Internacional

América Latina: Segundo a CEPAL, a crise poderia deixar mais 22 milhões de pessoas em extrema pobreza

A agência sustentou que estamos no início de uma profunda recessão e seria a maior crise econômica da América Latina. A pobreza pode afetar 90 milhões de pessoas.

sábado 4 de abril| Edição do dia

Alicia Bárcena, secretária executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), afirmou que "estamos enfrentando o início de uma profunda recessão. Estamos enfrentando a queda no crescimento econômico mais forte que já houve região".

A agência estima que a América Latina sofrerá um golpe devido à menor atividade econômica de seus principais parceiros (Estados Unidos, Europa e China), preços mais baixos de matérias-primas, interrupção das cadeias globais de valor, queda na atividade turística, e remessas.

A CEPAL calcula que a projeção inicial de impacto, de 1,8% do PIB, estava desatualizada e acrescentou “se somarmos o impacto que está causando nos EUA e Europa, além da China, já estamos falando de 3% ou 4%”.

A agência alertou que haverá um aumento da extrema pobreza. Segundo estimativas da CEPAL, se o avanço da pandemia causasse uma queda de 5% na renda média da população ativa, o número de latino-americanos em extrema pobreza passaria dos atuais 67,5 milhões para 82 milhões. Se a queda na renda da população economicamente ativa fosse de 10%, esse número subiria rapidamente para 90 milhões de pessoas. Em outras palavras, 22 milhões de pessoas a mais podem cair em extrema pobreza.

No novo cenário, as projeções otimistas, que consideram uma redução da desigualdade de 1,5% e um aumento do PIB per capita de 5%, apontam para uma extrema pobreza de 2,9% em 2030; e na pobreza extrema mais pessimista chegaria a 9%.

Bárcena sustentou que desta vez "o salva-vidas não será a matéria-prima: o impulso virá dos pacotes fiscais" e acrescentou que a América Latina "carece de espaço suficiente" para responder como as economias centrais. A representante da CEPAL indicou que a comunidade internacional teria que apoiar os países por meio de um "corte ou re-criação de perfil" de sua dívida. Na realidade, os países atrasados ​​e dependentes devem rejeitar o pagamento da dívida e usar esses recursos para aumentar os orçamentos de saúde.

Por sua parte, o chefe do FMI para a América Latina, Alejandro Werner, em entrevista ao jornal El País, afirmou que "em termos de desempenho econômico, será o pior ano da região em mais de meio século: veremos profundas recessões em todos os países. Nunca vimos um momento tão preocupante... Todos serão afetados pela pandemia. ”

Werner explicou que o efeito do crise no exterior afetará simultaneamente a “recessão em todos os parceiros comerciais; queda nos termos de comércio; crise no mercado de petróleo, com queda no preço superior ao justificado por menor atividade; queda no turismo; queda nas remessas; maior fuga de capitais do que na crise financeira global”. "Será a recessão mais profunda em mais de meio século", acrescentou.

Diante da crise da pandemia, a região deve promover medidas como a centralização de todo o sistema de saúde, incluindo toda a saúde privada, sob gestão pública e controle de trabalhadores e especialistas, aumento emergencial nos orçamentos de saúde e assistência social, entre outros.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    América Latina   /    Internacional

Comentários

Comentar