Sociedade

AUXÍLIO EMERGENCIAL

Bolsonaro afetará 4,2 milhões de famílias no país com diminuição do auxílio, diz IPEA

O Ipea aponta que, caso todos os domicílios contemplados pelo socorro em agosto tivessem recebido apenas a metade do valor pago - o que ocorrerá com a redução a de R$ 600 para R$ 300 no valor do auxílio a partir de setembro -, a renda domiciliar média teria sido 5,3% menor do que o recebido no mês. Entre as famílias de renda muito baixa, a renda cairia quase 20%, embora ainda fosse 6% maior que o habitual.

terça-feira 29 de setembro| Edição do dia

Foto: Sérgio Lima/Poder360

Cerca de 4,25 milhões de domicílios brasileiros sobreviveram no mês de agosto apenas com a renda do auxílio emergencial de R$ 600, segundo um estudo divulgado nesta terça-feira, 29, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

A fatia de domicílios exclusivamente dependentes do auxílio em agosto foi de 6,2% em todo o País. Entre as regiões, a proporção de lares que sobrevivem apenas com a ajuda governamental foi maior no Nordeste, ultrapassando 13% das famílias no Piauí e na Bahia.

Os trabalhadores ocupados ainda recebiam menos que o habitual no mês de agosto, o equivalente a 89,4% dos rendimentos habituais. No entanto, o pagamento do auxílio mais do que compensou essa perda, segundo cálculos do Ipea, que têm como base os microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Covid-19 (Pnad Covid), apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Considerando o recebimento do auxílio, a renda domiciliar média no País aumentou em mais de 3% em relação ao que seria recebido apenas com os rendimentos habituais do trabalho. O impacto foi maior entre os domicílios de renda muito baixa, que tiveram renda 32% maior que o habitual, devido ao pagamento do auxílio.

O Ipea aponta que, caso todos os domicílios contemplados pelo socorro em agosto tivessem recebido apenas a metade do valor pago - o que ocorrerá com a redução a de R$ 600 para R$ 300 no valor do auxílio a partir de setembro -, a renda domiciliar média teria sido 5,3% menor do que o recebido no mês. Entre as famílias de renda muito baixa, a renda cairia quase 20%, embora ainda fosse 6% maior que o habitual.

A redução do auxílio e a medida provisória que impede o recebimento de todas as parcelas para uma parcela da população, se dá combinada a medidas que resguardam bancos e empresários. Como a medida de março que disponibilizou cerca 1,2 trilhões para o bancos, ou mesmo pela lei de responsabilidade fiscal e o pagamento da dívida pública.

Pode interessar: Contra a Lei de Responsabilidade Fiscal, o Teto de Gastos e a ilegítima Dívida Pública!

Com informações da Agência Estado




Tópicos relacionados

Auxílio emergencial   /    Jair Bolsonaro   /    Sociedade

Comentários

Comentar