Logo Ideias de Esquerda

Logo La Izquierda Diario

SEMANÁRIO

“As necessidades artificiais estão destruindo o planeta” – entrevista com Razmig Keucheyan

Josefina L. Martínez

“As necessidades artificiais estão destruindo o planeta” – entrevista com Razmig Keucheyan

Josefina L. Martínez

Entrevista com o sociólogo Razmig Keucheyan sobre seu livro “Necessidades Artificiais” (Akal, 2021).

Em setembro de 2021, foi publicado na Espanha o livro do sociólogo Razmig Keucheyan As Necessidades Artificiais. Como sair do consumismo? (Akal). Keucheyan é professor de sociologia na Universidade de Bordeaux, França. Entre seus livros mais recentes está A Natureza é um Campo de Batalha. Ensaio de ecologia política (2016) e Hemisfério esquerdo. Uma cartografia dos novos pensamentos críticos (2013).

Seu livro levanta algumas questões interessantes, num momento em que a crise ambiental permeia grande parte do debate na esquerda e nos movimentos sociais. Embora tenha sido publicado originalmente em francês em setembro de 2019, antes da pandemia, propõe algumas reflexões sobre a dinâmica capitalista que esta crise trouxe ainda mais à luz. O autor retoma a linha de autores marxistas e radicais de esquerda que focalizaram a questão do consumismo no capitalismo. Ele molda a vida cotidiana de grandes camadas da população por meio da publicidade, do crédito e da obsolescência programada, especialmente nos países mais ricos. Nesse sentido, Keucheyan se refere à criação de "necessidades artificiais" pelo capital. Mas como estabelecer democraticamente quais dessas necessidades são artificiais e quais são "autênticas", para além das necessidades essenciais para a vida? Esta é uma das questões que orientam a sua reflexão.

Sem compartilhar da visão estratégica do autor sobre a possibilidade de uma superação gradativa do capitalismo, muitas das questões apontadas no livro me sugeriram pensar sobre a relação entre consumo, produção e reprodução no capitalismo atual. Talvez uma das questões mais interessantes seja aquela que aponta para a coordenação para a luta entre o movimento operário e os movimentos ambientalistas, numa perspectiva que questiona a propriedade privada. Um tópico extremamente atual e urgente. Com base nessas ideias, entrevistei o autor, que gentilmente respondeu a essas perguntas de Bordeaux, França, no início de dezembro.

Em seu livro, você se refere ao paradoxo das necessidades no capitalismo. Você pode nos explicar e nos dar um exemplo atual?

O capitalismo satisfaz muitas necessidades, mas sua própria satisfação leva ao surgimento de necessidades sempre novas. Mais especificamente, promete satisfação, mas no longo prazo proporciona eterna insatisfação do consumidor. Todos nós já experimentamos esse fenômeno até certo ponto: comprar não alivia a vontade de comprar, ou apenas a reprime por um curto período de tempo. Uma nova necessidade de compra é acionada. A publicidade e a “financeirização do quotidiano”, ou seja, viver a crédito, são duas das principais causas desta tendência.

Por outro lado, é claro que existem enormes desigualdades na satisfação das necessidades. No capitalismo, a satisfação das necessidades depende do poder de compra. Sem dinheiro, algumas das necessidades mais básicas simplesmente não serão atendidas ou serão por meio de serviços públicos. Portanto, um dos paradoxos das necessidades no capitalismo é que, por falta de dinheiro, muitas necessidades essenciais das pessoas ao redor do mundo não são satisfeitas, enquanto as pessoas que podem pagar são capazes de satisfazer "necessidades artificiais" "por meio do consumismo. Isso é um absurdo. A única maneira de sair dessa contradição é desconectar a satisfação das necessidades da lógica do dinheiro e dos mercados. Isso é urgente, pois a proliferação de necessidades "artificiais" também está destruindo o planeta, porque leva a produzir e consumir muitas coisas.

As tendências ecodestrutivas do capitalismo apresentam um paradoxo adicional, a experiência de privação sobre o que antes era considerado algo dado para sempre. Florestas, água limpa, ar respirável ... Como resultado dessa privação, surgem novas resistências?

Privação é um conceito que peguei emprestado do grande psiquiatra britânico do século 20, Donald Winnicott (1896-1971). Ele se interessava por casos de transtornos mentais entre crianças que tinham sua origem em uma necessidade anteriormente satisfeita e não mais satisfeita: casos de privação, como ele os chamava. Quando os pais se divorciam, por exemplo, o filho não desfruta mais de um ambiente emocional estável, mas a lembrança disso pode voltar para assombrá-lo. Segundo Winnicott, isso pode levar a várias formas de rebelião, ou mesmo à violência. Ele ensinou que a rebelião era uma maneira normal de lidar com necessidades há muito não satisfeitas.

Em meu livro, atribuo um significado político a esse conceito de privação. A crise ambiental pode ser interpretada como uma forma de privação coletiva: as necessidades que antes eram satisfeitas - água limpa, ar respirável, etc. - não estão mais disponíveis ou são cada vez mais raras. A sensação de privação que muitas pessoas experimentam dá origem a novas formas de resistência ou demandas políticas. Em meu livro, eu estava especialmente interessado no movimento pelo direito à escuridão ou ao céu escuro. É um movimento social internacional recente que luta contra a poluição luminosa, ou seja, o excesso de iluminação em ambientes urbanos e naturais, que causa doenças entre os humanos, altera o ciclo natural da vida de animais e plantas e torna a noite escura. A ideia de que a escuridão é uma necessidade humana básica e que devemos lutar para recuperá-la me parece muito interessante e típica de uma nova forma de movimento social que surgiu no contexto da crise ambiental. Assim, como em Winnicott, este é um caso em que a privação leva à resistência.

No livro, você argumenta que, como nunca antes, a afirmação de Marx de que os interesses do proletariado coincidem com os da humanidade como um todo é relevante ... Por quê?

É um pouco provocador, mas ao mesmo tempo profundamente verdadeiro: o capitalismo industrial é a principal causa da crise ambiental, até porque depende fortemente de combustíveis fósseis. Como muitos autores mostraram, a revolução industrial foi possibilitada pelo carvão, gás e petróleo. Sem eles, a história moderna teria sido muito diferente, economicamente, mas de forma mais geral.

Agora, a grande questão é: o capitalismo é concebível sem os combustíveis fósseis? Provavelmente sim, mas vai ser um capitalismo muito diferente do atual. Especialmente, a tendência de globalização que temos testemunhado nos últimos quarenta anos terá que parar. Independentemente do que aconteça no futuro do ponto de vista das inovações tecnológicas, é necessária uma profunda reestruturação das relações sociais e econômicas. A dinâmica de crescimento que tem caracterizado as economias modernas desde o século 18 está condenada, se quisermos limitar a frequência e a gravidade dos desastres naturais, colapsos da biodiversidade e poluição.

O que Marx chamou de "revolução" é nossa melhor chance de atingir esse objetivo. Não será necessariamente violento. Mas envolverá, no mínimo, questionar a propriedade privada e os direitos à acumulação infinita de capital a que ela conduz, e substituí-la por formas de propriedade coletiva, por exemplo, o que a ganhadora do Prêmio Nobel de economia Elinor Ostrom chamou de "bens comuns’’. Esta revolução não se apoiará apenas nas classes populares, o que Marx efetivamente chamou de proletariado. Mas só terá sucesso se as classes populares de todo o mundo participarem, em aliança com outras classes. Assim, os interesses da humanidade - encontrar uma solução para a crise ambiental - coincidem mais do que nunca com os interesses das classes populares.

No entanto, eu entendo que esse processo dificilmente pode ser pacífico ou gradual. O senhor também diz no livro que há várias décadas a crise ambiental é objeto de militarização e que os grandes exércitos do planeta se preparam para as "guerras climáticas", pois veem a crise climática como uma batalha campal em que a crescente escassez pode produzir conflitos extremos. Não estamos falando então de situações catastróficas, de violência incomum e da possibilidade de surtos sociais mais generalizados?

Sim. A militarização da crise climática, com a crescente possibilidade de "guerras verdes" ou "guerras climáticas", é um tema que elaborei em meu livro anterior, A Natureza é um campo de batalha . As grandes potências e seus exércitos se preparam há décadas para um mundo em que os recursos (petróleo, água, etc.) se tornam escassos, as migrações climáticas podem desestabilizar regiões inteiras, especialmente no Sul Global, e os desastres naturais terão consequências perturbadoras. Os exércitos acreditam que terão um papel importante na gestão deste caos climático. Curiosamente, nas mentes dos militares, por exemplo, nos exércitos americano ou francês, isso se relaciona com outra questão: o terrorismo. Muitos estrategistas militares acreditam que o caos climático levará a mais pobreza e desigualdade, e que isso alimentará redes terroristas no Sul Global, que prosperarão no caos. Assim, consideram que seu papel não é apenas manter a paz, mas também garantir ou restaurar a “segurança natural”, ou seja, administrar os recursos e os ecossistemas para que a pobreza não cresça totalmente descontrolada. É o que chamei de "novo ambientalismo militar".

Em qualquer caso, que o mundo em que entramos esteja se tornando cada vez mais violento é certamente uma possibilidade. Mas não é inevitável e, a meu ver, as forças políticas e sociais de esquerda devem defender que as profundas transformações de nosso sistema econômico - para ser claro: o fim do capitalismo - são a única forma de conter a violência dentro de certos limites.

Fiquei especialmente interessado em seu livro sobre o tema das alianças entre o movimento ambientalista e o movimento sindical. Você diz que houve uma divisão histórica, que aos poucos foi superada. Onde você vê esses avanços?

Até recentemente, em muitos países, os movimentos ambientalistas e o movimento sindical tiveram pouco contato. Isso tem acontecido por várias razões. O movimento sindical, por exemplo, lutou pela melhoria das condições materiais de vida dos trabalhadores, por meio do aumento dos salários. O progresso era frequentemente definido como o acesso a sempre mais coisas: uma casa, um ou dois carros, aparelhos elétricos, etc. Nos países do Norte Global, o boom econômico do pós-guerra tornou o progresso nessa direção até certo ponto possível para muitas pessoas.

Por outro lado, desde pelo menos a década de 1970, os movimentos ambientalistas têm chamado a atenção para os danos ambientais causados ​​pela massificação desse estilo de vida. No entanto, eles têm feito isso com pouca ou nenhuma sensibilidade às questões abordadas pelo movimento trabalhista: desigualdades, exploração, alienação, etc. Portanto, esses dois movimentos quase sempre viveram separados.

Bem, este não é mais o caso. O movimento sindical está cada vez mais consciente de que as classes populares são as primeiras vítimas dos desastres naturais ou da poluição. Por exemplo, negros e pobres foram as principais vítimas do furacão Katrina em Nova Orleans em 2005. Portanto, os sindicatos estão interessados ​​em abordar questões relacionadas à crise ambiental.

Por outro lado, cada vez mais os movimentos ambientalistas entendem que não adianta tentar convencer as classes populares da urgência da crise ambiental se não souberem articulá-la com um discurso sobre desigualdades, qualidade de vida e trabalho, progresso, etc. Como disse o movimento "Gilets jaunes" (“Coletes Amarelos”) na França, "O fim do mundo e o fim do mês deveriam fazer parte da mesma luta" ("Fin du monde, fin du mois, même combat").

Ao colocar os holofotes em algumas dessas lutas trabalhistas recentes, os trabalhadores da Amazon fizeram greves e ações em vários países. Que papel você acha que os trabalhadores de logística desempenham no capitalismo de hoje?

A logística sempre foi uma parte importante da economia capitalista. Porém, com a globalização, com cadeias produtivas cada vez mais longas, complexas e internacionais, tornou-se ainda mais importante do ponto de vista estratégico. Assim, as greves dos logísticos podem interromper o fluxo de mercadorias e, portanto, o processo de valorização capitalista. Isso é o que os torna tão politicamente centrais hoje. Essa é uma ideia desenvolvida, entre outras, pela grande socióloga americana Kim Moody.

Claro, a condição para que isso aconteça é a sindicalização: através da luta e da organização, os trabalhadores de logística devem criar sua própria identidade de classe, assim como os mineiros, por exemplo, tiveram sua própria identidade de classe nos mercados. Séculos 19 e 20, quando o carvão foi a principal fonte de energia que alimentou a acumulação de capital. Como vimos no caso da Amazon, os empresários farão todo o possível para impedir que os trabalhadores experimentem e desenvolvam seu próprio poder de classe. Além disso, o surgimento de uma consciência de classe entre os trabalhadores de logística é dificultado pelo fato de que a Amazon e outras plataformas dependem de redes logísticas multinacionais. Quando os trabalhadores entram em greve na Itália, por exemplo, a Amazon pode recorrer a depósitos localizados, por exemplo, na Polônia ou na Alemanha. Portanto, é ainda mais necessário que a ascensão de sua identidade de classe seja acompanhada por um internacionalismo renovado. Somente se a solidariedade internacional crescer entre eles, os trabalhadores da logística podem se tornar o grande adversário do processo de valorização capitalista. Esta será uma das grandes batalhas políticas do século XXI.

Voltando às "necessidades artificiais" que você aborda em seu livro: uma crítica às necessidades fictícias criadas pelo capitalismo não deve implicar em uma variante de um socialismo da escassez. Em todo caso, uma nova sociedade em que os produtores-consumidores possam tomar o controle terá que aprender a diferenciar entre as necessidades autênticas e as necessidades artificiais, de forma coletiva, levando em consideração a relação com a natureza e as condições de reprodução da vida. Qual é a sua opinião sobre isso e o que você chama de comunismo de luxo?

Uma espécie de diminuição material é uma condição necessária para a invenção de um mundo habitável. Nas próximas décadas, simplesmente teremos que usar menos como insumo e menos deve ser despejado nos ecossistemas ao nosso redor. Isso é verdade tanto para os países em desenvolvimento quanto para os desenvolvidos, mas é claro que estes últimos têm que arcar com uma parcela maior do fardo, e nos países mais ricos os ricos, que simplesmente não deveriam ser capazes de continuar com seu estilo de vida.

A redução material equivale à escassez como sistema econômico? Claro que não. O termo chave aqui é sobriedade. Combina três ideias. A primeira é que o progresso não é necessariamente material ou quantitativo. Um certo nível de bem-estar material deve ser alcançado para todos, é claro, mas além desse nível, a maioria das melhorias no bem-estar são qualitativas. Em segundo lugar, sobriedade implica igualdade. A transição para um modelo econômico sustentável deve ser uma oportunidade para reduzir drasticamente as desigualdades, entre os países e dentro deles. As pessoas concordarão em reduzir sua pegada ecológica, desde que isso se aplique a todos, igualmente, sem privilégios.

E, finalmente, a sobriedade envolve viver dentro dos limites da terra. O crescimento econômico sem fim não é possível nem desejável. "Comunismo de luxo" é um conceito que uso para me referir a um mundo no qual a sobriedade e não a lucratividade se tornam a norma. Pense no que "luxo" significa: significa que o bem de luxo é produzido em grande escala? Não, ao contrário, implica que o objeto seja feito com materiais de qualidade, que tenha algo especial e que você vai cuidar dele. Acredito firmemente que a sobriedade como princípio organizador da sociedade pode levar ao progresso de todas as pessoas.

Quer queiramos ou não, com o aumento das temperaturas, o mundo está prestes a sofrer mudanças drásticas. A alternativa não é entre a mudança e o status quo, o status quo não está mais disponível para nós como uma opção. A alternativa é entre mudanças planejadas com base em um critério de justiça e caos. "Comunismo de luxo" é o nome que dou à primeira dessas avenidas.

veja todos os artigos desta edição
CATEGORÍAS

[Entrevista]   /   [Karl Marx ]   /   [Crise Climática]   /   [mudanças climáticas]   /   [Ecologia]   /   [Capitalismo]   /   [Meio Ambiente]   /   [Teoria]

Josefina L. Martínez

Madrid | @josefinamar14
Comentários