Diretor Executivo da Coca-Cola

Por dois anos consecutivos, a Coca-Cola tem sido a maior causadora de poluição por plástico, que termina contaminando os oceanos. Uma auditoria realizada pelo movimento global Liberte-se do Plástico (Break Free From Plastic) em 2019 descobriu que a empresa de bebidas contribuiu com mais poluição por plástico do que as três fontes seguintes combinadas.

Feito para ser durável, o plástico é um dos materiais mais prejudiciais ao meio ambiente que os humanos já criaram. Pode levar mais de 400 anos para se degradar totalmente e, de acordo com um relatório de 2019 do World Wildlife Fund, sua produção será responsável por até 13% do orçamento de carbono do mundo até 2050. O plástico há muito é considerado um dos piores poluentes para os ecossistemas terrestres e oceânicos. Além disso, o plástico é responsável por 3,8% das emissões globais de carbono. Embora isso possa soar como uma pequena porcentagem, é quase o dobro do valor causado pela aviação.

A gigante do refrigerante respondeu a este relatório com o anúncio esperado de que eles farão melhor - mas declarações de ativistas ambientais sugerem o contrário. Afiliados do movimento Liberte-se do Plástico (Break Free From Plastic) disseram que a empresa tem interferido em seu ativismo contra a poluição do plástico.

Marillyn Hewson, Diretor Executivo da Lockheed Martin

Razões para se opor ao militarismo dos Estados Unidos não faltam. Um dos motivos é que o setor militar norte-americano é o 47º maior emissor de gases de efeito estufa em todo o mundo, tornando-se um poluidor maior do que a maioria dos países de médio porte. 30% de sua energia é usada para manter mais de 560.000 edifícios em todo o mundo. Uma parcela ainda maior das emissões de carbono do Pentágono vem da produção de armas de guerra e do combustível que elas usam.

O Departamento de Defesa carrega grande parte da responsabilidade, mas as forças armadas dos EUA não seriam nada sem seus contratados, que lucram com a violência imperialista e a poluição. Embora vários contratados, como Boeing e Raytheon, forneçam regularmente logística para violência, o maior contratado é a Lockheed Martin. Em 2017, a Lockheed Martin superou em muito a produção de suas empresas rivais, produzindo US $ 44,9 bilhões em armas e outros contratos de defesa. O segundo lugar em vendas de armas foi a Boeing, com US $ 26,9 bilhões.

No dia 28 de setembro, a empresa passou a responder a uma ação judicial coletiva devido “pesadelo ambiental” causado por seu complexo industrial em Orlando. O processo afirma que a empresa negligenciou o correto manuseio de produtos químicos perigosos, resultando em contaminação tóxica do solo e das águas subterrâneas. Há algum tempo, eles foram responsáveis pela poluição por cromo hexavalente nas águas da região de Los Angeles.

Amin Nasser, Diretor Executivo da Saudi Aramco

Nessa altura, a indústria de combustíveis fósseis se mistura e se confunde com o termo “mudança climática”. A menos que você negue as mudanças climáticas, provavelmente não há obscuridade para a ameaça que os combustíveis fósseis representem para o mundo.

As 20 maiores empresas de petróleo do mundo são responsáveis por 35% de todas as emissões globais de dióxido de carbono e metano. A maior de todas é a Saudi Aramco, que produziu 59,26 bilhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente desde 1965, batendo a segunda maior empresa (Chevron) em mais de 15 bilhões de toneladas.

Não deveria ser surpresa que uma empresa de combustíveis fósseis de propriedade de uma monarquia aliada ao imperialismo dos EUA desempenhasse um papel tão importante na destruição capitalista da natureza. Infelizmente, pode surpreender alguns que, além de ser o maior poluidor global, a Saudi Aremco também é o negócio mais lucrativo do mundo. Isso deve servir como uma prova clara de que o próprio combustível da mudança climática é a economia global com fins lucrativos que os capitalistas criaram e mantiveram às custas de toda a vida no planeta.

Jamie Dimon, Diretor Executivo da JPMorgan Chase

Se as empresas de combustíveis fósseis são os contribuintes mais frívolos e diretos para a crise climática, os grandes bancos têm uma responsabilidade significativa como patrocinadores da indústria de combustíveis fósseis. Um relatório publicado no início deste ano pela Oil Change International descobriu que, nos últimos quatro anos, os bancos deram US $ 970 bilhões para as 100 maiores empresas de combustíveis fósseis.

De acordo com a Rainforest Action Network, o banco JPMorgan Chase é “de longe o pior financiador da expansão dos combustíveis fósseis e dos combustíveis fósseis”. Desde o acordo climático de Paris, o maior dos quatro grandes bancos americanos financiou em US $ 67 bilhões as expansões de combustíveis fósseis.

O presidente de extrema-direita do Brasil, Jair Bolsonaro , atraiu algumas críticas internacionais mais pesadas no ano passado, quando a enorme queima da floresta amazônica chegou às manchetes globais. Embora Bolsonaro tenha sido alvo de muitas críticas merecidas, os contribuintes muito mais insidiosos foram as empresas que financiaram diretamente o desmatamento, com o banco JPMorgan liderando o grupo.

Charles Koch, Diretor Executivo das Indústrias Koch

Poucas empresas são tão facilmente associadas ao mal como as indústrias Koch. O conglomerado desempenha um papel direto na crise climática por meio de sua ampla gama de refinarias de petróleo e oleodutos. No entanto, onde as Indústrias Koch realmente se destacam é como um financiador gigante da negação da mudança climática.

Um relatório de 2010 do Greenpeace concluiu que Koch é a principal financiadora da desinformação em torno das mudanças climáticas. Em 2011, a revista Rolling Stone colocou os irmãos Koch em segundo lugar em uma lista de 12 políticos e executivos que bloqueiam o progresso no aquecimento global. Na época daquele artigo, Koch havia gastado US $ 38 milhões em trabalho de lobby no congresso para eliminar a legislação climática.

Provavelmente nunca saberemos o número de mortes provocadas como resultado desses esforços de lobby, mas o dinheiro que os Kochs gastaram para promover a negação da mudança climática e seus subterfúgios para burlar até mesmo as leis ambientais mínimas estão bem documentados.

A Solução

A devastação ambiental é um produto direto do capitalismo. Os capitalistas nunca combaterão a crise climática porque isso exigiria que o sistema fosse abolido. O capitalismo é baseado no princípio de que os recursos finitos devem ser propriedade privada, explorados e trocados com o único propósito de enriquecer uma meia-dúzia. Este sistema anárquico de produção nunca pode ser alinhado com a sustentabilidade.

É por isso que os socialistas reformistas nos EUA, ligados ao Partido Democrata, não conseguiram mostrar como poderia ser uma alternativa. Propostas como o Novo Acordo Verde, que aponta para reformas importantes, são amplamente insuficientes para lidar com a crise climática porque a raiz da crise é o próprio sistema capitalista.

A solução é uma economia planejada democraticamente estruturada em torno das necessidades humanas e da sustentabilidade ambiental, em vez do lucro.

É errado para as pessoas de esquerda afirmarem que a crise climática pode ser combatida dando-se incentivos para que as empresas se tornem verdes. O que precisamos é de uma esquerda que lute para que a classe trabalhadora tome o poder político, quebrando o poder dos capitalistas e de seu estado.




Tópicos relacionados

Crise Climática   /    mudanças climáticas   /    Capitalismo   /    Meio Ambiente   /    Internacional

Comentários

Comentar