Internacional

ARGENTINA

Argentina: Frente de Esquerda Unidade repudia o ajuste das aposentadorias no país

O espaço convocou uma mobilização contra a nova lei de mobilidade da aposentadoria proposta pelo governo peronista da Frente de Todos, que tem meia sanção do Senado e será discutida entre os deputados. Nicolás del Caño encerrou o ato.

quarta-feira 23 de dezembro de 2020| Edição do dia

No último 10 de dezembro, o Senado argentino deu a meia sanção ao projeto de reforma previdenciária acordado com o FMI, com os votos dos mesmos senadores peronistas que aprovaram todas as leis de reajuste e entrega durante os quatro anos de governo de Mauricio Macri. A Frente de Esquerda Unidade, formada pelo Partido Socialista dos Trabalhadores (PTS), o Partido dos Trabalhadores (PO), a Esquerda Socialista (IS) e o Movimento Socialista dos Trabalhadores (MST), convocou um ato diante o Congresso Nacional chamando a rejeitar esta nova medida que privilegia o pagamento da dívida externa fraudulenta sobre a vida dos nossos idosos.

A Frente de Esquerda dos Trabalhadores Unidade realizou um ato nesta terça-feira, às portas do Congresso Nacional, para denunciar a reforma previdenciária promovida pelo Governo de Alberto Fernández e que pretendem aprovar na câmara dos deputados no dia 29 de dezembro, enquanto está sendo discutida no Senado o projeto de lei para o aborto legal.

Durante este ano, o governo de Alberto Fernández não só não recompôs o fundo em 20 por cento - que foi o que se perdeu durante o governo Macrista, como prometeu durante a campanha eleitoral -, mas tem feito um forte ajuste nas pensões. Em dezembro do ano passado, antes de a pandemia ser declarada, o governo suspendeu a mobilidade para aposentadoria e a substituiu por aumentos por decreto. Dessa forma, os aposentados foram roubados entre 7% e 18% dos salários que deveriam ter recebido.

Os fundos de pensão foram esvaziados por todos os governos, sem exceção, para subsidiar os capitalistas e pagar a dívida externa. Este saque de ANSES contrasta com as pensões de miséria que milhões de pessoas recebem. Com o aumento anunciado para dezembro, a previdência mínima correspondente a mais de 5,5 milhões de pessoas será de 19.035 de pesos argentinos, quando o salário base de aposentadoria calculado pela Ouvidoria do Idoso estaria em 50 mil pesos.

Além dos principais referentes da esquerda, estiveram presentes no evento personalidades de organizações de direitos humanos, como Carlos “Sueco” Lordkipanidse, do Encontro Militante Cachito Fukman e também Eugenio Semino, Defensor do Povo da Terceira Idade.

Nicolás del Caño, encarregado de encerrar o ato, afirmou que: “Estamos denunciando um novo roubo a aposentadas e aposentados, como fizemos há três anos quando, junto com dezenas de milhares, enfrentamos a reforma previdenciária de Macri, a forte repressão que baixado sobre aqueles de nós que se mobilizaram. Essa reforma de Macri roubou US$ 100 bilhões do sistema de pensões. Esse mesmo valor é o que o Governo de Alberto Fernández lhes tirou ao longo deste ano com a suspensão da mobilidade das aposentadorias que pela primeira vez iria significar uma pequena recuperação ao final das aposentadorias. Sorte diferente tiveram estes grandes fundos de investimento, que fizeram grandes negócios com Macri, aos quais o Governo deu títulos em dólares e em pesos atrelados à inflação para não perdessem um centavo ”.

O deputado do PTS/FIT destacou que a nova fórmula "nem mesmo propõe cláusula de garantia inflacionária, como piso para que as pensões não caiam abaixo da inflação". E explicou que “o governo priorizou o pagamento da dívida aos especuladores privados e agora a renegociação com o FMI, o que sempre exige reformas estruturais que afetam os aposentados e os setores populares”.

Um tema que permeou todo o ato foram as lutas que vêm ocorrendo em todo o país nos últimos meses. Foi muito destacado o conflito dos trabalhadores da indústria de óleo de soja, que com uma greve que já dura 14 dias, vem demonstrando o papel estratégico que a classe trabalhadora desempenha na economia do país, com o poder de parar a produção porque é ela quem movimenta diariamente as máquinas .

Também foram muito destacados os conflitos da Latam, dos telefonistas e os médicos residentes e concomitantes, que na terça-feira, fizeram uma greve em CABA, Nación e Província. Nicole, uma jovem que faz parte de uma das lutas mais importantes deste 2020, também participou do ato, a luta pela terra que começou com a apreensão da propriedade em Guernica e que hoje muitos vizinhos seguem para conseguir o que o Governo queria lhes negar com repressão.

“Passamos meses naquela propriedade, sofrendo com a fome, chuva, frio e constantes intimidações policiais. Enfrentamos a repressão de Berni e seus 4.000 soldados, que incendiaram a única coisa que tínhamos. Junto com os jovens da linha de frente e a comissão de mulheres, decidimos não baixar os braços e nos organizamos novamente em uma assembléia permanente. E quando todos pensaram que tínhamos desistido, cortamos a ponte Pueyrredón e dissemos a todo o país ’aqui está Güernica, de pé, presente, lutando por terra, moradia e trabalho decente ”, gritou com muita raiva, mas também com orgulho.

Sobre a sua luta, disse ter recebido muito apoio dos trabalhadores que “estão em branco, mas entendem que fazemos parte da mesma classe, que somos o motor que move a economia mundial e que se nos unirmos seremos uma força imparável. Quando estávamos dentro das instalações, formamos a comissão de mulheres porque queríamos ter voz e voto, e lutamos por assembleias mais democráticas. Hoje conseguimos isso. Queremos que organizações e todos os setores nos apoiem. Mas somos nós que temos que tomar todas as decisões que nos correspondem ”.

Por sua vez, Gabriel Solano, do Partido Obrero, demonstrou seu apoio a todos os trabalhadores da Bridgestone, que enfrentam uma greve na fábrica e demissões que a patronal quer impor. Além disso, denunciou que a primeira medida de Alberto Fernández ao assumir o cargo foi eliminar a mobilidade quando “não havia pandemia na Argentina. Não havia Covid. Eles não tinham ideia de que isso iria acontecer. "

Celeste Fierro, do MST, denunciou a coincidência intencional com o tratamento do aborto legal: “O Governo quer esconder o ajuste sob essa luta tão justa, que cabe a nós decidir e claro que não vamos permitir, porque as mulheres que estamos nas ruas constantemente lutando por nossos direitos hoje também vamos denunciar que eles querem dar um golpe naqueles que viveram suas vidas inteiras trabalhando. De fato, foram vários os oradores do evento que anunciaram que a Frente de Esquerda Unidade estará nas ruas no dia 29, a lutar para que o aborto seja lei mas também para denunciar este novo saque.

Em nome da Esquerda Socialista (IS), Juan Caros Giordano subiu ao palco e denunciou o Governo peronista por dizer que representa os setores mais vulneráveis: “Como é que se fala dos mais vulneráveis ​​com mais de 4.100.000 aposentados e aposentados que ganham $19.000 ? Como falar em defesa dos mais vulneráveis ​​quando com a mobilidade da aposentadoria vão tirar das aposentadas e aposentados um ponto do PIB? 4,5 bilhões de dólares para dar ao FMI. Quem pensaria, mais do que este governo, em dizer que a mobilidade é justa, solidária e equitativa quando não está ligada à inflação e todos dizem que a inflação no próximo ano será de 50%?” .

Romina del Pla, dirigente do Partido Obrero, assumiu a responsabilidade pelo ato “porque demonstra a conseqüência da esquerda que hoje se mobiliza contra a reforma previdenciária do peronismo e da Frente de Todos”. Também denunciou a submissão das diferentes alas da burocracia sindical da CGT e da CTA ao Governo que hoje está de acordo com o FMI.

Claudio Dellecarbonara, legislador do PTS/FIT na Assembleia Legislativa da Província de Buenos Aires e membro do Movimento dos Agrupamentos Classistas, reivindicou os trabalhadores que começam a se organizar apesar da traição da burocracia sindical. “Temos que unir o melhor dessas lutas com a esquerda, que é a única força nacional que luta, se levanta e se propõe a enfrentar os ajustes dos diferentes governos”, disse.

Da Esquerda Socialista, Mónica Schlotthauer também fez falou.

Também participou Fernando Sacalero, da agrupação Ancla e do MST.

Também participou do ato Nora Biaggio, do Plenário de Aposentados e do Partido Obrero.

Desde a Esquerda Socialista e do Sindicato dos Trabalhadores Aposentados em Luta Ana Valverde se pronunciou.




Comentários

Comentar