×

REPRESSÃO POLICIAL | Após brutal repressão policial em Recife, duas pessoas sofrem inquérito policial

A repressão policial aos atos contra Bolsonaro em Recife foi enorme. Dois manifestantes receberam tiro de borracha no olho, uma vereadora foi violentamente agredida pela polícia e pelo menos 4 pessoas foram detidas pela polícia do governador Paulo Câmara (PSB). Ao menos 2 dessas pessoas vão sofrer inquérito civil por desacato e descumprimento de medidas sanitárias.

segunda-feira 31 de maio de 2021 | Edição do dia

Segundo a advogada popular Yelena Galindo ao portal Marco Zero, os dois manifestantes foram comprar cigarro quando “Os PMs começaram a puxá-los e eles tentaram se desvencilhar”. Agora terão que responder à inquérito civil.

Casos como esses mostram como “medidas sanitárias” só vêm sendo usadas para reprimir manifestações. Ônibus lotado, paradas lotadas, filas nos hospitais, nada disso configura “descumprimento de medidas sanitárias”, mas protestar contra o governo genocida sim.

- Leia mais: Afroito, artista de Recife, é preso em manifestação do 29M. Exigimos sua libertação imediata!

A repressão do governo do PSB e do PCdoB foi brutal nesse sábado. Um dos manifestantes que perdeu o olho, inclusive, sequer estava no ato. Um outro manifestante que foi preso, como mostra reportagem da Revista Fórum, também não estava no ato. Entregador de 23 anos, pai de duas crianças, foi buscar um videogame no centro da capital pernambucana e levou um tiro. O absurdo chega ao cúmulo de o delegado pedir uma fiança de R$ 5 mil.

- Leia mais: Trabalhador deve perder a visão após repressão da polícia de Paulo Câmara no ato em Recife

Apesar da demagogia do governo do PSB e do PCdoB, a repressão da polícia é de responsabilidade do governo estadual. Os governos e o governo Bolsonaro temem que as enormes manifestações desse sábado possam crescer e unir trabalhadores e estudantes contra todos os ataques. Ao mesmo tempo, os atos demonstraram enorme força da juventude para combater esse governo que já levou à morte mais de 460 mil pessoas.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias