Gênero e sexualidade

DOSSIÊ 28S 2020

Candidatas revolucionárias do MRT na luta pelo direito ao aborto legal

Nesse dia latino americano e caribenho pelo direito ao aborto legal, as candidatas revolucionárias do MRT levantam essa bandeira fundamental na luta pela vida das mulheres.

segunda-feira 28 de setembro| Edição do dia

Como parte do grupo de mulheres Pão e Rosas, a candidatas revolucionárias do MRT por filiação democrática no PSOL sempre colocaram a luta pelo direito ao aborto como uma das suas principais bandeiras na luta em defesa da vida das mulheres. Apesar de ser uma data muito importante de luta para as mulheres, historicamente esse dia tem sido deixado de lado pelas organizações feministas, como a Marcha Mundial de Mulheres, primeiro quando diante dos governos petistas defendiam o chamado recuo estratégico, de deixar de lado a pauta do direito ao aborto enquanto Lula e Dilma faziam acordos com o vaticano e a bancada da bala. Um estratégia que ao invés de fortalecer a luta das mulheres, levou na verdade a que esses setores ultra reacionários se sentissem fortalecidos para dar o golpe institucional, e serem base do bolsonarismo. Se hoje estamos diante de uma situação em que fundamentalistas e conservadores de todo tipo querem retroceder até mesmo nos casos em que o aborto é legalizado, foi porque durante anos essa pauta ficou secundarizada em nome dos interesses das burocracias políticas e sindicais que estão a frente das organizações do movimento de mulheres e de trabalhadores.

Por isso, nesse dia 28 de setembro, mesmo praticamente não existindo atos em nosso país, Diana Assunção, Letícia Parks, Flávia Valle e Valéria Muller, juntamente com outras referentes nacionais do Pão e Rosas fizeram um chamado ao PSOL, PSTU, demais organizações de esquerda, sindicatos, entidades estudantis e movimento de mulheres para construir uma grande campanha nessas eleições em defesa do direito ao aborto legal e pela anulação de todas as reformas de Bolsonaro, dos golpistas e empresários.

Diana Assunção, reconhecida feminista marxista do nosso país, é trabalhadora da USP e também organizadora do PODCAST Feminismo e Marxismo que recentemente soltou um novo episódio sobre o 28 de Setembro. Ela compõe a candidatura coletiva da Bancada Revolucionária de Trabalhadores para vereança em São Paulo e nesse vídeo fala sobre esse dia latino americano e caribenho de luta pela legalização do direito ao aborto.

Letícia Parks, é educadora, fundadora do Quilombo Vermelho luta negra anticapitalista e está junto com Diana Assunção e Marcello Pablito na candidatura da Bancada Revolucionária de Trabalhadores. Semana passada Letícia fez uma entrevista com a professora Débora Diniz em sua página de instagram, e hoje esteve juntamente com companheiras do Pão e Rosas no ato do 28 de setembro em São Paulo.

Flávia Valle, é professora e candidata a vereadora em Contagem, foi fundadora do Pão e Rosas em Minas Gerais e uma incansável lutadora em defesa do direito das mulheres e do aborto legal.

Valéria Muller foi fundadora do Pão e Rosas no Rio Grande do Sul. Estudante da UFRGS e trabalhadora precarizada, é candidata a vereadora em Porto Alegre




Comentários

Comentar