×

Extrema direita argentina | Bregman: "São uma reação às revoltas regionais e à grande luta das mulheres"

A pré-candidata a deputada federal pelo PTS na Frente de Esquerda e dos Trabalhadores - Unidade (FIT-U) na Argentina, Myriam Bregman, esteve no programa Recalculando, do canal televisivo C5N. Repudiou a agressão anti-semita lançada pela ultra-direita e agradeceu a enorme e ampla demonstração de apoio. "Saiba que vamos continuar lutando e vamos transformar a raiva em organização", avisou.

terça-feira 24 de agosto | Edição do dia

Após um dia de solidariedade diante do ataque anti-semita e macartista recebido nas redes sociais pelo advogado de extrema direita, Alejandro Fragosi, a pré-candidata a deputada federal do PTS na Frente de Esquerda foi entrevistado no programa Recalculando por Julián Guarino no canal televisivo C5N.

A entrevista foi sobre este ataque e a resposta maciça em apoio a Myriam, mesmo do presidente da nação: "Aprecio a enorme demonstração de solidariedade que recebemos ao longo do dia. Espero que todas as repercussões deste ataque sirvam para mostrar que isto não pode ser naturalizado", e ela foi categórica: "Não vou naturalizar ser atacada por ser chamada de ’militante judeu’ em um tom depreciativo".

Em busca de uma explicação para o ataque, Bregman disse: "Os setores do poder sempre usaram o anti-semitismo para desviar a atenção de outros problemas. Eles são uma reação a esta situação de revoltas nacionais na região - Chile, Colômbia - e à grande luta que nós mulheres estamos travando por nossos direitos. E não devemos deixá-lo passar".

Ao longo do dia, Myriam recebeu milhares de expressões de apoio de defensores dos direitos humanos, artistas, intelectuais, organizações e personalidades envolvidas em lutas de mulheres e líderes políticos e sociais de uma ampla gama de origens. Assim como o repúdio a Alejandro Fargosi.

Ao mesmo tempo, Bregman lembrou "no sábado tivemos um evento com Nicolás del Caño no Parque Centenário com jovens, com centenas de jovens. É claro que um ato da esquerda, por mais que leve o dobro de gente que leva o ato do político de extrema direita Milei, não terá as repercussões que estes personagens têm, com o enorme apoio econômico e midiático que estas figuras grotescas têm. Valentina, uma neta dos desaparecidos pela ditadura, falou lá e contou como vivenciou os ataques destas pessoas. Nesse mesmo dia, um vídeo dos seguidores de Javier Milei gritando "esquerdistas de merda" tinha saído e ela o relacionou, como neta dos desaparecidos pela ditadura, com sua própria história pessoal. Emocionou a todos nós que estávamos no evento e depois terminamos com uma grande foto, lembrando Julio López, Santiago Maldonado e tantas vítimas de desaparecimentos na Argentina, mesmo em governos constitucionais por pessoas como este que agora está me atacando".

E ele continuou: "Todos os dias ouço o desencanto de amplos setores com o governo atual de Alberto Fernández e estes setores de extrema direita tentam capitalizar a raiva, enquanto por outro lado te dizem que não vale a pena lutar e que só se pode esperar passivamente a cada dois anos para poder votar. Estes reacionários não podem permitir nenhuma das duas coisas: que façamos avançar nossos direitos e que seja o produto de uma luta, porque sabem que esta força está lá e que pode reaparecer a qualquer momento. Eu sou daquelas que apostam que esta força reaparecerá para que as mulheres possam avançar por mais direitos, avançar por novas conquistas, avançar contra a violência machista, como estas expressões que estas pessoas têm", reafirmou Myriam.

Em relação aos motivos do ataque contra ela, Myriam acrescentou: "Há uma força política que quer representar estas lutas e reivindicar estas lutas, que somos nós, a esquerda. É disto que eles têm medo e é por isso que eles nos atacam".

"Também reivindicamos os trabalhadores auto-organizados de Neuquén que bloquearam as estradas da província, rompendo o teto salarial que a burocracia sindical havia compactuado com o governo. As Assembléias da Água em Mendoza, onde peronistas e Radicais (do partido burguês UCR) concordaram em permitir que a mineração contaminante a céu aberto fosse adiante, e as pessoas nas ruas disseram não a ela. Há uma força política que reivindica esta auto-organização e expressão nas ruas, dos trabalhadores e dos jovens. Isto provoca este tipo de ataque", continuou Bregman.

E finalmente ela foi categórica: "O poder econômico e midiático está apostando nestas pessoas como Milei e Espert. Nós, a esquerda, não vamos naturalizar estes ataques e vamos nos erguer com muita força. E há outros setores que dizem que não vamos fazer muito, porque todos supostamente teríamos um fascista dentro de nós. Bem, a esquerda está certamente livre disso, somos uma força anticapitalista de classe e lutamos pelo socialismo. E sim, o que tanto os incomoda, nós o reivindicamos".




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias