Política

Biden nomeia comandante da Guerra do Iraque, Lloyd Austin, como Secretário de Defesa

O nomeado para ser Secretário de Defesa supervisionou alguns dos períodos mais brutais do imperialismo dos EUA no Oriente Médio.

quarta-feira 9 de dezembro de 2020| Edição do dia

1 / 1

Joe Biden escolheu seu secretário de Defesa, o general aposentado Lloyd Austin. Se confirmado, Austin será o primeiro negro americano a ocupar o cargo de Secretário de Defesa, ponto que será cinicamente utilizado para afastar críticas ao seu papel na ocupação imperialista do Iraque. Para entender melhor como Austin servirá ao imperialismo dos EUA na administração Biden, devemos olhar para sua experiência profissional dentro das forças armadas dos EUA e após sua aposentadoria em 2016.

A nomeação de Austin deve desmentir imediatamente a afirmação de Biden de que viu a Guerra do Iraque como um erro. O escolhido para Secretário de Defesa ajudou a “liderar a invasão do Iraque”, de acordo com sua biografia na American Academy of Diplomacy. Mais tarde, ele se tornaria Comandante Geral da ocupação de fevereiro de 2008 a abril de 2009. Em 2010, Austin chefiaria o treinamento das Forças de Segurança do Iraque (ISF). A ISF se tornaria famosa por cometer crimes de guerra em Mosul, principalmente quando uma unidade da ISF foi observada espancando e matando iraquianos nus, incluindo uma criança.

Em 2013, Austin foi nomeado comandante do CENTCOM, um dos onze agrupamentos de tropas dos Estados Unidos em uma região específica (conhecida formalmente como comando combatente), onde supervisionou o uso de todas as forças dos EUA no Oriente Médio. Algumas das atrocidades mais bem documentadas decorrentes da interferência dos EUA no Oriente Médio durante seus anos incluiriam a destruição de aldeias na Síria, o atentado a bomba em um hospital no Afeganistão, que matou 42 pessoas, e o início do genocídio do povo iemenita liderado pela Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos.

Após sua aposentadoria das forças armadas em 2016, Austin se juntou ao conselho da Raytheon Technologies, a terceira maior empreiteira de defesa dos Estados Unidos e uma das maiores fabricantes de armas do mundo. Dado que um terço da equipe de transição de Biden vem de corporações da indústria de armas ou think tanks, faz todo o sentido que os interesses da Raytheon sejam representados pelo Secretário de Defesa. Austin também atua no conselho de diretores da Tenet Healthcare, um conglomerado de saúde com fins lucrativos que usou o dinheiro do contribuinte da lei CARES para aumentar seus lucros durante a pandemia de COVID-19, enquanto negava aos trabalhadores o EPI adequado.

A nomeação de Austin exigiria que o Congresso renunciasse a uma lei que proíbe ex-militares de liderar o Pentágono após menos de sete anos de aposentadoria. Essa lei, aprovada em 1947, foi projetada para dar maior controle civil sobre os militares. Dado que o secretário de defesa original de Trump, James Mattis, também assumiu o cargo quando estava com menos de sete anos de aposentadoria, não deve haver expectativa de que a lei não seja suspensa para Austin.

Como um homem negro, Austin estará quebrando um teto de vidro, um fato que será usado para protegê-lo das críticas de sua longa carreira de serviço ao imperialismo norte-americano. Mas a verdade é que seu papel como Secretário de Defesa, como todos os papéis em um gabinete capitalista, é inerentemente violento, racista e anti-trabalhadores. Isso pode ser visto por meio de sua liderança dentro de projetos imperialistas racistas que destruíram países árabes enquanto enviava a classe trabalhadora e negros e pardos americanos para morrer a fim de manter o domínio dos EUA no Oriente Médio. Isso pode ser visto em sua carreira pós-militar, onde assessora empresas que lucram com armas e com a privação de trabalhadores essenciais. Austin é um imperialista de longa data, o que o torna uma escolha adequada para servir como Secretário de Defesa de Joe Biden.




Tópicos relacionados

Joe Biden   /    Imperialismo   /    Política   /    Internacional

Comentários

Comentar