Opinião

CORONAVÍRUS

Brasil se aproxima de 162 mil mortes pela COVID-19 com 609 mortes em 24 horas

Apesar do discurso aclamado pela mídia, de que as mortes estão em queda, já chegamos a 5.614.258 pessoas infectadas pelo novo coronavírus, destas 23.317 só nas últimas 24 horas.

sábado 7 de novembro| Edição do dia

A suposta queda de contágio tão aclamada pela mídia, segue rifando a vida da população, e já sabemos, em sua maioria pobre e negra. A política negacionista do governo Bolsonaro e a irresponsabilidade dos governadores que seguem insistindo nessa “queda” de contágios,para manter a economia girando, reabrindo as escolas, ao mesmo tempo em que usam a desculpa da pandemia para retirar direitos e precarizar cada vez mais os postos de trabalho também são fator gritante de como colocam o lucro acima da vida.

Veja também: Pobres se infectam 2,5 vezes mais que ricos na capital de SP, segundo pesquisa

Enquanto vemos governadores como Crivella, minimizando as mortes com a frase: “morreu menos do que o esperado”, no próprio estado do Rio de Janeiro já morreram 20.759 pessoas por conta do novo coronavírus. Isso por uma lado analisando as perdas por conta do vírus, mas que se sabemos muito bem que são decorrências diretas, dos baixos salários que não permitem uma alimentação de qualidade,também da falta de saneamento básico e da precarização dos sistemas de saúde.

Saiba Mais: Em vídeo junto de Bolsonaro, Crivella minimiza mortes por Covid: “morreu menos do que o esperado”

A suposta queda proclamada pela mídia e reforçada pelos governos longe de apresentar resultados materiais, na verdade escancara o quanto a situação econômica e política do país está aos frangalhos, o desemprego batendo recorde, a inflação batendo recorde, as mortes pela polícia batendo recordes,as mortes por COVID batendo recorde.

Veja também: Desemprego bate recorde chegando a 14,4% entre maio e agosto, divulga IBGE

Outubro registra maior alta de inflação desde 1995. Os capitalistas lucram com a fome no país!

Esses dados e essa situação são reflexo do modo de produção capitalista, esse que coloca os lucros acima da vida, este que em prol da economia rifa a vida de milhares de pessoas. Sabemos qual a classe mais afetada por toda essa crise, sabemos que a burguesia se trata nos melhores hospitais e tem acesso aos melhores alimentos. Uma queda que nos faz chegar a 161.779 mortes confirmadas, tem que ser questionada.

Na Europa já vemos os efeitos da segunda onda do novo coronavírus e enquanto não tivermos políticas conscientes seguiremos vendo milhares e milhares de mortes. Um isolamento consciente, baseado em testes massivos, acesso a EPIS, alimentação de qualidade e saneamento básico, isso seria o mínimo.

Diante dessa realidade catastrófica vemos o governo Bolsonaro que chorou para dar um auxílio emergencial de 600 reais, que baixou esse auxílio para 300 reais, que aplicou diversas reformas com a desculpa de salvar a economia, que planeja um enorme ataque ao funcionalismo público com a reforma administrativa, gastar 100 mil reais com presentes a autoridades estrangeiras, Mourão gastar quase 15 mil reais de dinheiro público comprando poltronas e isso sem contar os trilhões cedidos para os empresários e banqueiros “passarem” pela pandemia.

Mas do que nunca se faz a necessidade de lutar pelo Fora Bolsonaro, Mourão e todos os golpistas que podem até ter discursos contrapostos nas mídias mas se unem para nos atacar como na aprovação das reformas já citadas.

Saiba mais: Em meio a crise, Bolsonaro gastou 100 mil reais em presentes para autoridades estrangeiras

Mourão quer gastar R$ 14,5 mil em duas poltronas elétricas para residência oficial




Tópicos relacionados

Crise do Coronavírus   /    COVID-19   /    Coronavírus e racismo   /    Coronavírus   /    Opinião

Comentários

Comentar