Sociedade

CRISE AMBIENTAL

Chapada Diamantina sofre com incêndio de provável origem causada por fazendeiro

Na noite desta segunda-feira (29), em vegetação próxima do Parque Nacional da Chapada Diamantina, na cidade de Lençóis-BA, incêndio que tinha sido considerado apagado há 72 horas, voltou a persistir.

terça-feira 30 de março| Edição do dia

Foto: Agência Brasil/28 de Março

O incêndio atingiu uma área vizinha à Vila Histórica do Barro Branco, que se localiza dentro da Apa Estadual de Marimbús Iraquara. Ele tinha sido controlado e já considerado extinto pelos brigadistas há 72 horas.

Em entrevista para a Globo, a brigadista Giovana Ribeiro, informou que a suspeita é de que o incêndio tenha sido provocado por um fazendeiro, por queimar plástico: “ele perde o controle do fogo e acontece que esse brigadistas voluntários e do ICMBio [Instituto Chico Mendes de Biodiversidade] acabam tendo que ir para apagar esse fogo".

Anteriormente, a mesma região da Chapada já tinha sido vítima de incêndio, advindo da sede de lucro de fazendeiros. O outro incêndio atingiu uma região perto da cidade de Lençóis. As chamas foram controladas na última quinta-feira (25). De acordo com o ICMBio, o fogo começou na terça-feira (23), em um trecho chamado de Barro Branco.

Ainda outro incêndio, na cidade de Jacobina, no norte da Bahia, atingiu também a serra da Cachoeira do Aníbal. O fogo teria começado na tarde da última quarta-feira (24) e também foram controladas por atuação de brigadistas voluntários.

A Chapada Diamantina agrega no total 8 cidades e vilas (Andaraí, Ibicoara, Igatu, Lençóis, Mucugê, Piatã, Rio de Contas e Vale do Capão) que preservam consigo riquezas ambientais naturais e históricas do território brasileiro, e ainda congrega vários povoados, áreas residenciais em que vidas humanas também podem ser afetadas. E agora, como pode ser visto com os incêndios criminosos que arrasaram parte da Amazônia e do Pantanal, as riquezas naturais de nosso continente estão sendo levadas pelo fogo do agronegócio e da sede de lucro dos empresários.

Outubro do ano de 2020 foi o mês recorde de focos de incêndio no Pantanal, enquanto o governo Bolsonaro dizia não haver desmatamento na Amazônia e espalhava fake news dizendo que criação de gado pode impedir queimadas, e foi quando a Chapada teve seu primeiro incêndio, uma área que estava preservada há 20 anos. O negacionismo, mas também o centrão, forte representante do agronegócio no centro-oeste e parte essencial do regime político do golpismo institucional, do qual Bolsonaro é herdeiro, são responsáveis, entregando nossas terras.

Por isso, nós do Esquerda Diário, nos colocamos lado a lado dos povoados da região da Chapada Diamantina no Bahia, pela preservação ambiental e histórica. O governo estadual de Rui Costa (PT) também é responsável. É urgente que Rui Costa disponibilize imediatamente todos os recursos necessários para apagar todo o incêndio e recuperação das terras, assim como para que as famílias tenham segurança, contra o avanço do agronegócio. Defendemos que os sindicatos e entidades estudantis tomem essa reivindicação para si, assim como os parlamentares do PSOL.

Somente confiando em nossas forças unificadas pode haver uma resposta de fato à degradação capitalista que os governos representam. O agronegócio precisa ser expropriado por um reforma agrária radical, para acabar de uma vez por todas com o avanço da sede de lucro e destruição do meio ambiente.




Tópicos relacionados

BolsonaroGenocida   /    Fora Bolsonaro, Mourão e os golpistas   /    Bolsonaro   /    Pantanal   /    Rui Costa   /    Fora Bolsonaro, Mourão e os militares   /    Amazônia   /    Governo Bolsonaro   /    Incêndio   /    Centrão   /    Agronegócio   /    Sociedade

Comentários

Comentar