Sociedade

CORONAVÍRUS

Após semana com recordes de mortes, Leite aumenta a flexibilização da economia no RS

Eduardo Leite afirmou em live, nessa segunda-feira (3), que é possível “continuar conciliando a saúde, a vida, [com] a preservação da atividade econômica”. E assim mantém apenas 6 regiões na bandeira vermelha, flexibilizando mais a economia sem testes massivos para salvar o lucro dos capitalistas. Isso ocorre após uma semana de recordes de mortes por COVID-19.

terça-feira 4 de agosto| Edição do dia

Os números são assustadores, já passam de 2 mil mortes notificadas com o novo coronavírus e 71500 casos confirmados. Duas mil pessoas equivalem a dez aviões A320 da Airbus com 200 passageiros a bordo, ou então a quatro teatros São Pedro lotados. Essa semana as mortes bateram recordes no Rio Grande do Sul chegando a 85 mortes em 24 horas. Prova de que Leite quer conciliar o inconciliável. Os lucros dos empresários gaúchos, que exigem a flexibilização do isolamento, está diretamente contraposto à preservação das vidas.

É um verdadeiro descaso e desrespeito com as famílias trabalhadoras que já perderam parentes e continuam a se expor em função de manter esse sistema macabro de lucro de uma classe dominante que se sente inatingível. A ampla maioria das mortes por COVID-19 tem classe social e cor como denunciam diversas pesquisas pelo país.

A mídia burguesa no RS dedica bastante tempo, em telejornais, para falar da possibilidade de lockdown, uma pauta levantada por alguns setores da esquerda como PSOL e PSTU, no entanto, não há solução alguma aí para quem já está sofrendo de fome e batalha diariamente para alimentar sua família. O lockdown é uma medida ainda mais repressiva às periferias e aos trabalhadores informais. A mídia faz isso para se mostrar preocupada com a situação e tentar se mostrar ao lado do povo que mais sofre com a pandemia porém, o trabalhador precário está em um terrível dilema entre a miséria, a fome e a exposição ao coronavírus.

Diante disso a saída possível está nas mãos dos próprios trabalhadores, que se organizados são os únicos que podem dar uma resposta pelas vidas fazendo com que sejam os ricos capitalistas que paguem pela crise, que se intensificou com a epidemia. Unidos é possível tomar o controle das fábricas para a produção de equipamentos de segurança e de saúde para todos como respiradores, alcool em gel e outros produtos contra a covid-19. É possível uma unidade e comunicação entre diferentes setores da classe trabalhadora para que, com um só punho, se possa derrubar esses governos perversos que mostram a cada dia que estão apenas do lado do empresariado e do mercado financeiro. Confiscar os bens dos grandes sonegadores de impostos, taxar grandes fortunas, acabar com mecanismos como a fraudulenta dívida pública e as bolsas empresários, como o FUNDOPEM por exemplo. Com esse dinheiro é possível combater de fato a pandemia, como investir em testes massivos, garantir auxilio de no mínimo de 2 mil reais para quem ficar sem renda.

Uma grande unidade desde as bases pode retomar os sindicatos das mãos das direções burocráticas, mover grandes centrais sindicais que hoje sob controle do PT e do PCdoB, como a CUT e a CTB por exemplo, não organizam uma resistência e um plano de lutas para resistir aos ataques de Bolsonaro, Mourão e Guedes tão pouco um plano de combate ao novo coronavírus. Nós do Esquerda Diário e do MRT (Movimento Revolucionário dos Trabalhadores) queremos construir um partido revolucionário no Brasil, que seja capaz de levar à frente os interesses da classe trabalhadora de forma independente dos partidos burgueses e conciliadores. Juntos podemos lutar pela queda de Bolsonaro, Mourão e os militares do poder, sem nenhuma confiança no STF, no Congresso Nacional ou nos governadores. Uma grande mobilização nacional com comitês de segurança e saúde em cada local de trabalho pode impor pela luta uma Constituinte Livre e Soberana para que seja o povo que decida os rumos do país, e não essa corja de políticos burgueses que, como Eduardo Leite, tratam nossas vidas como qualquer coisa colocando os lucros capitalistas à frente. Nossas vidas valem mais que os lucros deles! Entre em contato com o Comitê do Esquerda Diário e ajude a construir essa saída!

Leia também: Leite volta a retirar bandeiras vermelhas em regiões no RS para agradar os empresários




Tópicos relacionados

Sociedade   /    Economia   /    Política   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar