Sociedade

COVID-19

Brasil chega a 186.773 mortes por Covid, sem dados de SP e GO

O Brasil segue aumentando os números de mortos e infectados por Covid-19. Ontem (20) à noite foi divulgado, com os dados das Secretarias dos estados, o número total de mortes foi de 186.773, com 7.238.600 diagnósticos confirmados.

segunda-feira 21 de dezembro de 2020| Edição do dia

Imagem: Bruna Prado/Getty Images

Em 24h foram registradas 408 mortes sendo que estava sob investigação 2.212 óbitos, e 24.680 novos casos da doença.

A média móvel de mortes causadas pela covid-19 no Brasil ficou em 765 vítimas neste domingo, 20. Esse tipo de média leva em consideração dados dos últimos sete dias e corrige distorções provocadas pelas variações nos registros.

Os dados são compilados pelo consórcio de veículos de comunicação a partir dos registros das secretarias estaduais de Saúde. Neste domingo, São Paulo e Goiás não informaram os dados.

O número da pasta difere do quantitativo do consórcio em razão da metodologia de coleta dos dados. Na conta do ministério, o Brasil tem 186.764 mortes pelo novo coronavírus e há 806.035 pacientes em acompanhamento. Outras 6.245.201 se recuperaram da infecção.

O Estado de São Paulo informou neste domingo que foi "novamente impossibilitado de fazer o processamento total de dados de covid-19". O motivo, aponta o governo, seriam "novas falhas no sistema Sivep do Ministério da Saúde".

A Secretaria de Estado da Saúde de Goiás informou que busca automaticamente por novos dados relacionados à Covid-19 por meio de um serviço web (API) disponibilizado pelo DATASUS, e que o painel da Secretaria não é atualizado quando não há retorno de novos dados.

A doença está presente em 99,9% dos municípios brasileiros. Contudo, mais da metade das cidades (3.873) possuem entre 2 e 100 casos. Em relação aos óbitos, 4.916 municípios tiveram registros (88,3%), sendo que 762 deles apresentaram apenas um óbito confirmado.

Como pode-se observar, os números demonstram a realidade de mortes e contaminação no país por Covid-19, isso porque o governo Bolsonaro e os governos estaduais e municipais não ofereceram teste massivos para toda população desde o início e nem um sistema público de saúde de qualidade. O povo trabalhador está sem leito e vaga na UTI. Em alguns estados e municípios, alguns políticos dizem que estão testando em massa, mas chega a ser absurdo o que oferecem diante do número da população. Além disso, muitos trabalhadores passaram todos esses meses sem poder ter direito á quarentena e muitos perderam seus familiares e amigos por causa do descaso dos governos.

À beira de um colapso, a cidade do Rio de Janeiro está com 90% dos leitos ocupados e mais de 600 pessoas amargam uma espera dolorosa por vagas na UTI e nas enfermarias. Isso porque para os capitalistas a saúde não passa de um negócio como mais um que dá lucros. É fundamental a organização da classe trabalhadora e que os sindicatos lutem para acabar com as OSS e pelo fim dos contratos precários, contra as demissões e por testes massivos já! Também é necessária a abertura de leitos e contratação imediata!

Para que de fato a saúde seja um direito para todos e de qualidade, é preciso lutar por um SUS 100% estatal controlado pelos trabalhadores da Saúde.




Tópicos relacionados

Crise na Saúde   /    COVID-19   /    pandemia   /    Ministério da Saúde   /    Sociedade   /    Saúde

Comentários

Comentar