Política

Bruno Covas, prefeito reeleito em São Paulo, assinará aumento de 46% no seu salário

Enquanto que São Paulo é a cidade onde já morreram mais de 45 mil pessoas pela COVID-19, nesta quarta-feira, 23, o aumento absurdo no salário do prefeito Bruno Covas, de seu vice e de seus secretários, foi aprovado na Câmara de Vereadores.

quarta-feira 23 de dezembro de 2020| Edição do dia

Foto: Reprodução

Enquanto São Paulo possui a marcar da cidade com mais vítimas da covid, o prefeito Bruno Covas (PSDB) decidi pelo aumento de seu salário. 34 vereadores na Câmara votaram a favor, 17 contra e 1 abstenção. Agora só falta o próprio prefeito assinar o seu aumento pelos seus serviços prestados em prol do lucro de poucos, destruindo direitos e a vida da juventude e dos trabalhadores na capital paulista.

O reajuste valerá a partir de 2022, subindo supostamente o teto do funcionalismo público. Mas não se pode esquecer que se avizinha a reforma administrativa, da qual políticos prometem atacar os servidores públicos e beneficiar aqueles servidores que são os verdadeiros privilegiados.

Veja aqui: Reforma administrativa ataca servidores, enquanto poupa privilégios de políticos e juízes.

Assim, a partir de 2022, o salário do prefeito subirá de R$ 24.175 para cerca de R$ 35.462 (46%). Já o salário do vice-prefeito subirá 47% e dos secretários será um aumento de quase 53%. Novamente o prefeito usa o período próximo do Natal para fazer o que bem entende com a vida dos trabalhadores e os seus próprios privilégios.

Pode interessar: Às vésperas do Natal, Vereadores atacam servidores e aprovam 1ª votação do SAMPAPREV.

Enquanto no país o salário mínimo terá um aumento de 21 reais, passando de de R$ 1.067,00 para R$ 1.088,00; políticos como Bruno Covas assinam seus próprios aumentos salariais enquanto precarizam a vida de todos os trabalhadores.




Tópicos relacionados

pandemia   /    privilégios   /    Bruno Covas   /    Servidores Públicos   /    Que os capitalistas paguem pela crise!   /    Reforma da Previdência   /    PSDB   /    Política

Comentários

Comentar