Mundo Operário

TRABALHO ESCRAVO

Ambev e Heineken se beneficiaram de trabalho escravo de imigrantes terceirizados

As empresas de cervejaria Ambev e Heineken foram autuadas por impor condições de trabalho escravo a 22 venezuelanos e 1 haitiano, que trabalhavam para a terceirizada “Sider”.

segunda-feira 17 de maio| Edição do dia

Foto: Reprodução | Reuters

Segundo reportagem do periódico El País, auditores fiscais desmontaram, em uma operação que teve início em 3 de março, um esquema de trabalho em condições análogas à escravidão envolvendo duas das maiores cervejarias do mundo, a Ambev e o Grupo Heneiken, e mais uma transportadora terceirizada contratada por ambas, a Sider, que era a empregadora direta dos trabalhadores.

Os trabalhadores imigrantes moravam por meses nos próprios caminhões que dirigiam, estacionados na sede da empresa Sider, em Limeira e Jacareí, interior de São Paulo, sem direito mínimo a alojamento, folgas ou até mesmo água potável. A empresa ainda impunha cobranças extras e descontos aos trabalhadores e absurdamente cobravam desde a nacionalização da CNH até as botas de trabalho.

De acordo com relatório da ação, “o Grupo Heineken falhou ao escolher e contratar a Sider como sua prestadora de serviços de transporte, falhou ao não fiscalizar e exigir o cumprimento da legislação trabalhista pela contratada, e, por último, falhou ao não garantir diretamente as condições de higiene, saúde e segurança dos trabalhadores resgatados no curso do contrato de terceirização de serviços ora analisado (responsabilidade direta)”.

Lucro acima de tudo e de todos, esse é o lema dos empresários que tratam os trabalhadores como descartáveis e utilizam das condições da imigração para aprofundar a exploração.

Pode te interessar: Precarização do trabalho e escravidão: entrevista com João José Reis

Da mesma forma, Bolsonaro, Mourão e todos os golpistas reproduzem o mesmo lema, levando a cabo reformas e ataques que só aumentam a fome e o desemprego. São políticos que já mostraram a face racista, xenófoba e anti-trabalhadora.

Absurdos como esse, de herança escravocrata, acontecem aos montes Brasil e mundo afora, sem nenhum tipo de responsabilização, pois o racismo é a base sobre a qual os capitalistas exploram mais ainda os trabalhadores e somente com o fim desse sistema é que será destruído todo resquício escravocrata.




Tópicos relacionados

Bolsonaro   /    Empresariado   /    Ministério do Trabalho   /    Trabalho Escravo   /    Trabalho Precário   /    São Paulo   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar