Política

Após recordes, governo Bolsonaro muda sistema e esconde artificialmente número de mortos por Covid

Com novos critérios para registro de óbitos SP teria tipo apenas 281 morte nas últimas 24 horas, mesmo tendo registrado 1.021 no dia anterior.

quarta-feira 24 de março| Edição do dia

Foto: Michael Dantas/AFP

Depois do Brasil ultrapassar mais de 3 mil mortes diárias por Covid-19, o Ministério da Saúde passou a exigir dados como CPF, cartão nacional do SUS e nacionalidade do paciente com Covid na ficha do Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe), que é o sistema oficial onde todas as novas hospitalizações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), o que impacta diretamente o registro de óbitos pela doença.

Em São Paulo, os novos critérios fizeram com que o números de óbitos despencassem de 1.021 na terça-feira para 281 nas últimas 24 horas, o número mais baixo entre as quartas-feiras desde 17 de fevereiro de acordo com a média móvel. Outros cidades do estado não conseguiram registrar todos os óbitos também pelo problema na própria plataforma do Sivep Gripe.

Essa é mais uma medida que o governo Bolsonaro, por meio do Ministério da Saúde tenta fazer para mascarar a realidade da qual ele mesmo é responsável. Assim como no seu pronunciamento de ontem, Bolsonaro tenta se esquivar das mais de 300 mil morte por Covid que são frutos da sua política, e das política dos governadores, que está levando o país a recordes diários.

Veja também: Bolsonaro mente, não há vacinas nem para seu negacionismo nem para cumplicidade do regime




Tópicos relacionados

Colapso da saúde   /    MORTES COVID-19   /    Crise na Saúde   /    COVID-19   /    Governo Bolsonaro   /    Ministério da Saúde   /    Política

Comentários

Comentar