×

Feminismo Socialista | As "essenciais": greves tingidas de roxo renovam as forças da classe trabalhadora

Os capitalistas as chamaram "essenciais". As trabalhadoras se auto identificam como sujeitos de transformação de suas condições de trabalho e de vida. Greves tingidas de roxo renovam as energias da classe trabalhadora.

Cynthia LubBarcelona | @LubCynthia

quinta-feira 13 de janeiro | Edição do dia

"Dizem que o nosso trabalho é essencial. Mas as vidas das trabalhadoras também são essenciais e a patronal não o entende, por isso vamos à greve". Lide, trabalhadora de conservas em Biscaia na Espanha, delegada da fábrica.

Os capitalistas condenaram quem são "essenciais" durante a pandemia: caixas de supermercados, trabalhadoras da saúde, da limpeza, da educação, indústria alimentícia, serviços sociais, atendimento domiciliar, empregadas domésticas. Uma sentença que, neste momento pós-pandemia, está impactando nas consciências do mundo trabalhista mais feminino: Se somos tão essenciais, podemos perguntar-nos por que sofremos as piores reclamações e humilhações, a desigualdade salarial, a precariedade que repercute em nossas vidas, sem poder desfrutá-la depois de dias de trabalho extenuantes que nos deixa o corpo ferido e a mente em branco.

Se somos tão essenciais, teremos que reapropriar-nos de nosso poder para fazer funcionar o mundo, para desafiar a tudo aquilo que se interponha em nossos desejos de viver a vida plenamente, recuperar um trecho de nosso tempo, aquele que nos roubam os empresários para aumentar seus lucros. Desafiar os capitalistas, suas reformas trabalhistas, os governos que aplicam esse modelo trabalhista precário desenhado desde décadas por todos os partidos, de direita e progressistas. Desafiar esses monstros das organizações sindicais burocráticas, os verticais do século XXI.

E neste caminho de desafios, importantes setores da classe trabalhadora mais feminizada começaram a dar pequenos grandes passos. Em plena pandemia, assistimos às enfermeiras, aos enfermeiros e aos auxiliares que sofreram brutalmente a exploração e que continuam hoje em luta em muitos países. Da limpeza de hospitais, ou as cuidadoras de pessoas idosas e dependentes sendo uma grande maioria de grupos migrantes nos países imperialistas. As trabalhadoras e trabalhadores da Amazon. Na França, as greves das trabalhadoras da limpeza de ferrovias. No Brasil, a luta das terceirizadas da limpeza das universidades, da saúde e das docentes. No Chile, a greve das trabalhadoras da saúde de Antofagasta, maioria migrantes, que lutaram contra uma multinacional espanhola por suas condições de trabalho e pelos direitos das pessoas migrantes.

No Estado espanhol, as trabalhadoras do Museu de Bilbao Guggenheim estão cumprindo mais de 200 dias de greve contra a diferença salarial e as condições de exploração laboral. As trabalhadoras do SAD (Serviço de Atendimento Domiciliar) que acamparam em municípios da Catalunha e em frente ao Ministério do Trabalho em Madrid. As greves na Catalunha dos serviços públicos onde se expressou o setor mais precário como as interinas. As trabalhadoras do setor precário da educação, extracurriculares, monitoras de refeitório e cuidadoras começam a se organizar. As da indústria alimentícia, como as de conservas de Bizkaia em greve. As camareiras que se organizaram em Las Kellys, em luta contra a externalização. Em Euskadi, as greves das empresas de Inditex [1] ou as de residências com greves longas [2] Os protestos das trabalhadoras migrantes a partir de seus sindicatos e associações, como Sindillar em Barcelona. Fora das cidades, as catadoras de alimentos, como as Jornaleiras da Huelva en Lucha que denunciavam que nove grandes empresas onubenses do setor de frutos vermelhos não davam acesso à água, máscaras ou luvas nem se mantinha a distância de segurança.

E assim, poderíamos colocar pontos roxos que pintariam todo o Estado ou o planeta, de centenas de processos de luta e organização das mulheres trabalhadoras. Trata-se então de mergulhar sobre as causas profundas destes processos num mundo em crise pós-pandemia. Assim como de pensar que elementos comuns e novos adquirem, particularmente no Estado espanhol. E refletir sobre novas perspectivas que reatualizem a relação entre gênero e classe, entre capitalismo e patriarcado; questão de importância para elaborar estratégias de emancipação para a maioria das mulheres junto ao conjunto da classe trabalhadora.

Após a pandemia: maior exploração, precariedade e crise de cuidados com "rosto de mulher"

Para começar a pensar nas causas do aumento da conflitualidade trabalhista, especialmente nos setores mais feminizados, retomarei um artigo que escrevi em plena pandemia em 2020, "Trabalhadoras na primeira linha: patriarcado e capitalismo em tempos de coronavirus" [3] no qual dizia que, se antes da pandemia a luta contra a precariedade trabalhista foi bandeira das trabalhadoras, em tempos de coronavirus, tinha sido fulminante desencadeado em três campos representados maioritariamente por mulheres.

Em primeiro lugar, após o ataque brutal que se seguiu aos despedimentos em massa e ao "melhor" dos casos, sobretudo contra os setores mais vulneráveis sem direitos trabalhistas básicos, com contratos de trabalho e de serviço ou diretamente sem contrato e sem prestações. O exemplo de Las Kellys, as camareiras de hotéis, das quais 95% que estavam terceirizadas ou com contratos de obra e serviço, ficaram sem trabalho por causa de "baixa produção". A grande maioria nem sequer teve direito ao desemprego, uma vez que apenas 5% tinha um contrato fixo e pessoal não externalizado. Outro setor altamente feminizado é a hotelaria, que sofreu um duro impacto junto a todo o setor turístico, já que dos 237.796 contratos assinados em 2019, apenas 12% eram indefinidos e 88% temporários. Uma proporção semelhante à do conjunto dos setores da economia.

Em segundo lugar, o aumento da exploração destes setores, juntamente com a enorme exposição ao contágio das trabalhadoras em primeira linha dos trabalhos essenciais. Uma trabalhadora de residências explicou que "a emergência do coronavírus está multiplicando por mil uma situação de precariedade trabalhista. Muito antes da pandemia as jornadas eram intermináveis com horários de mais de doze horas, modelos reduzidos ao mínimo." Podemos encontrar múltiplos testemunhos de trabalhadoras denunciando a situação de desgaste, exposição aos contágios, jornadas extenuantes pelo excesso de trabalho, estresse. Neste artigo estão citados vários relatos de denúncias de trabalhadoras em plena pandemia.

Em terceiro lugar, os cuidados de saúde foram interrompidos por todas as suas contradições. Por um lado, a feminização dos cuidados e a sua transferência das famílias para o trabalho assalariado também se desencadeou numa crise exponencial com o antecedente de décadas de cortes na saúde, educação e serviços sociais. Entre eles, nos orçamentos em áreas de dependência, que rangeu na situação de vulnerabilidade em que se encontraram os idosos após a privatização de um serviço que encheu os bolsos dos donos das residências e precarizou agudamente as trabalhadoras [4].

Por outro lado, tornou-se ainda mais evidente a situação das trabalhadoras do agregado familiar, maioritariamente imigrantes, que ficaram sem trabalho em consequência do confinamento. Cerca de 200.000 ou muito mais que não aparecem nas estatísticas, trabalham na economia informal, muitas "sem papéis" segundo a reacionária Lei de Estrangeiros, pelo que não podem aceder a nenhum tipo de subsídio extraordinário, nem de prestação nem ajuda. Aqui o que rangeu foi a cadeia global de cuidados, "As internas, embora nos sintamos sempre como em confinamento, esta crise nos destruiu", dizia Vilma, imigrante paraguaia do Pan y Rosas.

Além disso, o teletrabalho tornou a vida insuportável para as famílias trabalhadoras, com confinamentos que isolaram meninos e meninas em seus lares. Sob dias extenuantes, muitas trabalhadoras se viram obrigadas a fundir a histórica "dupla carga" no mesmo espaço e tempo. Sob dias extenuantes, muitas trabalhadoras se viram obrigadas a fundir a histórica "dupla carga" no mesmo espaço e tempo. O que evidenciou um problema estrutural dos cuidados, que é a falta de educação infantil de 0 a 3 anos gratuita e universal. E sobretudo, revelou que sob este sistema capitalista e patriarcal, todas estas tarefas são necessárias para a reprodução da força de trabalho e que são um sustentáculo fundamental da produção do capital. Em um capítulo do livro "Patriarcado e Capitalismo, Feminismo Classe e diversidade" [5] explicamos como as teorias que buscam analisar as esferas reprodução-produção como sistemas separados, ignoram a existência de ligações cada vez mais diretas entre o trabalho doméstico e a exploração trabalhista. Em suma, o que evidenciou claramente esta crise é que a classe trabalhadora cuja metade é feminina ocupa todas as posições estratégicas para a produção e reprodução da sociedade.

Greves, organização e lutas tingidas de roxo: novas forças para toda a classe trabalhadora

Os três fatores, despedimentos em massa, aumento da precariedade e da exploração, crise dos cuidados, se foram desencadeados de forma colossal durante o coronavírus, foram sobre as profundas marcas de décadas de neoliberalismo com as suas reformas trabalhistas, reconversões industriais sucessivas e toda a reconfiguração de um modelo trabalhista precário de forte impacto nos trabalhos mais desvalorizados que, não de forma fortuita, são os mais feminizados. Se entre os empregos a tempo parcial, no Estado espanhol 3 em cada 4 estão ocupados por mulheres, não é por acaso que a precariedade e o desemprego têm "rosto de mulher".

As mulheres representam 74% dos profissionais de saúde, 84,2% dos enfermeiros, 71% dos farmacêuticos e 90% dos idosos. Outras pesquisas sociológicas dão conta de que 93% do pessoal de limpeza -escritórios, hotéis, casas- são mulheres; e 84% das caixas de supermercados. Mas o sistema capitalista e patriarcal, historicamente, subvalorizou-as, aproveitando-se da divisão sexual do trabalho.

No mesmo artigo "Trabalhadoras na linha da frente..." Eu estava a pensar que era o momento de nos prepararmos para o combate do ano seguinte e de atualizar as nossas perspectivas estratégicas para uma situação que será devastadora após a pandemia. E assim começa a ser sentido por grandes faixas da classe trabalhadora, aqui e no mundo, que diante da consideração de ³ essenciais’ se auto identificam como sujeitos motores de transformação de suas condições de trabalho e de vida.

Esboçando algumas das características desta nova onda de greves e lutas, como vimos nestes meses até a grande luta do metal em Cádiz, que os processos do mundo trabalhista feminino nos apresentam três características importantes.

Primeiro, que a imagem de greves e lutas "tingidas de roxo" não só se refere ao fato de que são protagonizadas por mulheres, questão igualmente significativa. Também procura destacar que as reivindicações laborais incorporam demandas especiais sobre os problemas mais profundos que sentem, vivem e sofrem as mulheres: a clivagem salarial, as especificidades da precariedade, a "dupla jornada", discriminação e assédio. Algo impensável em décadas anteriores. Claramente, a emergência do movimento feminista a nível mundial e, em particular, no Estado espanhol, encorajou as trabalhadoras a renovar a sua energia, apresentando ao movimento as suas próprias reivindicações. A imagem de Las Kellys contra a precariedade, ou as empregadas do lar ou coletivos de imigrantes contra as leis de estrangeiros nas cabeceiras das manifestações massivas do 8M o expressa, além do papel ativo de muitos centros de trabalho nas greves de mulheres e feministas.

As jornadas de greves de vários grupos de trabalhadoras no Euskadi, como as do Guggenheim [6], as trabalhadoras das residências ou as conservas de peixe da Biscaia [7], essencialmente centradas na luta contra as condições de trabalho, integram as suas reivindicações a questão do aumento do salário contra a diferença salarial. Sobretudo nos casos de negociação de convenções, a partir do qual os conflitos são lançados. É também muito integrada a denúncia, nos seus discursos e reivindicações, de que os trabalhos mais precários, a tempo parcial e desvalorizados estão representados por mulheres.

Em segundo lugar, tornou-se ainda mais evidente o abandono das organizações sindicais burocráticas, cujas direções, maioritariamente masculinas, apesar de terem incorporado no sistema secretarias de género, continuam a deixar de lado os setores mais explorados da classe: mulheres e jovens, subcontratadas e externalizadas em empresas multiserviço, onde os direitos laborais mais básicos estão praticamente ausentes. São inúmeros os casos em que, quando as trabalhadoras se organizam, estes sindicatos se situam do lado das patronais; tal como ocorreu nas lutas na negociação de convênios no caso de Las Kellys ou de Hotelaria, nas trabalhadoras de tempo livre das cantinas escolares ou para as trabalhadoras do SAD. Perante isto, nascem novas organizações sindicais e coletivas. Ao mesmo tempo que se fortalecem os sindicatos alternativos e de esquerda que, em sua maioria, convocaram greves o 8M, enquanto o CCOO chamou paragens de 2 horas. Ou os sindicatos autônomos como em Euskadi, Catalunya ou Andaluzia, entre outros. Mas o que está claro é que, em todos os sindicatos, se está dando uma certa renovação feminina, com maior presença de trabalhadoras nos conflitos, de seus próprios porta-vozes e delegadas sindicais.

Terceiro, que a ponte entre o sindical e o político é cada vez mais estreita e muitas trabalhadoras expuseram decididamente nas suas reivindicações quem são os responsáveis políticos da sua situação de precariedade. Em vários artigos como "Uma geração de trabalhadoras que questiona o feminismo institucional" [8] analisei esta situação, explicando a raiz da precariedade: governos, central e autonómicos, câmaras municipais -de partidos de direita e os da "mudança"-, Os ministérios e os ministros tomaram durante décadas a decisão política de que as perniciosas reformas laborais e os cortes na educação recairiam sobre a classe trabalhadora e que as consequências seriam ainda piores para os sectores precários, altamente feminizados. Praticamente todos os grupos de luta acima mencionados expõem este casamento entre instituições e empregadores. Por exemplo, a luta contra a externalização de serviços públicos essenciais como o do SAD [9] ou as empregadoras de limpeza do museu Guggenheim, expressam abertamente que são os municípios que contratam e fazem grandes negócios com as empresas privadas. Ou as trabalhadoras mais precárias da educação, -monitoras, extracurriculares ou oficineiras- que são os governos que deveriam considerá-las parte do pessoal educativo e contratá-las de forma direta, sendo que representam 50 por cento do pessoal nas escolas [10]

Sobre o gênero e a classe: novas perspectivas na luta contra o patriarcado e o capitalismo

O sistema capitalista, após as suas transformações históricas, incorporou uma classe assalariada feminina que, como vimos, é acompanhada por uma precariedade laboral extrema. O que transforma as mulheres trabalhadoras nos setores mais oprimidos e explorados da classe trabalhadora.

Por isso, valorizar as importantes experiências de luta e organização das trabalhadoras é uma tarefa militante, que procura apostar para que deixem de estar na primeira linha da precariedade e da exploração e passar à vanguarda da luta de classes.

Se este início de renovação das organizações sindicais começar a mostrar novos rostos de mulher em cada conflito e processo de organização, continuaremos a apostar também na hipótese de que sejam as trabalhadoras as que ajudem, juntamente com os seus colegas, a recuperar os sindicatos revolucionando-os de baixo para cima ou a criar novas organizações sindicais democráticas, que sirvam como verdadeiros instrumentos eficazes para derrotar os planos dos capitalistas. E, deste modo, conseguir romper a divisão das fileiras da classe trabalhadora, fragmentada em múltiplas categorias, atada de pés e mãos pelas direções sindicais burocráticas.

Nos EUA, onde as mortes por coronavírus chegaram a mais de 799.500 casos, as enfermeiras do Hospital Mount Sinai de Nova York, juntamente com os profissionais de saúde e de limpeza tinham criado, em plena pandemia, o grupo de trabalhadoras de primeira linha da Covid-19 e organizado os primeiros protestos na exigência de medidas de segurança e outras medidas como a nacionalização de todo o sistema de saúde ou a indústria manufatureira para a sua reconversão sob controle operário para o fabricação de todos os equipamentos de proteção e sanitários necessários.

Ou seja, uma saída para o conjunto dos setores explorados, desde as reivindicações mais básicas das mulheres trabalhadoras, até as sequelas devastadoras que a pandemia está a deixar: retrocesso nos direitos trabalhistas, pobreza, desemprego, dívida pública, etc.

No meu artigo citado referia que, durante a pandemia, as trabalhadoras já viam a necessidade de começar a preparar-se para que esta crise - que será pior do que em 2008- não seja paga novamente pela classe trabalhadora. E que, portanto, se iria aprofundando o mal-estar e a raiva da classe trabalhadora depois dos golpes desta crise. Algo que já está se transformando em organização, luta e energia para atacar com seus próprios métodos e tocar os interesses do capital, tal como estamos vivendo na última onda de greves.

Porque todos os retrocessos nos direitos laborais mais elementares, não terão retorno para as mais exploradas e oprimidas, senão se tecem alianças com o conjunto da classe trabalhadora, para criar hegemonia operária e popular numa unidade de ferro de todos os setores de trabalhadores e trabalhadoras essenciais e estratégicos da produção como o agrícola, o da logística, as fábricas alimentícias, os supermercados, os caminhoneiros que levam os alimentos aos mercados, de todo o sistema de saúde.

Isto nos prepara em melhores condições para criar organizações revolucionárias junto às trabalhadoras e o conjunto dos oprimidos e explorados, que oponham um programa de emergência e combate, alternativo ao dos partidos capitalistas, incluindo aqueles que enganam com discursos progressistas, enquanto administram a vida (e a morte) do povo trabalhador a favor dos seus lucros.

Traduzido por Dani Alves em Janeiro de 2022.

1] Cynthia Luz Burgueño, Trabalhadoras de Inditex: "Nossas vidas não se rifam", 18 de dezembro de 2020. Ver:
http://www.izquierdadiario.es/Trabajadoras-de-Inditex-Nuestras-vidas-no-se-rifan

[2] Cynthia Luz Burgueño, "A vida é luta", o livro das grevistas das residências de Bizkaia", Contrapunto, fevereiro de 2020. Ver:
http://www.izquierdadiario.es/La-vida-es-lucha-el-libro-de-las-huelguistas-de-las-residencias-de-Bizkaia

[3] Cynthia Luz Burgueño, Contra ponto, 12 de abril de 2020. Ver:
https://www.izquierdadiario.es/Trabajadoras-en-la-primera-linea-patriarcado-y-capitalismo-en-tiempos-de-coronavirus

[4] Cynthia Luz Burgueño, Trabalhadoras de residências: "Nós cuidamos deles. Vós os roubais", 2 de janeiro de 2021. Ver:
http://www.izquierdadiario.es/Trabajadoras-de-residencias-Nosotras-les-cuidamos-Vosotros-les-robais

[5] Josefina L. Martínez, Cynthia Luz Burgueño, Patriarcado y Capitalismo, Feminismo Clase y diversidad, Madrid, AKAL, 2019

[6] Cynthia Luz Burgueño, "80 dias de greve no Guggenheim: o museu da precariedade e da diferença salarial", 30 de agosto de 2021. Ver:
http://www.izquierdadiario.es/80-dias-de-huelga-en-el-Guggenheim-el-museo-de-la-precariedad-y-la-brecha-salarial

[7] Cynthia Luz Burgueño, Greves tingidas de violeta: as trabalhadoras de conservas de Bizkaia, Contrapunto, novembro de 2021. Ver:
http://www.izquierdadiario.es/Huelgas-tenidas-de-violeta-las-trabajadoras-de-conservas-de-Bizkaia

[8] Cynthia Luz Burgueño, Uma geração de trabalhadoras que questiona o feminismo institucional, 4 de janeiro de 2021. Ver:
http://www.izquierdadiario.es/Una-generacion-de-trabajadoras-que-cuestiona-al-feminismo-neoliberal

[9] Cynthia Luz Burgueño, Cuidadoras do SAD: De que serve um Ministério de igualdade, se nossa precariedade é cega a seus olhos? , 11 de janeiro de 2021. Ver:
http://www.izquierdadiario.es/Cuidadoras-del-SAD-De-que-sirve-un-Ministerio-de-igualdad-si-nuestra-precariedad-es-ciega-a-sus

[10] Cynthia Burgueño, Precariedade na educação com rosto de mulher: uma decisão política, ID.ES, 26 de outubro de 2020. Ver:
http://www.izquierdadiario.es/Precariedad-en-la-educacion-con-rostro-de-mujer-una-decision-politica




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias