Sociedade

CPI DA COVID

Bolsonaro com seu negacionismo recusou pelo menos 11 ofertas de vacinas

De acordo com documentos públicos, em pelo menos 11 ocasiões o governo negacionista de Bolsonaro recusou a compra de três tipos de vacinas contra a Covid-19.

terça-feira 27 de abril| Edição do dia

Foto: Tânia Rêgo/ Agência Brasil

A primeira recusa ocorreu no dia 30 de julho de 2021, em que o governo recusou a compra da Coronavac. A vacina produzida no Brasil pelo Instituto Butantan foi recusada mais cinco vezes, sendo dois documentos oferecendo a compra não respondido, um documento entregue em mãos e mais três videoconferências.

Além da Coronavac, três ofertas da vacina da Pfizer foram recusadas, sendo que a primeira oferta negada foi em agosto de 2020. A proposta feita pela farmacêutica era de 70 milhões de doses entregue até dezembro de 2020. Outra vacina também em três ocasiões recusada foi a da Covax Facility.

Esses são dados em base a documentação pública, mas pode ser que tenha havido ainda mais recusas de outras vacinas cuja documentação não chegou ao conhecimento público.

Leia também: Entre disputas do governo Bolsonaro e os demais golpistas, começa hoje a CPI da Covid

Enquanto várias farmacêuticas proprietárias das patentes concentram a vacina, com o interesse somente em seus lucros, o governo Bolsonaro, que também preocupa somente com o lucro dos capitalistas no Brasil, não oferta vacinas para os trabalhadores que são colocados em riscos em seus trabalhos.

Somente com a quebra das patentes das vacinas sem indenização às farmacêuticas será possível a vacinação de toda a população. Entretanto, o que ocorre no Brasil é completamente o oposto, visto que o governo negacionista de Bolsonaro não faz nenhum esforço para imunizar a população e o congresso aprova a compra da vacina por empresários




Tópicos relacionados

Fura-fila da vacina   /    Bolsonaro   /    Vacina   /    Vacinação   /    Negacionismo   /    COVID-19   /    Sociedade

Comentários

Comentar