Internacional

SINDICALIZAÇÃO NOS EUA

Amazon intimida trabalhadores e compra votos contra o sindicato nos EUA, mas essa luta ainda não acabou

Com quase metade dos votos apurados, os votos contra a sindicalização superaram os votos a favor do processo de sindicalização por 2 a 1. Esse é o resultado direto das medidas anti-sindicais ilegais empregadas pela Amazon e das leis anti-sindicais defendidas por democratas e republicanos.

terça-feira 13 de abril| Edição do dia

No final do primeiro dia de apuração, os votos contra a sindicalização na Amazon, em Bessemer, Alabama, lideraram “sim” por uma margem de quase 2 a 1. Com quase metade da eleição apurada, essa vantagem será quase impossível de ser revertida.

Desde o início da eleição, o cenário era como o da batalha de Davi e Golias - e o Golias Amazon no seu arsenal usou todos os mecanismos legais junto com muitos outros mecanismos ilegais, que o sindicato está contestando, para impedir os trabalhadores de votarem na sindicalização. Com 3.215 votos expressos, aproximadamente 55% dos trabalhadores da fábrica votaram.

A Amazon investiu em uma campanha anti-sindical épica, gastou mais de US$ 10.000 por dia para interromper o esforço dos que queriam a sindicalização. Os trabalhadores do depósito Bessemer foram submetidos a incontáveis reuniões anti-sindicais, centenas de mensagens de texto, ameaças e subornos. Enquanto havia cartazes anti-sindicais nos banheiros e reuniões anti-sindicais todos os dias, não havia mecanismos dos grupos pró sindicato que chegassem aos trabalhadores da mesma forma.

Essas são todas medidas repressivas ilegais. O Sindicato de Varejo, Atacado e a Lojas de Departamento ("Retail, Wholesale, and Department Store Union" (RWDSU) em inglês), que está liderando os esforços de organização sindical da Bessemer, estão absolutamente certos em contestar esses resultados. A Amazon trapaceou e intimidou seus funcionários para ganhar essa votação, e ela não deve se safar.

O bullying anti-sindical da Amazon foi possível em parte porque a legislação trabalhista dos EUA está do lado do empregador e oferece algumas pequenas proteções para os trabalhadores. Aproximadamente 3.000 trabalhadores da Amazon assinaram em favor da criação do sindicato. Mas ainda não foi criado um. Isso acontece porque democratas e republicanos defendem leis trabalhistas que tornam tudo mais complicado para a sindicalização, porque eles governam para os ricos e poderosos - para os Jeff Bezos do mundo que querem nada mais nada menos do que acabar com todos os esforços ao surgimento da sindicalização.

Sim, este é um resultado decepcionante. Todos esperávamos que, apesar da trapaça e da intimidação, um número esmagador de trabalhadores da Amazon votasse no sindicato. Isso simplesmente não aconteceu. Porém, a luta para a criação de um sindicato na Amazon continua.

As cartas estão viradas contra a sindicalização

A Amazon é o segundo maior empregador privado nos Estados Unidos, perdendo apenas para o Walmart. Ela lutou com unhas e dentes contra os esforços do processo de sindicalização, incluindo a contratação de analistas de inteligência para rastrear "ameaças de sindicalização" e espionando as interações dos funcionários em grupos fechados do Facebook. Eles demitiram funcionários “criadores de problemas” como Chris Smalls e inúmeras pessoas cujos nomes não conhecemos por falarem abertamente sobre as condições de trabalho nos depósitos da Amazon.

Em Bessemer, não apenas sobrecarregaram os trabalhadores com textos e reuniões anti-sindicais, como instalaram uma caixa de correio fora da Amazon, desafiando diretamente uma decisão do Conselho Nacional de Relações Trabalhistas (NLRB). Na verdade, eles intimidaram os correios com incontáveis e-mails para instalarem a caixa. Essa caixa de correio foi instalada na calada da noite e foi fundamental para a estratégia de combate a sindicalização dos trabalhadores da Amazon. A Amazon queria fazer com que os funcionários trouxessem cédulas para o trabalho para que pudessem pressionar e monitorar os funcionários a enviar votos “não”. A caixa de correio foi retirada logo após a eleição para a sindicalização dos trabalhadores.

Além disso, o Alabama está em um estado profundamente contra os direitos trabalhistas e a favor do “direito ao trabalho”, que prolifera regularmente propaganda anti-sindical. O Alabama foi um dos primeiros estados anti-sindicais, tornou-se um em 1953.

Este estado não era um lugar favorável para enfrentar com sucesso o Golias Amazon.

A lista de grandes derrotas para a sindicalização no Sul dos EUA é longa e notória: a votação do sindicato da Volkswagen em 2014 e em 2019 no Tennessee e a votação do sindicato da Nissan em 2017 no Mississippi são apenas dois exemplos. Nas últimas décadas, a manufatura dos EUA migrou gradualmente para o Sul porque era e continua a ser menos sindicalizada, e as grandes empresas lutarem com unhas e dentes para mantê-la assim.

Em Bessemer, um funcionário da fábrica disse aos repórteres do Left Voice que os trabalhadores mais jovens da Amazon eram os mais céticos em relação ao sindicato, porque eles são menos propensos a ver a Amazon como um trabalho de longo prazo e mais propensos a comparar o salário mínimo de US$ 15 da Amazon com o salário mínimo oficial de US$ 7,25. Eles são menos propensos a ter um emprego sindicalizado e são mais propensos a serem influenciados pelas reuniões anti-sindicais. Como um trabalhador explicou: “Muitos [os trabalhadores] ainda estão muito impressionados. Eles têm 18, 19 anos e assim por diante. Eles não sabem nada sobre um sindicato, então ela [Amazon] pode apenas alimentá-los com qualquer coisa e eles vão engolir.”

No entanto, as condições de trabalho nos centros de atendimento da Amazon são absolutamente abomináveis. Os funcionários recebem apenas uma quantidade mínima de “time off-task” (TOT) - um período no qual eles não examinam mecanicamente os pacotes. Cada movimento é monitorado e os trabalhadores que ficam abaixo de um “limite de produtividade” são disciplinados ou demitidos. Alguns trabalhadores até urinam em garrafas para evitar problemas. São inúmeras as razões para lutar por um sindicato.

Uma festa de carnaval feita a gosto dos patrões

As taxas de sindicalização entre os trabalhadores do setor privado caíram drasticamente após a ofensiva neoliberal que começou no final dos anos 70 e agora estão em um nível mais baixo de apenas 6%. Isso se deve em parte às técnicas de combate aos sindicatos, como as usadas pela Amazon em Bessemer. No entanto, as baixas taxas de sindicalização não correspondem ao índice de favorabilidade dos sindicatos entre os americanos. Mais de 60% da população dos EUA aprova os sindicatos, mas as taxas de sindicalização são muito baixas porque as leis são contra os trabalhadores.

É claro que a maioria dos trabalhadores dos EUA, quando dada uma chance honesta, prefere ter um sindicato. O problema é que a formação de sindicatos é tornada terrivelmente difícil tanto pelo estado quanto pelas corporações. Os trabalhadores precisam essencialmente ratificar um sindicato duas vezes - a primeira vez inscrevendo colegas de trabalho em uma petição sindical e, semanas depois, fazendo com que os trabalhadores certifiquem de fato o sindicato. O longo tempo entre a “abertura do processo” e a efetiva ratificação do sindicato dá aos patrões muito tempo para interferir no processo e contratar escritórios de advocacia especializados em repressão sindical. Retaliação, extorsão e intimidação são todas usadas nesse processo. É muito comum que os sindicatos tenham um apoio esmagador entre os trabalhadores de uma loja no início do processo, mas depois sejam derrotados na votação de certificação devido a essas técnicas de combate ao sindicato.

E essas leis não são apenas produto de administrações republicanas conservadoras - as leis anti-sindicais foram defendidas também por democratas. Barack Obama foi eleito com forte apoio sindical e com a promessa de que aprovaria o Employee Free Choice Act (EFCA). Isso teria tornado a sindicalização significativamente mais fácil - os trabalhadores só precisariam ratificar o sindicato uma vez, assinando um cartão. Mas Obama, o então vice-presidente Joe Biden e a maioria democrata no Congresso se recusaram a tocar nesse assunto depois de eleitos. As regras em torno da sindicalização são uma festa de carnaval feita a gosto dos patrões.

E agora, no cargo, Biden divulgou um vídeo miserável dizendo que os trabalhadores têm o direito de se sindicalizar. O PROAct abordaria algumas, embora não todas essas medidas anti-sindicais. Mas Biden não priorizou a aprovação do Act em seus primeiros 100 dias como presidente dos EUA.

Não há substitutos para os trabalhadores de base

A RWDSU fez com sucesso a campanha de sindicalização um fenômeno nacional - a votação sindical mais esperada nacionalmente nos últimos anos. Recebeu solidariedade nacional, internacional e muito apoio comunitário.

A campanha da RWDSU se concentrou fortemente em ganhar o apoio dos políticos do Partido Democrata - Bernie Sanders, Stacey Abrams, Nina Turner, entre outros. Tiveram eventos com essas importantes figuras nacionais, e foram feitas centenas de placas com Stacy Abrams como Rosie, a Rebitadeira. Mas as faixas sindicais exibindo o apoio de políticos não substituem uma forte campanha de base enraizada nos trabalhadores comuns.

Nesse sentido, a direção da RWDSU deveria ter feito uma melhor campanha de sindicalização.

Durante as décadas de neoliberalismo, a tradição do sindicalismo militante foi perdida e muitos burocratas sindicais fizeram com que os sindicatos se tornassem ferramentas dos patrões para manter seus trabalhadores sob controle. Construir um movimento operário mais combativo requer a organização das bases. Isso significa organizar fora da visão limitada da direção sindical burocrática. Significa construir poder a partir do chão de fábrica e ter reuniões sindicais em massa, assembleias e discussões nas quais os trabalhadores possam expressar suas preocupações e tomar decisões sobre como lutar contra o patrão. Significa organizar-se para que os trabalhadores conversem entre si. Significa dar a eles a chance de expressar suas preocupações e dúvidas uns com os outros e, fazendo isso, demonstrar um ao outro sua força e poder coletivos.

Infelizmente, na Amazon, não havia medidas concretas para organizar os trabalhadores em assembléias para traçar estratégias e decidir sobre a direção e o futuro da luta. O Left Voice (jornal irmão do Esquerda Diário nos EUA) conseguiu falar com alguns funcionários da Amazon por meio de conexões locais. Esses trabalhadores disseram ter pouco ou nenhum contato com o sindicato além de algumas mensagens de texto e telefonemas. Eles não puderam discutir ou decidir sobre os próximos passos para a sindicalização ou discutir o que um sindicato poderia fazer por eles. Esse tipo de organização teria sido a chave para resistir às mentiras dos patrões .

Este foi um erro fatal. Toda a grande cobertura, reunião com Biden e apoio dos democratas não construiu um poder real dos trabalhadores para superar os esquemas anti-sindicais da Amazon e o labirinto de leis anti-sindicais. Não há substituto para as bases. Em outras lutas sindicais, quando a base se envolveu e foi protagonista da luta, os trabalhadores se saíram muito melhor. Os professores de West Virginia em 2018, que se organizaram por meio de reuniões comunitárias e mídias sociais para liderar uma das greves mais importantes do século 21, fechando efetivamente todas as escolas no estado de West Virginia. Eles não apenas venceram muitas de suas demandas, mas inspiraram uma onda de greves de professores em todo o país nos dois anos seguintes.

Sindicatos hierárquicos liderados por burocratas afastam trabalhadores do grupo

Algumas pessoas são céticas em relação aos sindicatos não apenas por causa da propaganda anti-sindical da Amazon, mas também porque elas fazem parte de sindicatos burocráticos e ineficazes. O Left Voice conversou com um trabalhador que teve experiências ruins com o sindicato da UPS e teve dúvidas sobre votar sim na atual eleição da Amazon. Também falamos com um membro da comunidade que foi sindicalizado anteriormente que disse: “Sindicatos parecem bons, mas na realidade, eles realmente não fazem muito.”

A cautela dos trabalhadores sobre os sindicatos não é totalmente infundada, embora seja equivocada. Diante dos ataques dos patrões, os dirigentes sindicais capitularam e aceitaram a austeridade e não lutaram por melhores condições de trabalho em nome dos seus associados. Os ataques à classe trabalhadora passaram sem muita luta.

O fato de que os sindicatos podem ser hierárquicos e se recusarem a organizar os trabalhadores para lutar em seus próprios interesses não é um motivo para desistir deles - é um motivo para lutar para torná-los melhores. Para fazer isso, devemos trabalhar para construir sindicatos militantes dirigidos pelas bases, independentes dos partidos capitalistas, que lutam pelo interesse dos trabalhadores e de toda a comunidade. Mas alguns trabalhadores que tiveram experiências ruins com sindicatos simplesmente não veêm isso como uma possibilidade.

Próximos passos?

As contestações legais aos resultados provavelmente serão retidas no NLRB por semanas. Centenas de votos estão sendo contestados, principalmente pela Amazon.

Além disso, a RWDSU provavelmente contestará a eleição e eles estão certos em fazê-lo. Afinal, a Amazon usou medidas ilegais para impedir o esforço de sindicalização. Se a petição para contestar a eleição for apresentada pela RWDSU, o NLRB teria que agendar uma audiência para decidir se os resultados deveriam ser desconsiderados porque a empresa “criou um clima de confusão ou medo de represálias” para os trabalhadores. Se isso acontecer, o NLRB pode exigir que uma nova votação de reconhecimento do sindicato ocorra.

Se uma nova votação for realizada, a RWDSU não deve cometer mais uma vez o mesmo erro. Bem mais de 500 trabalhadores votaram a favor do sindicato. Todos os trabalhadores sabem o tipo de bullying e intimidação que experimentaram. Os trabalhadores da Amazon precisam de um movimento ativo para exigir que o NLRB convoque uma nova eleição - uma na qual a Amazon não tenha permissão de realizar todas as suas intimidações anti-sindicais. E com ou sem sindicato, os trabalhadores podem e devem começar a lutar por melhores condições em seu depósito de trabalho.

Isso pode ser o início de alguma coisa?

Há um movimento crescente entre sindicatos e grupos de esquerda em torno da aprovação do PROAct, que tornaria a sindicalização mais fácil para os trabalhadores. No entanto, a luta por isso não deve ser implorar aos políticos que votem nela, ou votando nas pessoas certas para os cargos. Não há substituto para as bases. Precisamos de um movimento de massa, liderado por trabalhadores comuns para aprovar o PROAct. Mas as leis anti-sindicais são tão extensas que mesmo a aprovação do ato não é suficiente. Precisamos de um movimento para derrubar todas as leis anti-sindicais atualmente em vigor e tornar a sindicalização tão simples quanto assinar um cartão.

Parece que mais depósitos da Amazon vão tentar se sindicalizar. Trabalhadores da Amazon em Baltimore, New Orleans, Portland, Denver e sul da Califórnia entraram em contato com o RWDSU sobre a possibilidade de sindicalização de seus próprios depósitos. O RWDSU diz ter ouvido falar de mais de 1.000 trabalhadores da Amazon em todo o país.

A Irmandade Internacional dos Caminhoneiros, "International Brotherhood of Teamsters" (IBT) tem pressionado para sindicalizar os trabalhadores nas localidades da Amazon em Grimes e Iowa City, no estado de lowa. Os organizadores conversaram com aproximadamente 400 trabalhadores da Amazon na área, que inclui a localização de uma nova instalação para 1.000 funcionários em Bondurant, Iowa, inaugurada em dezembro passado.

Talvez os trabalhadores da Bessemer já tenham feito uma pedra gigantesca começar a rolar - que forçará a sindicalização de alguns dos armazéns da Amazon.

Essa onda poderia começar com uma perda em Bessemer? A derrota na Bessemer será uma nota de rodapé em uma história maior de uma vitória da sindicalização da Amazon? Afinal, os trabalhadores em Chicago fizeram uma greve em um centro de distribuição da Amazon ontem.

Os trabalhadores da Amazon em todo o país devem ver isso como uma primeira tentativa. Para aprender lições e tentar novamente. Os sindicatos são armas valiosas para a classe trabalhadora, mas devem ser dirigidos e organizados para as bases e por elas.

Tradução: Luísa Costa




Tópicos relacionados

Sindicalização na Amazon   /    Perseguição Sindical   /    Sindicatos   /    Luta de Classes   /    Amazon   /    Internacional

Comentários

Comentar