Logo Ideias de Esquerda

Logo La Izquierda Diario

SEMANÁRIO

China, aterro mundial e o colapso ambiental

Esteban Mercatante

China, aterro mundial e o colapso ambiental

Esteban Mercatante

As taxas de crescimento econômico imbatíveis da China, graças às quais está em vias de superar as dos Estados Unidos, vêm acompanhadas da transformação do gigante asiático na maior usina de danos ambientais. O último livro de Richard Smith aborda as facetas do desastre ambiental do "modelo chinês", e destrincha as condições da sociedade que conseguiu multiplicar os efeitos devastadores do capitalismo no planeta.

O livro, China’s Engine of Environmental Collapse [1] (O motor de colapso ambiental da China) de Richard Smith mostra o "lado B" do crescimento econômico acelerado da China, que é a destruição ambiental que o acompanha.

Em seu livro Richard Smith destaca a China como "um paradoxo da crise climática" (xiv), que ao mesmo tempo tenta se posicionar como a principal fiadora e promotora das iniciativas pactuadas pelos Estados para responder à crise climática [2] - compromissos de eficácia muito duvidosa na maioria dos casos -, é devido ao tamanho de sua economia e às características de seu crescimento que o país está liderando a destruição do meio ambiente. A China está entre os países com mais painéis solares e turbinas eólicas instalados, que representam 30% do total mundial; e investiu em energia renovável e carros elétricos mais do que o resto dos países do mundo somados. Mas a China também dobra hoje as emissões de dióxido de carbono (CO2) do país que o segue no ranking, os EUA, e é responsável por 30% do CO2 liberado na atmosfera. Em 2018, as emissões de CO2 na China foram equivalentes às dos 5 países seguintes (EUA, Índia, Rússia, Japão e Alemanha), embora sua população seja 68% da deles e o PIB 32%.

As emissões de CO2 que agravam o aquecimento global são apenas uma faceta do impulso destrutivo que o crescimento desenfreado da China acarreta; as outras são a poluição dos rios e o ar irrespirável das cidades, o acúmulo de sucata tecnológica ou a destruição de florestas e outros espaços naturais para a construção de cidades que permanecem quase desabitadas. Nas páginas do China ’s Engine... temos inúmeros cartões postais sobre o acúmulo de sucata tecnológica, o despejo indiscriminado de produtos químicos tóxicos em áreas rurais e urbanas, a multiplicação do uso de fontes de energia do século XIX, para citar apenas alguns.

As taxas de crescimento do PIB - até poucos anos atrás acima dos dois dígitos e nos últimos anos entre 6 e 7% - que causam inveja nos governos de outros países e permitem atrair capitais ávidos pelo lucro de todo o mundo, que é o fonte de sustento para as ambições de projeção de poder global do PCCh, são um elemento de primeira ordem para explicar os danos a esta altura irreparáveis ao meio ambiente. Mas a magnitude da pegada deixada pela transformação da China não se explica simplesmente pela magnitude e velocidade do processo, que multiplicou o tamanho de sua economia por 40 desde 1978. A escala em que a China absorve recursos para sustentar esse crescimento, investe em infraestruturas impossíveis de utilizar (e “descartáveis” numa medida sem comparação) e é incapaz de estabelecer o cumprimento dos objectivos definidos ao mais alto nível de governo em matéria de substituição de fontes de energia, tudo responde para Smith às singularidades da formação econômico-social chinesa. O livro visa explicar essa especificidade chinesa, que na opinião do autor teria como efeito um dano ambiental ainda mais potente do que aquele que caracteriza por si o capitalismo.

O "Preço" da China

Richard Smith começa seu livro abordando um aspecto crucial que, no restante da obra, tende a ficar um pouco confuso: o enorme papel do capital imperialista em moldar o "motor do colapso ambiental" na China. Como discutimos em outra oportunidade, a China se caracteriza pelo forte peso que as grandes empresas multinacionais estrangeiras mantêm em seu comércio exterior. Ou seja, ao mesmo tempo que os líderes da China mostram cada vez mais ambições de disputar a liderança global, o país continua sendo uma fonte de lucros importantes para o capital estrangeiro, que desde alí produz para exportar para todo o planeta.

Destacar o papel desempenhado pela China como o pulmão do capitalismo desde os anos 1980 não é dizer nada de novo neste momento. Mas Smith ressalta que isso não se deve exclusivamente à grande disponibilidade de “trabalhadores ultrabaratos semicoagidos” (2) que possibilitou ao capital estrangeiro que se instalou no país obter uma redução formidável de seus custos.

Uma diminuição adicional nos custos de produção do capital transnacional na China deveu-se ao “desrespeito ou falta de gastos com proteção ambiental” que caracterizou o PCCh na busca por atrair investimentos (3).

O “preço da China” se deve à liberdade dos investidores de poluir tanto quanto à liberdade de explorar força de trabalho ultrabarata. Numerosas indústrias - química, plástica, curtume, chapeamento de metal, pintura, tintura têxtil, eletrônica e outras - instalaram-se na China em grande parte para escapar das regulamentações ambientais e sanitárias "opressivas" nos EUA, Japão e Europa (3).

Produção e consumo, como assinala Marx na introdução aos Grundrisse, constituem uma “unidade diferenciada”, e o que ocorre em um campo está intimamente relacionado ao que ocorre no outro, ao qual por sua vez determina-o. O barateamento de mercadorias que a relocalização para a China permitiu às empresas líderes nas principais cadeias de valor globais, o que era de uma magnitude nunca vista "desde a revolução industrial" (10), contribuíram para a mudança nos padrões de consumo que observamos nas últimas décadas.

O que haviam sido bens de consumo duráveis ​​- sapatos, roupas, móveis, acessórios, aparelhos eletrônicos para casa e escritório - foram substituídos "por descartáveis ​​baratos ou rapidamente obsoletos" (10). Com esta “revolução dos descartáveis”, toda uma série de setores dedicados à reparação desses bens duráveis ​​também foi varrida, pois “ficou mais barato jogar fora e repor do que consertar”. Isso é verdade para tudo, desde roupas (em 1960, um americano médio comprava 25 roupas por ano gastando US $ 4.000, hoje gastam US $ 1.800, mas compram 70 roupas) e móveis (o gigante IKEA é construído sobre a premissa do descarte), até os celulares.

Graças ao "preço da China", o preço de venda da maioria dos produtos industriais foi reduzido, o que por sua vez levou a uma mudança nos padrões de consumo. Bens que antes podiam ser considerados duráveis ​​hoje têm uma vida muito mais efêmera - algo necessário para poder continuar vendendo tudo o que sai das fábricas. A consequência é a multiplicação dos recursos consumidos para sustentar esse aumento do consumo per capita - muito desigualmente distribuído entre os países e dentro de cada país - e da poluição gerada pelos processos industriais e a multiplicação dos resíduos que acarreta o descarte. Tomemos como exemplo a indústria têxtil, que Smith detalha. O algodão necessário para produzir uma camiseta requer 2.700 litros de água (o que uma pessoa bebe em 2 anos e meio). As fibras sintéticas com as quais o algodão é substituído requerem menos água, mas causam outros danos ao meio ambiente, como mais do que o dobro das emissões de carbono geradas pela produção de uma camiseta de algodão (12).

Não há nenhuma razão técnica para esses dispositivos [computadores e smartphones; NdR] não possam ser produzidos como produtos duráveis ​​-melhoráveis, reparáveis, reajustáveis, totalmente recicláveis ​​- de forma que possam durar décadas, em vez de serem projetados para serem jogados fora e substituídos a cada dois anos. O mesmo vale para frágeis eletrodomésticos de plástico, móveis de aglomerado de madeira do IKEA, sapatos que não podem ser recolocados na sola, roupas H&M tão baratas que não compensam o custo de lavagem a seco, etc. (15).

Mas, além das (sem) razões técnicas, o capital, impulsionado pela busca de melhorar a lucratividade por meio da aniquilação de custos, tornou a indústria descartável a única alternativa, e a China foi a peça central para torná-la possível.
Os líderes do PCCh transformaram a China, para cimentar sua ascensão econômica, em um território de dumping ambiental. A China é a única entre as grandes economias que já superou em tamanho de PIB (Alemanha ou Japão) ou está em vias de fazê-lo (EUA) [3] que tolera tais níveis de degradação ambiental, realizados não apenas por suas empresas privadas e estatais, mas também pelas grandes empresas imperialistas.

Dessa forma, o "colapso ambiental" na China fala do funcionamento de todo o sistema capitalista mundial, algo que Smith aponta inicialmente, mas que tende a ficar parcialmente apagado no restante de seu livro, quando analisa as "características chinesas" que, em sua opinião, agravam ainda mais as características que caracterizam o capitalismo. Depois de apontar esse papel que a reconfiguração capitalista mundial teve na China, no restante do livro o eixo volta a como os problemas ambientais foram ali agravados pelo fato de não se tratar de uma formação capitalista, mas algo diferente.

Crescimento cego

No dia de hoje, a maior parte do PIB da China ainda é explicada pelos setores estatais, além da gravitação crescente que os setores capitalistas alcançaram durante as últimas décadas.

O que orienta a conduta dos administradores das empresas estatais e dos governantes provinciais e municipais que levam adiante grandes projetos de infraestrutura ou estimulam a instalação de indústrias no território que administram, é o crescimento sem limites, pois “não param quando produziram o suficiente”(21). A produção na China também demanda mais recursos em proporção ao valor gerado: há alguns anos, o consumo de energia por dólar do PIB era 7,9 vezes maior do que o do Japão e 3,9 vezes maior do que o dos Estados Unidos, enquanto o consumo de água era respectivamente 5,6 e 2,9 vezes mais. Isso porque, embora a China venha diminuindo a diferença de produtividade com as economias mais ricas, ainda está muito atrás em muitos setores. Isso significa que para cada unidade de produto exige mais trabalho, mas também consome mais recursos. Além disso, "desde o começo, o boom de investimentos foi caracterizado pela superprodução, o desperdício arbitrário de recursos e energia e contaminação desnecessária" (21). Apesar de alguns esforços do governo central para limitar algumas das piores ações de danos ambientais por parte de empresas estatais ou privadas ou por níveis mais baixos de governo, isso não mudou, mas continuou agravando-se à medida que o tamanho da economia aumentava. A China tem hoje 18,5% da população mundial, mas consome 32% das principais matérias-primas industriais (cimento, minerais metálicos, minerais industriais, combustíveis fósseis e biomassa). No caso do carvão, o consumo da China é metade do total mundial. É desnecessário dizer as consequências devastadoras deste último para as emissões de CO2.

Urbanização descartável

Desde a Grande Recessão de 2008 até agora, quando o motor de exportação da China perdeu força, o ímpeto da infraestrutura e da urbanização que já era poderosa atingiu níveis de hipertrofia. A criação de cidades para milhões de pessoas que só podem ser habitadas por algumas centenas de milhares tornou-se um cartão-postal que percorre toda a geografia do país. Junto a ela são construídos trilhos de trem, estações ferroviárias, locomotivas ultrarrápidas, rodovias, que permanecem completamente subutilizadas apesar dos recursos envolvidos na sua construção e manutenção.

Mas não só isso, a "grande invenção da China", como Smith a chama com ironia, foi a construção em larga escala de moradias "descartáveis". Isso se deve, em primeiro lugar, aos materiais utilizados. De todo o concreto que a China despeja a cada ano em edifícios, uma proporção significativa é de qualidade defeituosa. Os edifícios são construídos rapidamente, mas não devem durar 50 ou 70 anos, mas 20 ou 30, e “apresentam riscos de segurança constantes” desde o momento em que são estreados (41). Conforme os desenvolvedores se afastam das principais cidades, onde o espaço é reservado para os melhores construtores, os controles relaxam e "a qualidade cai" (40).

As construções são feitas para durar algumas décadas, mas mesmo isso é demais para a vocação “haussmaniana” das autoridades locais. A "demolição cega" geralmente atinge edifícios relativamente novos, com 10 anos ou menos. A urbanização permite às autoridades municipais, que administram a terra de propriedade estatal, um enriquecimento rápido à custa da “desapropriação” dos moradores, na maioria das vezes camponeses realocados à força que não têm recursos para comprar as moradias a terra de onde são despejados. Mas fazer esse negócio uma vez não é suficiente. Em muitas cidades, os prefeitos "transformaram este monopólio de poder e propriedade em uma máquina de movimento perpétuo de expropriação-demolição-construção-expropriação-demolição-construção sobre o mesmo pedaço de terra, com todo o deslocamento, desperdício (e lucro) que isso implica ”(114).

Sobre essa combinação entre construção defeituosa e remodelação recorrente se assenta o que pode ser caracterizado como “urbanização descartável”, em uma tradução dos padrões que caracterizam o consumo capitalista de mercadorias para o tecido territorial. Como Wade Shepard observa:

Os chineses aplicaram o estímulo econômico da cultura do consumo à urbanização; essas cidades novas e reluzentes que estão surgindo em todo o país são como novas geladeiras projetadas para quebrar depois de apenas alguns anos de uso, e então você terá que sair e comprar uma nova - obsolescência incorporada à planificação urbana [4].

Onde está o motor do colapso ambiental?

A segunda metade de China’s Engine... é dedicada a mostrar como as raízes das tendências analisadas em direção ao dramático colapso ambiental estão no "modo de produção" da China.

Smith fala da China como um "sistema híbrido", uma fusão de capitalismo e coletivismo burocrático. Este seria dominado por três imperativos, que são o resultado do objetivo de manter "a segurança, o poder e a riqueza da burocracia do partido" (91). Os três impulsionadores são:

• maximizar o crescimento e a industrialização autossuficiente;
• maximizar a geração de empregos;
• maximizar o consumo e o consumismo (92).

O coletivismo burocrático nunca é definido conceitualmente nas páginas do livro, embora desde o início o autor apresenta como uma de suas contribuições o estudo da China a partir de uma teoria dos modos de produção inspirada nas elaborações e ensinamentos de Robert Brenner. Como aponta Claudia Cinatti, a tese do coletivismo burocrático emergiu nos anos 1930 na discussão sobre as bases sociais da URSS burocratizada, sendo outra variante das teorias “que afirmavam que a União Soviética era uma sociedade reacionária dominada por relações de exploração e que a burocracia stalinista, através do controle da produção pelo Estado, havia se transformado em uma nova classe exploradora ”.

A consequência de caracterizar a URSS como um coletivismo burocrático foi renunciar à defesa da propriedade nacionalizada dos meios de produção como um aspecto progressista a ser defendido contra a restauração capitalista, levantando um programa de revolução política contra a burocratização, conforme formulou Leon Trótski nos anos 1930.

Essa noção de que haveria uma classe dominante exploradora, que não é capitalista, mas coletivista burocrática, é transferida por Smith para a China: “A classe dominante da China consiste nos escalões superiores do Partido nomenklatura - algumas dezenas ou talvez algumas centenas de famílias em o pináculo do poder ”(126). Se desde 1949 a China foi governada por “uma aristocracia político-militar-burocrática”, hoje é governada por seus filhos, e em breve eles serão seus netos, afirma.

Ao destacar este elemento "coletivista burocrático" como dominante, a tese principal de China‘s Engine… é que a dinâmica desenfreada da China não pode ser entendida pelos mecanismos capitalistas de produção e acumulação de valor, mas sim seus motores estariam em outro lugar.

As empresas estatais da China não vivem e morrem de acordo com as regras do mercado. Apesar de todas as reformas de mercado desde 1978, o governo não permitiu nem mesmo uma grande estatal fracassar e ir à falência, por mais ineficiente, por mais endividada que seja, porque essas indústrias têm um propósito diferente. Eles não existem apenas para ganhar dinheiro. Existem para cumprir os desejos da liderança do Partido Comunista da China, especialmente porque contribuem para a substituição de importações e a industrialização nacional. Portanto, a economia estatista da China é movida por diferentes leis de movimento, diferentes motores.

Em mais de uma ocasião, Smith está a ponto de afirmar que a existência de mais mecanismos de mercado na China poderia remediar algumas das piores tendências ambientais, freando, por exemplo, uma superprodução que se mantém mesmo sem mercado para ela, coisa que as empresas capitalista conteriam diante do impacto negativo em sua lucratividade. Mas a resposta capitalista mostrada em outras partes do livro está longe deste tipo de racionalidade.

Smith afirma desde o início que "a economia híbrida da China não pode ser entendida simplesmente como capitalista, ou mesmo como capitalista de Estado" (24). Isso é correto, se é para indicar que a dinâmica da formação socioeconômica da China e suas contradições não se explicam exclusivamente como resultado do desenvolvimento capitalista que se aprofundou com sucessivas ondas de reformas nos últimos 40 anos. Mas não é, se quiser subestimar a crescente importância dessa integração da China no capitalismo global como elemento que molda todo o funcionamento de sua economia, que é para onde Smith pretende apontar. Em nossa opinião, o desenvolvimento capitalista se tornou um fator central da formação econômica social da China, apesar do PCCh continuar a erigir alguns limites para o pleno funcionamento da lei do valor em sua economia, embora sob preço de agravar distorções como a gerada por o gigantesco endividamento das empresas estatais. As tendências de colapso ambiental são resultado da restauração capitalista na China, embora também possam ser agravadas pelas “características chinesas” desse processo, ou seja, pelas ações do PCCh nos diferentes níveis de governo e das empresas que este administra.

A proposição de que estaríamos diante de uma "hibridização" entre capitalismo e coletivismo burocrático levanta mais problemas do que os resolve. É verdade que Smith não retoma os argumentos daqueles que argumentavam que o coletivismo burocrático era uma forma superior ao capitalismo, o que representava a dificuldade, como argumenta Cinatti, de “explicar como essa chamada ’nova classe’ estava desesperada para abandonar essa condição e se transformar em ’velha classe capitalista’ ". Mas tampouco Smith explica de maneira convincente por que a ânsia da classe “coletivista burocrática” em introduzir reformas pró-capitalistas.

Acreditamos que as contradições da China são mais bem compreendidas como resultado de um processo de restauração capitalista iniciado no final dos anos 1970 no que foi uma sociedade em transição, bloqueada desde o início pelo papel da burocracia, do capitalismo ao socialismo. A revolução de 1949, liderada pelo PCCh através de um partido-exército de base majoritariamente camponesa e semiproletária (isto é, sem a liderança da classe operária), deu origem desde o início a um estado operário burocraticamente deformado, apoiado, sim, na liquidação da burguesia como classe (e na expulsão do imperialismo) e na propriedade nacionalizada dos meios de produção.

As reformas iniciadas por Deng reintroduziram elementos capitalistas e liquidaram grande parte dessa herança da revolução. O peso exclusivo do PCCh no regime político e a forte participação do Estado na economia marcam aspectos específicos do processo e explicam alguns limites para o pleno funcionamento da lei do valor capitalista na China, não obstante a qual a marca capitalista é indiscutível, neste desenvolvimento "desigual e combinado".

Mas, além dessa importante questão sobre os fundamentos sociais da China de hoje em que a resposta de Smith não nos parece satisfatória, é muito ilustrativa a radiografia de como os imperativos mencionados acima, somados à multiplicação das instâncias decisórias em cada nível de governo, produz resultados que escapam completamente do controle de Pequim. A disputa por recursos e o estabelecimento de projetos entre os gerentes das empresas de participação estatal e os governos municipais e provinciais e ministérios nacionais “configura o padrão geral de desenvolvimento da economia da China, potenciando tendências de redundância, duplicação, irracionalidade, investimento e desperdício”(96). Cada administrador local vê seus vizinhos como competidores em um jogo de soma zero de competição pelos gastos do governo central, ganho de quotas de mercado e promoções. Eles são incentivados a construir sua própria “mini-economia” mais ou menos autossuficiente. Mesmo que isso signifique investir em fábricas ineficientes de pequena escala com tecnologia ultrapassada que produzem produtos de qualidade inferior e geram poluição excessiva (102).

O resultado é a multiplicação de empresas que fabricam de tudo, desde automóveis a painéis solares e turbinas eólicas. Até as companhias aéreas locais estão se multiplicando (são 30, quase uma para cada província). Uma imagem bem diferente emerge do livro sobre o poder de Pequim para concentrar recursos no sentido de um plano de crescimento centralizado. Ao contrário, apoiada nas diretrizes de crescimento emanadas do poder central, cada divisão disputa o acesso à maior quantidade de recursos para estimular o crescimento de seu território, produzindo o que for, mesmo ao preço de fortes deseconomias de escala: “funcionários locais com capital limitado, mas procurando se beneficiar de indústrias específicas, muitas vezes constroem fábricas em uma escala abaixo do ideal, duplicando o que seus vizinhos constroem”(105). Isso ocorre no setor automotivo, siderúrgico, cimento, refino de petróleo, alumínio, fundição de zinco, etc. “Plantas subótimas que usam tecnologia e processos industriais desatualizados que, em alguns casos, datam do século 19 e início do século 20, tanto desperdiçam recursos quanto geram poluição excessiva” (105). Quando se trata de produção e construção, "o governo chinês faz coisas como nenhuma outra nação na Terra, e na ’velocidade chinesa’." Mas “quando se trata de suprimir a superprodução, a sobreconstrução, a contaminação ou abordar a transição para a energia solar e eólica, estranhamente, os mandatos do governo frequentemente caem em ouvidos surdos, sejam ignorados ou contrariados” (119).

Ativar o freio de emergência

Nos capítulos finais, Smith discute os realinhamentos urgentes que o sistema produtivo da China deveria encarar para evitar o colapso ecológico para o qual está empurrando o planeta. Estes abarcam desde modificações drásticas em sua matriz energética, começando pela eliminação de todas as usinas de geração de energia baseadas em carvão que possam ser consideradas não essenciais e acelerar a transição para substituir aquelas que hoje não podem ser fechadas [5] até a abolição pura e simples da produção de “produtos descartáveis”, passando pela consolidação de indústrias como a automotiva ou a aeronáutica para conter o desperdício desnecessário gerado pela falta de economia de escala. Também aponta para uma parada de emergência de setores não essenciais de indústrias altamente contaminantes como a química. “Devem ser abolidos sempre que possível e substituídos por não tóxicos, enquanto aqueles de que precisamos para aplicações críticas devem ser rigorosamente controlados por reguladores independentes” (174). E, por fim, abandonar a “urbanização descartável”, indo mesmo a um reformular da urbanização sem freio que vem ocorrendo.

Embora Smith assinale ao longo do livro que o componente "coletivista burocrático" da sociedade chinesa é responsável pela multiplicação das aberrações climáticas que superam as dos países capitalistas, ele não deixa dúvidas de que não pode haver remédio capitalista para os males que afligem China.

... o capitalismo, o capitalismo democrático ou mesmo o "capitalismo verde" não são soluções para a crise ambiental da China, porque em todo o mundo o capitalismo democrático e o capitalismo verde estão se precipitando junto com a China para precipício da extinção [...] Sob o capitalismo, a maximização do lucro é uma regra de ferro que triunfa sobre todo o resto. Mas isso significa que, embora a maior parte da economia mundial seja baseada na propriedade privada e na produção competitiva para o mercado, estamos condenados ao suicídio coletivo. Não há ajustes suficientes nas estruturas de mercado que possam desacelerar o ímpeto em direção ao colapso ambiental e ecológico global. Não podemos abrir caminho para a sustentabilidade porque os problemas que enfrentamos não podem ser resolvidos por escolhas individuais no mercado. Eles exigem um controle democrático coletivo sobre a economia para priorizar as necessidades da sociedade e do meio ambiente (193).

Portanto, o livro conclui com um apelo para que “o povo chinês volte a se levantar. O destino de sua nação e o destino do planeta dependem em grande parte deles ”(196). Ele aponta que "a solução para a China, e para o resto do mundo, é a democracia ecossocialista, não a democracia capitalista" (194). Não está totalmente claro quais valores concretos essa formulação adquire para Smith e como pensa qualquer transição para o ecossocialismo, um problema que decorre de sua adoção da teoria do coletivismo burocrático. Não parece haver em sua proposta uma alternativa para superar o que se apresenta como o mal (capitalismo) e o pior (o casamento do capitalismo com o coletivismo burocrático). Nesse confinamento termina uma obra que, aliás, apresenta uma radiografia nítida do curso destrutivo do meio ambiente em que a China está embarcando, que é a contracara de sua "ascensão" econômica.

Tradução: Raffaele Stasi

veja todos os artigos desta edição
FOOTNOTES

[1Londres, Pluto Press, 2020. A página de citações correspondente a este livro será indicada entre parênteses.

[2Em janeiro de 2017, Xi Jinping argumentou em Davos que o acordo de Paris “é uma conquista duramente conquistada que está em linha com a tendência subjacente de desenvolvimento mundial. Todos os signatários devem segui-lo ao invés de se afastar dele, pois é uma responsabilidade que devemos assumir para as gerações futuras. " O compromisso da China com esse tratado é mais do que insuficiente. Até 2030 não reduzirá as emissões de dióxido de carbono, mas só então, quando projeta que atingirão seu nível máximo, começaria a fazê-lo. Por enquanto, a China "não está substituindo os combustíveis fósseis por renováveis, mas fortalecendo sua capacidade em ambos" (xvi).

[3Existem duas medidas comumente usadas para comparar o PIB dos países. O primeiro, a preços de mercado, é distorcido pelos efeitos produzidos pela paridade das moedas de cada país. Se um país como a China tem uma moeda acentuadamente depreciada - seus preços locais são acentuadamente mais baixos do que os de mercadorias equivalentes em outros países - seu PIB, medido a preços correntes, será menor do que se essa depreciação não ocorresse. Isto efetivamente ocorre com a China. A outra medida utilizada para comparar o PIB dos países, por Paridade do Poder de Compra (PPC), ajusta os valores com base no preço de uma cesta de bens (um exemplo é o “índice Big Mac” que toma como base de ajustar o valor do hambúrguer do McDonald’s). Comparando o PIB dos países em PPC, hoje a China já ultrapassou os EUA.

[4Ghost Cities of China: The Story of Cities without People in the World’s Most Populated Country, Londres, Zed Press, 2015, p. 16.

[5Smith acrescenta que “EUA e outros países desenvolvidos deveriam ser obrigados a fornecer ampla assistência técnica e material para facilitar essa transição total para as energias renováveis, já que o Ocidente é o responsável por toda essa configuração ”(72), argumento que é no mínimo ingênuo quando anos atrás, a relação entre os dois países passou de tensão a um confronto aberto no campo comercial, com projeções de escalada bélica feitas por diversos analistas como um cenário possível em um futuro próximo. Por outro lado, como o autor aponta em mais de uma ocasião, as “ajudas” capitalistas ao problema ambiental não são soluções. Não se trata simplesmente de trocar as matrizes de geração de energia por outras menos nocivas, mas sim de reorganizar toda a produção social, tanto na China como nos Estados Unidos e em outros países, para acabar com o desperdício capitalista.
CATEGORÍAS

[PCCh]   /   [Imperialismo]   /   [Ecologia]   /   [China]   /   [Meio Ambiente]

Esteban Mercatante

Comentários