Internacional

TRIBUNA ABERTA

As raízes da revolta de outubro no Iraque: contra o imperialismo, o neoliberalismo e a oligarquia sectário-religiosa

Em outubro de 2019, a classe trabalhadora iraquiana tomou as ruas desafiando os estragos do imperialismo, neoliberalismo e do sectarismo religioso que têm atacado as massas iraquianas antes mesmo da crise atual. Em 10 de maio, centenas voltaram às ruas com a já familiar demanda pela queda do regime. Quais são as raízes desse movimento?

sexta-feira 22 de maio| Edição do dia

Texto publicado originalmente na tribuna aberta do Left Voice, da Rede La Izquierda Diário. Texto da tribuna aberta não necessariamente reflete a posição do Esquerda Diário

Três jovens iraquianas espiam por máscaras cirúrgicas e capacetes de combate. Eles parecem estar em uma zona de guerra, talvez trabalhando como médicas ou repórteres. Mas essa não é uma zona de guerra tradicional. Estas são as ruas de Bagdá durante os dias inebriantes da revolta de 2019, e essas jovens são médicas tratando revolucionários feridos, atingidos pelas balas e pelo gás lacrimogêneo de uma violenta contra-revolução.

De outubro de 2019 até o lockdown por causa do coronavírus em março, revolucionários iraquianos de origem predominantemente operária desafiaram a repressão estatal e as pressões conservadoras para encher as praças do Iraque. Por que eles arriscaram tanta violência para voltar às ruas de novo e de novo, mesmo quando o apoio das classes sociais mais privilegiadas começou a desaparecer?

Por décadas, a classe trabalhadora iraquiana enfrenta uma luta incansável contra múltiplas formas de dominação. O imperialismo britânico e americano, o poder regional iraniano, a reestruturação econômica neoliberal e uma elite dominante sectária e parasitária expropriaram e fraturaram a sociedade iraquiana. Os iraquianos atualmente enfrentam os sintomas mais agudos de uma ordem capitalista global em decomposição.

Mas quando retiramos as camadas para revelar todas as forças de opressão que os trabalhadores iraquianos enfrentam, também encontramos uma luta poderosa para construir um novo mundo por cima do antigo. Essa luta revolucionária deve ser entendida e apoiada pelos esquerdistas como um ponto central na luta global contra o imperialismo, o capitalismo e o autoritarismo.

Imperialismo, britânico e americano

A história do Iraque no século XX é caracterizada por uma imposição consistente e sustentada da dominação imperialista pelos estados ocidentais.

Após a dissolução do Império Otomano (1908–22), as autoridades britânicas e francesas procuraram criar esferas de influência colonial no Oriente Médio para sustentar seus interesses geopolíticos e o domínio pós-Primeira Guerra Mundial. Os britânicos receberam um “mandato” para governar a área ainda contestada que se tornaria o Iraque, prometendo total independência após um período de tutela. As lutas nacionalistas locais pela autonomia foram resistidas pelas autoridades britânicas, culminando na Revolução Iraquiana de 1920, na qual a violência brutal e as bombas britânicas se mostraram decisivas para derrotar uma diversa coalizão pela independência.

Depois de instalar um rei hashemita, Faisal ibn Husayn, como governante-cliente do novo "mandato iraquiano"*, os britânicos continuaram a controlar os assuntos fiscais e estrangeiros por décadas, reprimindo revoltas, dizimando a produtividade agrícola e extraindo rendas. Os britânicos entrincheiraram uma nova elite governante local de "sheiks do governo", que obteve pouca legitimidade das falsas instituições democráticas do estado colonial.

A interferência britânica nos assuntos iraquianos continuou até o fim da monarquia, em 1958. Mas a fundação da República do Iraque, mais independente, trouxe pouca esperança para a democracia burguesa, e em vez disso inaugurou o governo da "junta" e uma forma resiliente de governança militar autoritária.

À medida que o Império Britânico se afastava da paisagem, um recém-ascendente Império dos EUA entrou na região do Oriente Médio e Norte da África (OMNA), concentrando-se no Iraque como uma arena para combater seus rivais da Guerra Fria, garantir acesso a recursos naturais e consolidar clientes em suas crescentes esferas de influência. Um tema consistente do período anterior à Guerra do Golfo no Iraque foi a preocupação dos EUA com a influência soviética, e sua disposição de apoiar regimes autoritários e alimentar conflitos locais a serviço dos objetivos da Guerra Fria. Por exemplo, o governo Kennedy considerou tentativas de golpe contra o regime de Abd al-Karim Qasim após sua nacionalização parcial do petróleo iraquiano e do comportamento expansionista no Kuwait. Kennedy então “acolheu” um golpe em 1963 que derrubou Qasim, desde que limitasse a influência soviética no Iraque, apoiando o massacre de membros do Partido Comunista Iraquiano.

Na década de 1970, Richard Nixon instituiu uma política de "pilares gêmeos" que reforçava os regimes reacionários na Arábia Saudita e no Irã para conter um Iraque não alinhado sob o governo do partido Baath. O governo Nixon alimentou o conflito de meados da década de 1970 sobre a autonomia curda no Iraque, fornecendo armas para o lado curdo, eventualmente abandonando os curdos em sua luta quando não era mais pertinente aos interesses da Guerra Fria.

Durante a devastadora guerra Irã-Iraque (1980-1988), os Estados Unidos continuaram jogando um jogo cínico de "contenção dupla", na esperança de impedir a vitória da recém-fundada República Islâmica do Irã e das forças iraquianas de Saddam Hussein. Os Estados Unidos venderam ao regime iraquiano a tecnologia de uso duplo aplicável ao desenvolvimento de armas químicas antes da genocida campanha de Anfal de Saddam, na qual milhares de curdos foram gaseados até a morte. O antagonismo dos EUA e as manobras em interesse próprio prolongaram um conflito que matou centenas de milhares e militarizou ainda mais a sociedade iraquiana.

O fim da Guerra Fria sinalizou uma nova era sem impedimentos de agressão imperial pelos Estados Unidos no Iraque. Depois de prolongar a guerra Irã-Iraque por meio de apoio secreto a Hussein, os Estados Unidos se afastaram de um regime baathista cada vez mais beligerante. Saddam pediu perdão pelas dívidas contraídas nos estados do Golfo durante a guerra e iniciou reivindicações territoriais históricas ao invadir o Kuwait. Essa invasão imprudente provocou uma resposta militar da máquina de guerra dos EUA. A Operação Tempestade no Deserto expulsou as forças iraquianas do Kuwait, mostrando a violência avassaladora do poder inconteste dos EUA. Preocupações com ocupação prolongada e influência política iraniana impediram Bush pai de derrubar o regime do Iraque. Em vez disso, houve uma longa década de sanções incapacitantes, zonas de exclusão aérea, campanhas de bombardeio e estrangulamento econômico. No final dos anos 90, a base produtiva da economia dependente de petróleo havia se deteriorado, encolhendo a produção econômica para uma fração do tamanho de sua forma original e dizimando a capacidade do Estado de bem-estar de fornecer bens e serviços.

Em 2001, o regime de sanções estava começando a se desgastar e o Iraque estava recuperando o acesso ao mercado mundial. Os ataques de 11 de setembro, no entanto, forneceram um pretexto conveniente para o governo Bush estabelecer a mais recente inovação na doutrina imperialista, a de guerra preventiva e ação militar unilateral. Antes da invasão de 2003, o governo Bush filho mentiu sobre a presença de armas de destruição em massa no Iraque, usando o discurso dos direitos humanos para preparar as massas americanas para uma carnificina injustificável. Na realidade, a operação de mudança de regime foi lançada para inaugurar a doutrina Bush da conquista imperial - garantir as ricas reservas de petróleo e redes de oleodutos do Iraque para o capital ocidental e projetar força militar contra concorrentes e aliados. Mas a vitória militar aparentemente rápida provou ser uma vitória de Pirro.

Pouco tempo depois de o presidente ter declarado "missão cumprida", os ex-governistas baathistas, radicais religiosos e grupos descontentes começaram uma violenta insurgência contra as forças americanas. A insurgência foi alimentada pelas políticas mal planejadas de des-baathificação da colonialista Autoridade Provisória da Coalizão e pela dissolução do Exército Iraquiano. A insurgência se transformou em conflito civil sectário-religioso e derramamento de sangue, enquanto uma galeria desonesta de fundamentalistas islâmicos convergia para o Iraque para aterrorizar a população e colocar as populações sunitas recém-destituídas do poder contra seus colegas iraquianos xiitas. A violência pós-invasão levou a ciclos incessantes de conflitos civis, atentados terroristas e limpeza étnica, à medida que o tecido social era dilacerado. Um estudo de 2013 estimou que havia “405.000 mortes em excesso atribuíveis ao conflito” [1], enquanto outro estudo de 2007 constatou que 60% a 70% das crianças iraquianas sofrem de problemas psicológicos como resultado da violência. A pouca infraestrutura intacta após a ditadura de Hussein foi destruída pela guerra.

Os iraquianos sofreram muito com quase um século de imperialismo ocidental. Os regimes britânico e americano consistentemente apoiaram o autoritaritarismo, inundaram o Iraque com armas e trabalharam para reprimir as correntes esquerdistas e democráticas no país. As potências imperialistas continuam a intervir no Iraque sem qualquer consideração pela vida e pelos recursos dos trabalhadores iraquianos.

A Ordem Neoliberal-Sectária religiosa

O levante iraquiano está situado em uma economia política regional de uma forma particularmente cruel de neoliberalismo e governo autoritário. Gilbert Achcar [2] argumenta que a implementação pós-década de 1970 de políticas de mercantilização, austeridade e privatização de bens públicos falhou em impulsionar oportunidades econômicas e de produção na região OMNA. Os sistemas dominantes em muitos estados do OMNA são caracterizados por uma forma "neopatrimonial" na qual predominam o nepotismo, o compadrismo e a corrupção. Os sistemas políticos autoritários neoliberais canalizaram grandes investimentos econômicos para especulação imobiliária, rendas petrolíferas e ativos não produtivos, enquanto desmantelavam seus modestos estados de bem-estar social. Esse "bloqueio estrutural" do desenvolvimento capitalista levou a um aumento do desemprego da juventude e à consolidação de uma classe capitalista e rentista profundamente corrupta e especialmente improdutiva na região.

Durante as décadas de 1980 e 1990, o status de Estado vilão do Iraque impediu a implementação típica de políticas neoliberais, pois enfrentava sanções e falta de acesso ao mercado mundial. A invasão pós-2003, no entanto, criou um momento de "doutrina de choque" em que os capitais ocidentais e regionais inundaram o país, tentando incorporar o novo Iraque nessa ordem neoliberal. O estado de bem-estar escasso que permanecia após décadas da militarização, sanções e corrupção de Hussein foi desmantelado pelo que Youssef Baker descreve como um estágio de "acumulação frenética". A sociedade iraquiana tornou-se um laboratório de experimentos, como um imposto fixo e a desregulamentação, à medida que a economia pós-invasão era reconstruída no interesse do capital ocidental e de uma elite local recém levada ao poder.[3]

A economia iraquiana neoliberalizada depende excessivamente da renda do petróleo. Até 95% do orçamento do estado é financiado pelas receitas do petróleo, que estão sujeitas às oscilações bruscas de preços no mercado e facilmente desviadas por elites corruptas.

As enormes desigualdades desencadeadas pela neoliberalização e a economia rentista estão ainda mais arraigadas por um sistema político profundamente antidemocrático. Após a derrubada do regime Baathista em 2003, os ocupantes dos EUA deram poder a uma nova elite governante preparada principalmente fora do país, importando um sistema de repartição sectária. Nesse sistema, os partidos políticos dominantes, que afirmam representar grupos étnicos ou religiosos específicos (agrupados principalmente em torno de comunidades xiitas, sunitas e curdas), dividem os ministérios do governo por meio de negociações eleitorais. Esses partidos então desviam recursos estatais de seus feudos ministeriais para milícias, seguidores do partido e clientes associados.

Esse processo de “sectarização” é uma forma divisiva de mobilização política, na qual identidades sectárias são implantadas ou reinventadas pela classe dominante iraquiana, a fim de legitimar sua política falida.[4] Os trabalhadores iraquianos são colocados um contra os outros com base em noções excludentes de identidades de seitas religiosas e etnias.

Os resultados da sectarização no Iraque são desastrosos para o desenvolvimento da identidade cívica e de um sistema político democrático. O acesso aos recursos estatais geralmente depende da lealdade a um dos partidos governantes parasitários, e o primeiro-ministro tem pouco controle sobre como os vários ministérios controlados pelo partido pilham recursos estatais. O investimento em bens públicos é fatalmente minado pelo clientelismo e pela corrupção. Os partidos políticos sectários-religiosos também são altamente patriarcais e militarizados, rápidos para implantar a repressão e a violência das milícias para negociar e garantir o poder.

As elites dominantes sectárias-religiosas confiam no patrocínio estrangeiro para manter o poder. Irã, Estados Unidos e Arábia Saudita tentam moldar e cooptar os vários partidos a serviço de suas agendas políticas. Por exemplo, um relatório do Haaretz revelou que Qassem Soleimani, o comandante recentemente assassinado da força dos Quds da Guarda Revolucionária do Irã, era um visitante frequente do Iraque com profunda influência sobre os partidos e milícias islâmicos iraquianos. Em uma reunião de planejamento de outubro convocada para responder à revolta, Soleimani exclamou: "Nós, no Irã, sabemos como lidar com protestos" e ajudou as autoridades iraquianas a planejarem acabar com as manifestações.[5]

Políticas autoritárias e sectário-religiosas, neoliberalização e décadas de guerra imperialista deixam os iraquianos com uma base social-reprodutiva dizimada. O Banco Mundial estima o desemprego na juventude em 36%, e o Conselho Norueguês para Refugiados alertou recentemente que a escassez maciça de professores está causando o colapso do sistema educacional do país.

A capacidade do sistema de patrocínio sectário-religioso de prover uma parcela da população está atingindo um limite. Os preços do petróleo e as receitas do governo continuam a despencar em meio à crise da Covid-19, enquanto cerca de 50% dos iraquianos ainda dependem do Estado para aposentadorias e salários. Centenas de milhares de pessoas entram no mercado de trabalho todos os anos, assim como o estado está perdendo até uma capacidade marginal de gerar emprego.

Enfrentando maior deterioração das condições de vida e farto da ordem neoliberal e de sua violência interminável, uma coalizão diversa de iraquianos foi às ruas em outubro de 2019.

A revolta

Embora a causa imediata das mobilizações de outubro tenha sido a demissão controversa do popular chefe de contraterrorismo do país, Tenente General Abdul-Wahab al-Saadi, o estudioso Zahra Ali nos lembra que o levante de outubro surgiu de uma série quase contínua de mobilizações no Iraque desde 2009. Por exemplo, os protestos em 2015 contra a corrupção, os maus serviços públicos e a governança sectário-religiosa foram liderados principalmente por figuras políticas mais antigas, e os sentimentos foram direcionados para agendas reformistas liberais e cooptados por políticos do establishment, como o islâmico reacionário Muqtada al-Sadr. No ano de 2018, os protestos se expandiram para as classes mais baixas da cidade de Basra, rica em petróleo, porém empobrecida, rechaçando o sistema político e exigindo a derrubada da elite política.[6]

Os protestos de 2019 tomaram um tom ainda mais radical, expandindo a participação nas classes trabalhadoras jovens e precariamente empregadas. Ali explica,

Sua revolta é sobre os pobres, os sem poder e os marginalizados exigindo um novo sistema. Aqueles que iniciaram a rebelião ainda estão no seu centro - os comerciantes de rua, os garçons mal pagos, os que carregam caixas pesadas nos mercados e os motoristas de tuk-tuk que são literalmente os heróis desse levante (levando os feridos para o hospital e dirigindo os manifestantes de um ponto a outro para contornar as barreiras policiais). Suas fileiras também incluem muitos jovens que lutaram contra o ISIS em Mosul e voltaram após a luta para a pobreza e o desemprego. Esses millennials e desprivilegiados frequentemente afirmam que “não têm nada a perder” e que “preferem morrer em Tahrir do que por pobreza e desespero”. [7]

Os jovens com menos de 18 anos são participantes integrais, sem serem sobrecarregados pela bagagem política da era Hussein e exigindo que suas vozes sejam ouvidas. Em um promissor desenvolvimento inicial, professores e educadores participaram de greves para apoiar a participação dos jovens nas manifestações.

As mulheres desafiaram os apelos conservadores para ficar em casa, juntando-se ao levante também. Apesar dos perigos da violência e das pressões para se abster da participação política, as jovens estão se opondo às normas patriarcais e pedindo uma educação melhor e poder político. O The Independent entrevistou uma mulher de 20 anos que declarou: “Nós somos a geração futura. Quando crianças, vivemos a queda de um antigo regime e suas consequências. Quando adolescentes, vivemos o terrorismo e o ISIS. Quando jovens, vivemos com governos falidos, roubando nossos direitos e os de nossos filhos. Chegou a hora de falarmos contra tudo isso.”[8]

A participação ampliada de trabalhadores informais, desempregados, jovens e mulheres nestas manifestações marca uma ruptura com a composição reformista e principalmente de classe média dos protestos anteriores. Este é um sinal promissor de maior atividade e organização entre os trabalhadores iraquianos.

Este processo revolucionário também é um renascimento cultural. Em dezembro, o estudioso Fanar Haddad visitou a Praça Tahrir de Bagdá, testemunhando "uma explosão de expressão e criatividade cultural, política e intelectual". [9] Hip-hop, poesia e arte (mostradas lindamente neste post do Left Voice**) explodindo nas praças expressam a aspiração por uma sociedade iraquiana livre de divisões sectárias e animosidade étnica.

Ajuda mútua, educação política e participação democrática caracterizaram a fase inicial do levante. Schluwa Sama, dos Trabalhadores contra o Sectarismo, descreveu a Praça Tahrir de Bagdá como uma zona liberada onde os comerciantes locais doavam comida e onde eletricidade, livros e assistência médica eram fornecidos gratuitamente, e trabalhadores de diferentes origens e seitas religiosas se sentavam para discutir o futuro político. As demandas cristalizaram em torno de um programa para um país livre de regras religiosas, incluindo provisões públicas equitativas de bens e serviços e o fim de toda a interferência imperialista nos assuntos iraquianos. Isso marcou um afastamento radical das revoltas passadas, antagonizando o Estado, os reformistas e os elementos conservadores.

Os revolucionários iraquianos criaram espaços de esperança e experimentação em lugares como a Praça Tahrir. Trabalhadores se reuniram para formular um novo discurso político e cultural, derrubar um sistema injusto e construir uma política inclusiva e democrática. Infelizmente, esse movimento inspirador enfrentou repressão brutal e traição por forças conservadoras e reformistas, e foi pego entre as pressões políticas da guerra por procuração Irã-EUA. Quando o surto de Covid-19 fechou o país, a fase ativa do levante estava em declínio.

O esmagamento de uma revolta

Desde o início dos protestos em outubro, as mobilizações populares foram enfrentadas por ondas de violência grotesca perpetradas por forças de segurança estatais e milícias paramilitares, frequentemente aconselhadas e apoiadas pelo Irã. A censura e os bloqueios de internet pelo Estado não puderam inicialmente dissuadir os manifestantes. Mas balas de snipers, bombas de gás lacrimogêneo destinadas a matar, espancamentos cruéis e prisões em massa cobraram um preço devastador. Em janeiro, centenas foram mortos (principalmente homens jovens) e milhares feridos. Os manifestantes mantiveram uma postura não-violenta, com a repressão inicial do estado levando a um aumento de participantes de todas as esferas. Mas a violência brutal do estado foi implacável, destruindo a contínua participação popular no movimento.

Além da repressão estatal, o movimento também teve que enfrentar as pressões contra-revolucionárias do cada vez mais aquecido conflito por procuração Irã-EUA.

O conflito por por procuração Irã-EUA

Enquanto o papel imperial dos EUA no Iraque já foi discutido, o que o Irã está fazendo no Iraque? A liderança iraniana, centrada no autoritário líder supremo Ali Khamenei e no aparato de inteligência militar da Guarda Revolucionária Islâmica, percebe um estado iraquiano fraco e complacente como vital para a sobrevivência do regime e a hegemonia regional. Após os horrores e a dizimação da Guerra Irã-Iraque na década de 1980, o regime iraniano viu a queda de Hussein em 2003 como um momento oportuno para enfraquecer permanentemente um potencial rival e aumentar o poder de sua aliança de "resistência". A beligerância dos EUA em relação ao Irã e os rumores de mudança de regime também aumentaram no período que antecedeu a invasão do Iraque. Para resistir ao poder de seu rival de longa data e moldar a ocupação dos EUA no Iraque, o Irã criou e apoiou uma rede de milícias xiitas iraquianas.

Hoje, o Irã continua a fortalecer essas milícias, usando seus aliados para atacar os interesses americanos e manter o Iraque como um estado fraco. O Irã incentiva ativamente o sectarismo religioso e a política islâmica chauvinista de dividir e conquistar seus rivais, garantindo que nenhum processo democrático possa prevalecer no Iraque. O regime iraniano teme que movimentos democráticos no Iraque minem o poder de seus clientes sectário-religiosos e incentivem os progressistas em Teerã.

A rivalidade geopolítica de longa data entre os Estados Unidos e o Iraque é exercida continuamente nos corpos do povo iraquiano. Sob o governo especialmente agressivo de Trump, o conflito por procuração culminou no assassinato de 3 de janeiro por drones do chefe da força Quds, Qassim Soleimani, e do político iraquiano e líder da milícia Abu Mahdi El-Muhandis.

No exato momento em que os manifestantes iraquianos estavam se movendo para desmobilizar e desarmar milícias apoiadas pelo Irã e acabar com a influência maligna do Irã na política doméstica, o assassinato dos EUA deu um tiro no braço da elite iraquiana. Escondendo-se na retórica nacionalista, as próprias forças que assassinaram manifestantes iraquianos pediram unidade nacional contra as ambições imperialistas dos Estados Unidos. Qualquer oposição às milícias e ao Irã emanados de manifestantes iraquianos poderia agora ser caracterizada como apoio ao invasor dos EUA. Mais uma vez, as aspirações democráticas foram frustradas pelas rivalidades geopolíticas e pelo império dos EUA.[10]

Conservadores e Covid-19

Elementos conservadores, inicialmente ambivalentes em relação aos protestos, tornaram-se hostis a eles. Muqtada al-Sadr, um populista islâmico famoso por resistir à ocupação dos EUA e estimular o movimento das milícias, inicialmente tentou alinhar o levante às suas próprias ambições. Mas os manifestantes reconheceram esmagadoramente Sadr como parte da elite corrupta e rejeitaram sua cooptação. Em resposta, Sadr se alinhou ainda mais com o Irã, chamou seus partidários e atacou manifestantes com sua milícia.

A pandemia de coronavírus causa mais um golpe na capacidade de mobilização dos revolucionários iraquianos, prometendo aprofundar a crise socioeconômica e política no Iraque.

A destruição do setor da saúde após anos de sanções, guerras e neoliberalismo deixa o Iraque mal preparado para combater o vírus. Um sistema de saúde iraquiano com subfinanciamento crônico enfrenta escassez maciça de medicamentos e médicos. As autoridades de saúde iraquianas temem que o vírus vá sobrecarregar um sistema de saúde quebrado.

Enquanto isso, choques na demanda e guerras de preços entre a Rússia e a Arábia Saudita levaram o preço do petróleo ao colapso, secando as já escassas fontes de receita e gasto social do estado iraquiano.

Apesar de uma tentativa determinada de continuar protestando até março, o bloqueio da Covid-19 dificultou severamente os revolucionários e sua capacidade de se mobilizar nas ruas.

O que vem agora?

Enquanto as ruas de Bagdá e outras cidades podem ficar relativamente silenciosas devido a medidas de distanciamento social, o surto de Covid-19 atrasará apenas uma fase renovada da luta dos trabalhadores iraquianos.

O governo não tem respostas para as demandas dos manifestantes. Após a renúncia do primeiro-ministro Adil Abdul Al-Mahdi e duas tentativas fracassadas de formar um governo, a elite sectário-religiosa nomeou o ex-chefe da inteligência Mustafa Kadhimi como primeiro-ministro. Ele será incapaz ou não estará disposto a instituir reformas, e os partidos políticos continuarão brigando por causa dos recursos do Estado. A ineptidão desse regime político só levará o Iraque ainda mais à crise econômica e política.

Estamos presenciando uma nova rodada de mobilizações em reação à nomeação de Kadhimi e ao aprofundamento do desastre econômico e de saúde agravado pela pandemia. Em 10 de maio, centenas voltaram às ruas pedindo a queda do regime.

Talvez fosse quixotesco imaginar que os iraquianos derrubariam o regime sectário-religioso. Mas o estudioso Fanar Haddad aponta para sinais de esperança no futuro: “Nenhuma força pode extinguir o que foi criado nos locais de protesto. Uma nova consciência política e cultura foram formadas. As classes políticas e os garantidores internacionais do sistema iraquiano precisam perceber que isso precisará ser acomodado para avançar.” [11]

Essa consciência política é mais radical e intransigente em suas demandas por um novo sistema político. Como Zahra Ali explica: “Os revolucionários iraquianos são uma geração que está criando novos imaginários de pertencimento e novos modos de vida cívica e social”. [12]

A consciência que floresceu em outubro pode se tornar a base para o desenvolvimento da liderança e auto-atividade da classe trabalhadora, rejeitando o sectarismo religioso, as ilusões reformistas e as lealdades geopolíticas divisionistas. Essa nova política pode criar inimigos dos ex-parceiros da coalizão de classe média, mas é necessária no desenvolvimento de um programa democrático que possa erradicar completamente o decadente regime sectário.

A esquerda internacionalista deve apoiar os revolucionários iraquianos quando sua luta inevitavelmente se renovar. Devemos centralizar e nos envolver com radicais, acadêmicos e jornalistas iraquianos, enquanto eles nos ensinam sobre organização eficaz, anti-imperialismo e construção de coalizões entre classes.

Os campos de protesto de Tahrir, Basra e outras cidades iraquianas são uma inspiração que ajuda os esquerdistas a prever um renascimento social além dos estragos do capitalismo e do imperialismo.

Notas:

*O Mandato Iraquiano sucedeu o Mandato Britânico para a Mesopotâmia após a independência do Iraque, em 1920. Ainda que fosse um país formalmente independente, continuava sendo bastante controlado pela Grã-Bretanha.

**O link citado é este: https://www.leftvoice.org/paint-and-protest-iraqi-protesters-transform-baghdad-with-murals

[1] Hagopian, Amy, Abraham D. Flaxman, Tim K. Takaro, Sahar A. Esa Al Shatari, Julie Rajaratnam, Stan Becker, Alison Levin-Rector, et al. “Mortality in Iraq Associated with the 2003–2011 War and Occupation: Findings from a National Cluster Sample Survey by the University Collaborative Iraq Mortality Study.” PLoS Medicine 10, no. 10 (2013). https://doi.org/10.1371/journal.pmed.1001533.

[2] Gilber Achcar, “Gilbert Achcar on the Undying Revolutions in the Middle East and North Africa,” Marxist Left Review, December. 2019, marxistleftreview.org/articles/the-undying-revolutions-in-the-middle-east-and-north-africa-interview-with-gilbert-achcar.

[3] Yousef K. Baker, “Iraqi Protesters Thwarted by Trump’s Iran Policy,” Middle East Report Online, February 11, 2020.

[4] Nader Hashemi and Danny Postel, Sectarianization: Mapping the New Politics of the Middle East. 2017.

[5] Associated Press, “‘We in Iran Know How to Deal With Protests,’ Soleimani Told Iraqi Officials in Surprise Visit,” Haaretz, October 31, 2019, www.haaretz.com/middle-east-news/iran/anti-government-protests-in-iraq-and-lebanon-threatening-iran-s-regional-influence-1.8059140.

[6] Zahra Ali, “Iraqis Demand a Country,” Middle East Report 292, no. 3 (Fall/Winter 2019). https://merip.org/2019/12/iraqis-demand-a-country/.

[7] Ibid.

[8] Mustafa, Balsam, “I Spoke to the Women Risking Their Lives to Join the Iraq Revolution – and This Is What They Want,” Independent, November 5, 2019, www.independent.co.uk/voices/iraq-revolution-women-protests-iran-lebanon-a9186141.html.

[9] Fanar Haddad, “Hip Hop, Poetry and Shia Iconography: How Tahrir Square Gave Birth to a New Iraq.” Middle East Eye, December 9, 2019, www.middleeasteye.net/opinion/iraq-new-political-awareness-and-culture-have-been-formed.

[10] Baker, “Iraqi Protesters.”

[11] Haddad, “Hip Hop, Poetry and Shia Iconography.”

[12] Ali, “Iraqis Demand a Country.”




Tópicos relacionados

Luta de Classes   /    Iraque   /    Internacional

Comentários

Comentar