Mundo Operário

tradução

Brutalidade empresarial: Amazon introduziu um algoritmo para explorar trabalhadores com base no uso muscular

Jeff Bezos, em sua última carta como CEO da Amazon, apresentou um plano para aumentar a produtividade por meio do gerenciamento algorítmico dos corpos dos trabalhadores.

quarta-feira 21 de abril| Edição do dia

O ritmo e a intensidade do trabalho nos armazéns da Amazon são brutais e as lesões são sistemáticas. Em sua última carta como CEO da Amazon, Jeff Bezos, ofereceu uma solução que parece esticar a definição de micro gerenciamento: pensar algoritmicamente os trabalhadores com base em quais grupos de músculos e tendões eles usam em cada posição no depósito para evitar desgastes ou lesões.

“Apesar do que conquistamos, está claro para mim que precisamos de uma visão melhor para o êxito de nossos funcionários”, escreveu Bezos. "Sempre quisemos ser a empresa mais centrada no cliente da Terra. Não vamos mudar isso. Mas estou comprometido com o aprimoramento. Seremos o melhor empregador do planeta e o lugar mais seguro para trabalhar."

Bezos diz que não está "consolado" pela recente derrota de uma campanha sindical em um depósito em Bessemer, Alabama, acrescentando: "Precisamos fazer um trabalho melhor para nossos funcionários."

Para isso, Bezos afirma que a Amazon buscará uma série de iniciativas voltadas para a melhoria das condições de segurança em seus armazéns. Um programa parece aproveitar a rede de vigilância da Amazon dentro dos armazéns, já tendo como alvo os trabalhadores, e agora sendo usado para minimizar os exaustivos movimentos repetitivos que levam a um número significativo de lesões, especificamente distúrbios musculoesqueléticos.

Segundo Bezos, esta gestão algorítmica ao nível micro dos corpos dos trabalhadores será "central" para a estratégia da empresa no futuro.

Este programa parece se adequar à tendência geral das empresas de tecnologia que buscam soluções ainda mais complicadas para o problema do excesso de trabalho, sem abordar o problema estrutural da fadiga e destruição corporal. O objetivo é aumentar ou manter as mesmas taxas de produção a partir de uma exploração mais intensiva dos corpos dos trabalhadores.

Nesse sentido, a carta de Bezos lamenta os efeitos supostamente inevitáveis do excesso de trabalho e propõe "soluções" complicadas, sem reconhecer soluções óbvias, como diminuir o ritmo de trabalho. Os problemas com segurança e higiene da Amazon são o outro lado de sua alta produtividade. Pelo número de remessas no mesmo dia e todos os dias, os trabalhadores do armazém e os motoristas de entrega são forçados a arriscar seus corpos ou perder seus empregos.

Essas soluções escandalosas não são novas. Recentemente, houve relatos de que a Amazon nega, e ao mesmo tempo obriga, que os trabalhadores urinem em garrafas por causa das longas distâncias que precisam percorrer para chegar aos banheiros.

A Amazon é um gigante da logística que detém o monopólio em muitas cidades e países, o que lhe dá o poder, entre outras coisas, de suprimir o preço da mão de obra (salários) em geral. Esta é a chave do "sucesso" da empresa. Por isso, investe em ideias “inovadoras” para aumentar a exploração intensiva dos trabalhadores.

Exige que seus trabalhadores cumpram cargas de trabalho desumanas ao longo do ano, tornando-as cada vez mais exigentes. Enquanto a Amazon conseguir repelir qualquer oposição ou resistência dentro da empresa, como tentaram os trabalhadores com a sindicalização em Alabama, seu novo objetivo é convencer os trabalhadores a fazerem um trabalho esgotador no depósito por 15 dólares a hora.




Tópicos relacionados

Jeff Bezos   /    Amazon   /    exploração   /    Trabalho Precário   /    Acidentes de Trabalho   /    Mundo Operário   /    Internacional

Comentários

Comentar