MANIFESTAÇÃO PRÓ AI-5

Bolsonaristas cantam “Record”, reivindicando emissora de Edir Macedo apoiadora de Bolsonaro

Em uma das manifestações pró AI-5 que aconteceram ontem, bolsonaristas cercaram funcionários da Record e começaram reivindicar a emissora reacionária do pastor Edir Macedo. Chacota para a Record ou para os bolsonaristas?

segunda-feira 20 de abril de 2020| Edição do dia

As manifestações pró AI5 de ontem renderam uma série de pérolas lamentáveis e memoráveis. Longe de ser motivo de piada, se tratam de atos gravíssimos que os trabalhadores, oprimidos, suas organizações, sindicatos e o conjunto da esquerda precisam urgentemente responder. Mas como não fazer alguns memes quando eles vêm prontos?

Como mostra este vídeo, na manifestação que aconteceu em Brasília, bolsonaristas verde-amarelos cercaram funcionários da Record e começaram a gritar, em tom de reivindicação, o nome da emissora reacionária do pastor Edir Macedo. Nada melhor para reivindicar? Chacota para a Record ou para os bolsonaristas? Eles se merecem.

A emissora, posse de nada mais nada menos que o empresário magnata da Igreja Universal do Reino de Deus, deixa bastante claro seu alinhamento com o que há de mais reacionário no país. Os bolsonaristas, que como bons alucinados entendem que a Globo é comunista, encontram na Record o respeito à moral e aos bons costumes que eles tanto prezam, com direito à reivindicar a tortura dentre outras atrocidades.

Não é segredo a ligação do bolsonarismo com as cúpulas das igrejas evangélicas, que ajudaram sumariamente na vitória de Bolsonaro, sendo parte fundamental de enganar parte da população que, desesperada com a crise, recorreu ao Messias confiando em seu pastor e nas fake news do WhatsApp. Essa ligação segue hoje por laços não de fé, mas sim empresariais, e as igrejas são algumas das empresas que pressionam Bolsonaro para afrouxar o isolamento social para que possam seguir roubando quase que diariamente o dinheiro de seus fiéis.

Mas vale ressaltar que de comunista as demais editoras não têm nem o cheiro. A própria Globo, que hoje se dedica a divulgar os panelaços e fazer uma campanha abertamente contra a orientação do presidente (e não é tarefa difícil ou de esquerda discordar de Bolsonaro), apoiou o golpe empresarial-militar de 1964 que ontem foi tão reivindicado. Não bastasse foi parte também de apoiar as reformas anti-operárias dos últimos anos, o golpe institucional de 2016 e a prisão de Lula, que o Esquerda Diário foi contra sem apoiar o PT, por sempre ter estado claro de que estes seriam passos em direção à vitória de Bolsonaro.

Enquanto eles têm a Record, os trabalhadores e trabalhadoras da saúde, que estão na linha de frente combatendo a pandemia, assim como todos os trabalhadores que lutam, e toda a população mais afetada, como o povo negro que é quem mais morre por Covid-19, têm à sua disposição o Esquerda Diário para publicar suas denúncias, divulgar suas lutas e batalhar por suas reivindicações.




Tópicos relacionados

Eduardo Bolsonaro   /    Flavio Bolsonaro   /    Carlos Bolsonaro    /    Governo Bolsonaro   /    Tortura na Ditadura Militar   /    Jair Bolsonaro   /    Ditadura militar

Comentários

Comentar