Política

ATOS REUNIRAM DEZENAS DE MILHARES

Bolsonaro se desespera e diz que 29M “teve pouca gente”, mas não convence nem a si mesmo

Em conversa com apoiadores em Brasília, Bolsonaro disse hoje que "teve pouca gente nos atos porque faltou erva pro movimento". Desesperado, o presidente tenta minimizar os atos que reuniram dezenas de milhares de pessoas em dezenas de cidades espalhadas pelo país e que demonstraram enorme rechaço ao seu governo.

segunda-feira 31 de maio| Edição do dia

A fala do presidente hoje demonstra desespero frente aos atos de rua. Apenas na Avenida Paulista, em São Paulo, dezenas de milhares de pessoas protestaram contra o governo e sua política assassina que já ceifou quase 500 mil vidas. Estava infinitamente maior do que os atos pró-Bolsonaro ocorridos no início desse mesmo mês e expressaram grande disposição de luta. Foram mais de 20 capitais com atos expressivos de milhares, sem contar outras várias cidades grandes, médias e pequenas dentro e fora do país. Veja vídeo ridículo ao final.

Matemática nunca foi o forte do capitão. Nenhuma ciência, na verdade, ou qualquer coisa que beire a inteligência. Mas os erros algébricos dessa segunda-feira possuem interesse político, o de tentar esconder a força que a juventude e setores da classe trabalhadora têm para derrotar seus ataques. A realidade é implacável e falas como essas só confirmam a frase de Dom Quixote: "Os cães ladram, Sancho! É sinal de que estamos avançando!".

- Leia mais: Que as centrais sindicais convoquem uma paralisação nacional contra Bolsonaro e Mourão

O energúmeno ainda tentou ligar as operações da PF e PRF de apreensão às drogas com o suposto baixo número de pessoas que saíram às ruas. Sem graça e desesperado, Bolsonaro ataca os protestos pois sabe que nas ruas, da aliança entre trabalhadores e estudantes organizados, é que pode se forjar uma potência capaz de derrubar seu governo e os militares em conjunto. Veja vídeo abaixo:




Tópicos relacionados

29 de maio   /    BolsonaroGenocida   /    Estudantes   /    Bolsonaro   /    Política

Comentários

Comentar