DESIGUALDADE

Brasil é o 7º país com maior desigualdade de renda

Segundo índice levantado pela ONU, Brasil ocupa o 7º lugar em desigualdade de renda. Em relação ao IDH (índice de desenvolvimento humano), é caracterizado como "Alto Desenvolvimento Humano"

terça-feira 15 de dezembro de 2020| Edição do dia

Fonte da foto: Tuca Vieira

O Brasil ocupa o 8º lugar no ranking de países que têm a maior desigualdade de renda no mundo, ficando atrás apenas de países africanos.

O relatório mundial sobre índices de qualidade de vida foi divulgado hoje (15) pela Pnud (Programa das Nações Unidas para Desenvolvimento) junto com o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) e tem como referência as estatísticas de 2019, portanto não leva em consideração os impactos causados pela pandemia do coronavírus.

Em relação ao IDH, o Brasil ocupa a posição de 84º país no ranking. O índice leva em consideração três fatores: renda, educação e saúde. O Brasil atinge um índice de 0,765, considerado um país na categoria de “Alto Desenvolvimento Humano”.

Na questão da saúde, a expectativa de vida dos brasileiros teve um leve aumento se comparado a 2018: passando de 75,7 a 75,9 anos.

O rendimento bruto per capita também aumentou: foi de US$ 14.068 para US$ 14.263. Em relação à educação, a média de anos que o brasileiro fica na escola foi é de 8 anos, um leve aumento em relação a 2018, em que era 7,8 anos.

O aumento do IDH, entretanto, não condiz com o modo de vida de grande parte dos brasileiros. Em 2019, o IBGE computou cerca de 13,7 milhões de brasileiros vivendo abaixo da linha da pobreza extrema. Esse contingente representa 6,5% da população brasileira vivendo com menos de R$ 151 mensais.

No país em que Bolsonaro afirma que ninguém passa fome, temos uma das maiores desigualdades de renda do mundo. Esses números expressam a decadência do capitalismo no Brasil, em que os ricos continuam a enriquecer às custas dos trabalhadores e dos pobres.

Veja também: Garantir a renda e o emprego no combate a pandemia




Tópicos relacionados

Desigualdade   /    Pobreza   /    Desigualdade Salarial   /    ONU

Comentários

Comentar