×

Golpismo | Bolsonaro faz novas ameaças golpistas em encontro com embaixadores

Em fala a embaixadores nesta segunda, Bolsonaro voltou a questionar a utilização de urnas eletrônicas e atacou ministros do STF para justificar suas ameaças golpistas, enquanto vida das massas trabalhadoras pioram cada vez mais fruto de seu governo e dos militares, assim como dos ataques que são de consenso entre os atores do regime que governam o país para castas capitalistas.

terça-feira 19 de julho | Edição do dia

Em encontro com dezenas de embaixadores estrangeiros no palácio do alvorada nessa última segunda-feira, Bolsonaro voltou a questionar a utilização de urnas eletrônicas no processo eleitoral e novamente atacar ministros do STF. Apoiando-se em um inquérito sem conclusão da PF no qual trata sobre um suposto ataque hacker ao TSE em 2018, o presidente se utiliza de ameaças golpistas a fim de agitar sua base mais reacionária e mascarar o mau desempenho nas pesquisas eleitorais, reflexo direto de seu governo que sustenta recordes negativos com inflação, desemprego e aumento da miséria que assola os trabalhadores brasileiros.

Cinicamente como de costume, Bolsonaro atacou ministros do STF ao afirmar que "O senhor Barroso, também como o senhor Fachin, começaram a andar pelo mundo me criticando, como se eu estivesse preparando um golpe por ocasião das eleições. É o contrário o que está acontecendo.", insinuando que as eleições em si seriam um golpe.

Longe de qualquer aspiração democrática Bolsonaro busca abrir caminhos para seu discurso de questionamento do processo eleitoral para fortalecer sua base de extrema direita de aspiração golpista, justificando também uma possível derrota eleitoral. Preparando uma reorganização de suas forças durante e pós eleições.

Bolsonaro se apoia na Forças Armadas para desacreditar o sistema eleitoral e atacar ministros do STF, buscando preservar o espaço que os militares ganharam neste governo, aumentando sua influência na politica, com vasta regalia e privilégios. A fim de aumentar essa influência dos militares, lhes dando mais controle sobre o processo eleitoral, Bolsonaro afirmou que "Por que que um grupo de três pessoas apenas quer trazer instabilidade para o nosso país, não aceita nada das sugestões das Forças Armadas, que foram convidadas?".

Já o STF, embora constantemente atacado pelo presidente e pelas FAs, também foi um pilar essencial do golpe institucional de 2016 e está junto com o governo nos ataque aos direitos dos trabalhadores. No entanto, Lula e PT, que tem o Alckmin como vice, também se aliam com os golpistas, como recentemente em reunião com Renan Calheiros e Eunício de Oliveira e outras lideranças do MBD para selar acordo. Não é daí que barraremos a sanha golpista e os ataques.

Para derrotar o bolsonarismo e a extrema-direita, os trabalhadores precisam confiar somente na suas forças, sem aliança com os golpistas e inimigos da nossa classe. Somente com mobilização e organizando a luta independente dos patrões varreremos o bolsonarismo e o golpismo do mapa, assim como revogar a reforma trabalhista e todas as contrarreformas anti-operárias que descarregam a crise nas costas da classe trabalhadora.

Pode te interessar: Enfrentar o bolsonarismo e a direita na luta de classes




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias