Internacional

BOLÍVIA

Apoiando o golpe, Bolsonaro defende voto impresso na Bolívia. País não usa urna eletrônica

segunda-feira 11 de novembro de 2019| Edição do dia

Jair Bolsonaro foi longe na teoria das fraudes e ainda defendeu que, na Bolívia, deveria-se aplicar o voto impresso para prevenir supostas fraudes. Porém, na Bolívia não se usa urna eletrônica e o voto é impresso.

O golpe de Estado ocorrido na Bolívia conta com o apoio da Organização dos Estados Americanos, Trump e toda a direita regional. Neste marco, Bolsonaro afirmar que houve "fraude" serve a interesses imperialistas. As eleições brasileiras, no entanto, foram o melhor exemplo de fraude como continuação do golpe institucional.

Leia também: Bolsonaro e Globo deixam de lado as diferenças defendendo o golpe na Bolívia

Esta manipulação, que contou com milhões de fake news e, especialmente, o juiz Moro que condenou Lula em segunda instância e depois virou ministro de Bolsonaro, que não foi combatida por nenhum organismo internacional. Afinal de contas, os interesses por trás destes golpes são de explorar os trabalhadores, o povo pobre, as mulheres, aprofundar o racismo na América Latina e impor submissão aos governos locais.

Leia mais: Quem é "Macho" Camacho, empresário líder do golpe na Bolívia e aliado de Ernesto Araújo




Tópicos relacionados

Golpe de Estado Bolívia   /    golpe   /    Internacional

Comentários

Comentar