Internacional

CHILE

Chile: Dezenas de milhares marcharam na primeira manifestação de 2020

Na sexta-feira à noite, foi realizada a primeira marcha do ano em que foi lembrado o assassinato do jovem mapuche Matías Catrileo, centenas de pessoas marcharam do monte Huelen para a Plaza de la Dignidad e milhares se manifestaram ao longo do dia.

sábado 4 de janeiro| Edição do dia

Em 3 de janeiro de 2008, Matías Catrileo, um jovem mapuche da coordenadora Arauco Malleco, foi morto pelas forças policiais depois de um tiro nas costas noFundo Santa Margarita de Jorge Luchsinger, localizado na comuna de Vilcún, região de La Araucanía.

O jovem universitário foi morto a tiros pelo cabo segundo Walter Ramírez Inostroza, que foi libertado provisoriamente sob fiança, permanecendo assim em completa impunidade.

Desde o início da tarde, os manifestantes chegaram à Plaza Italia, no centro, e as centenas se tornaram milhares; e à noite, dezenas de milhares ocupavam a rotatória e as numerosas ruas circundantes.

A comemoração foi realizada no contexto da repressão brutal que ocorre desde 18 de outubro, que já deixou mais de 25 mortos, centenas de mutilados e milhares de feridos e detidos. Mesmo nas últimas semanas, a política do prefeito Guevara ceifou a vida de Mauricio Fredes, enquanto Oscar Pérez estava preso entre dois veículos da polícia.

As ações da polícia e a brutal repressão fazem parte da política do governo de silenciar aqueles que estão se mobilizando e, como aconteceu há 12 anos, os violadores de direitos humanos permanecem em total impunidade enquanto velamos nossos mortos.

A noite passada não foi exceção, e os Carabineros reprimiram brutalmente os milhares que estavam se manifestando.

O Instituto Nacional de Direitos Humanos (INDH) do Estado confirmou em sua última avaliação que existem pelo menos 3.583 pessoas feridas, das quais 2.050 foram atingidas por algum tipo pelas forças estatais, enquanto 359 sofreram ferimentos nos olhos. Os detidos sobem em mais de dois meses de protestos para 9.589, segundo a agência, que registrou 1.549 violações dos direitos humanos.




Tópicos relacionados

Retorno da luta de classes   /    Chile   /    Internacional

Comentários

Comentar