Juventude

CASS da FAPSS-SCS debate o Brasil de Bolsonaro e as tarefas da categoria e do conjunto dos estudantes

Na noite passada (21/03/19) os estudantes da Faculdade Paulista de Serviço Social de São Caetano do Sul puderam participar de uma atividade de acolhida e reflexão promovida pelo centro acadêmico Palmares, gestão Marielle, Presente! e refletir sobre temas importantes da atual conjuntura.

sexta-feira 22 de março| Edição do dia

Com a colaboração dos docentes foi organizada uma mesa composta por dois professores da faculdade, Sônia Carvalho e Renato Almeida e uma professora convidada, a Grazieli Rodrigues, professora da rede municipal de SP, militante do Movimento Revolucionário de Trabalhadores e do grupo de professores Nossa Classe Educação que foi participante ativa da recente greve deflagrada pela categoria no início do ano.

O tema central da atividade era: Os desafios da Educação e dos Movimentos Sociais na atualidade brasileira. Os professores e os estudantes puderam expor suas análises e reflexões em torno de subtemas que contribuíram para um entendimento maior da realidade de ataques e combate ideológico que o atual governo de Bolsonaro impõe à classe trabalhadora e a partir daí pensar formas de construir o combate necessário às ideias retrógradas e excludentes de uma forma de governar que de nova não tem nada e portanto deve ser rechaçada pelo conjunto dos estudantes e trabalhadores.

Além da dimensão política do Assistente Social e os 40 anos do marco do Congresso da Virada (marco histórico da profissão, que será comemorado esse ano) exposto pela professora Sônia numa linha histórica, debateram também sobre o tema da criminalização dos movimentos sociais através da exposição do professor Renato onde houve interação com os estudantes no sentido de pensar todo o processo de cooptação por parte do Estado e a institucionalização dos movimentos sociais através da criação das ONG’s, por fim a professora Grazieli trouxe a reflexão em torno dos arcaicos projetos para a Educação no país, como a reforma do ensino médio e o polêmico "escola sem partido" (a lei da mordaça, tão combatida por professores do Brasil inteiro), a professora conseguiu expor uma linha de análise que possibilitou aos estudantes estabelecerem um paralelo entre os ataques à Educação e a reestruturação do modo produtivo capitalista que não necessita de jovens críticos e atuantes na sua condição de ser político mas apenas uma massa de trabalhadores que aceitem passivamente trabalhos precarizados e o mínimo de direitos, já legalizados através da reforma trabalhista e que ainda pode se potencializar através da cruel reforma da Previdência Social, a professora finalizou ampliando o chamado para esta sexta, um dia de mobilização nacional para combater a tal (contra) reforma, as grandes centrais sindicais que tem o poder de organizar a classe trabalhadora em um plano de lutas efetivo devem sair da passividade e impor ao atual governo a revogação de todas as medidas, reformas e projetos que nos últimos dois anos jogaram a classe trabalhadora numa crescente da carestia de vida.

Enquanto profissionais, futuros profissionais e estudantes não podemos nos calar, fazer esse debate e reflexão é fundamental para proporcionar um embasamento mais aprofundado à todos os estudantes e trabalhadores interessados. O movimento estudantil crítico e combativo existe e resistirá, principalmente quando tentam nos calar e invisibilizar como tem sido feito pela extrema direita que chegou ao poder através da tentativa de conciliação de classes que hoje nos colocou numa realidade de duros ataques.




Tópicos relacionados

Governo Bolsonaro   /    Juventude    /    Universidade   /    Juventude

Comentários

Comentar