Logo Ideias de Esquerda

Logo La Izquierda Diario

SEMANÁRIO

Alemanha: o fim da era Merkel

Oscar Fischer

Anja Bethaven

Alemanha: o fim da era Merkel

Oscar Fischer

Anja Bethaven

O artigo a seguir foi publicado originalmente em alemão no número 6 da revista mensal Klasse gegen Klasse, portal de notícias da rede internacional Esquerda Diário na Alemanha. No último domingo, 26 de setembro, ocorreram eleições parlamentares na Alemanha, que elegeram igualmente um novo governo. A novidade é que a chanceler Angela Merkel, da União Democrática Cristã (CDU), após 16 anos no cargo, decidiu não buscar renovar seu cargo e se aposentará. Com isso chega ao fim uma era inteira, não apenas na Alemanha, mas em toda a Europa.

Com as eleições para o Bundestag [Parlamento Federal] em 26 de setembro de 2021, a era Merkel inevitavelmente chega ao fim; após quatro mandatos, ela não se candidatará mais às eleições. Já existem inúmeras análises, rumores e previsões. Há uma pergunta que muitas vezes é omitida, mesmo na mídia próxima à esquerda: qual tem sido o papel da esquerda, e principalmente a institucional, nos 16 anos de crise que ficaram para trás?

Neste artigo, queremos mostrar como a repetida adaptação à política de crise do regime alemão enfraqueceu as forças de esquerda na Alemanha. Um balanço coerente da era Merkel nos parece necessário, o que implica também a construção de uma força revolucionária independente das instituições do Estado.

Merkelismo, um regime de crise

A própria Merkel fez um balanço de cinco momentos de crise durante sua gestão na última entrevista coletiva que ela deu como Chanceler: a crise financeira e econômica global com a falência do Lehman Brothers em setembro de 2008; a subsequente crise do euro desde 2010; a chamada crise dos refugiados desde 2015; a crise ecológica em curso; e a atual crise do coronavírus desde 2020.

A alegação de ter resistido a todas essas crises é característica do próprio relato de Merkel sobre seu mandato. Ela quer ser lembrada como uma capitã confiável que pilotou a Alemanha de forma calma e tranquila em meio a essas crises.

Merkel assumiu a herança que lhe foi deixada por Helmut Kohl e Gerhard Schröder, os dois chanceleres da Alemanha desde a reunificação até a posse de Merkel em 2005. Seu estilo racional, sensato e calmo tem sido elogiado com frequência. Mas, como marxistas, interessa ​​na forma do que no conteúdo de suas políticas. Porque, acima de tudo, Merkel defende a hegemonia alemã sobre a Europa como base para uma relativa paz interna na Alemanha. Tanto durante a crise financeira quanto na atual crise do coronavírus, as massas na Alemanha foram impedidas de serem afetadas em toda a sua magnitude graças aos excedentes de exportação e exportações de capital para o exterior.

Em seu discurso de despedida, Merkel disse exatamente isso: que a chave para seu governo era a paz interna. Stephan Hebel, o crítico social-democrata de Merkel, também destaca - além das questões do estilo de governança - que a chave para o merkelismo é o lema da competitividade interna e externa. Colocado de forma mais clara: precariedade por dentro e austeridade por fora. Hebel vai mais longe e critica como, graças às crises, Merkel foi aceita, e diz que no ambiente em que se move (a social-democracia), tendo em vista o que pode vir a seguir, houve “algo parecido com a devoção” para a chanceler.

Na conferência de imprensa, Merkel pintou um quadro dessas várias crises que a Alemanha não teria causado, mas que, sob sua liderança, puderam ser superadas. Mas muitas das crises que a própria Merkel menciona têm a ver direta ou indiretamente com o imperialismo alemão. Por exemplo, a política de superávit de exportação foi em grande parte responsável pela crise da dívida soberana europeia. As dívidas dos países do sul da Europa foram os superávits da Alemanha, assim como a insistência da Alemanha hoje em não liberar patentes de vacinas é parcialmente responsável pela devastação contínua da crise do coronavírus em todo o mundo. Ao listar suas "cinco crises", Merkel elegantemente ignorou uma: o "dieselgate", isto é, o escândalo das emissões poluentes causadas pelos veículos Volkswagen, quando em setembro de 2015 veio à tona que esta montadora havia instalado ilegalmente software para alterar os resultados dos controles técnicos de emissão de poluentes em 11 milhões de carros com motor diesel, comercializados entre 2009 e 2015. O dieselgate expressa, por sua vez, um problema estrutural central da indústria alemã, assim como o apoio do governo ao capital alemão e sua máquina de lucro destruidora do meio ambiente.

A imagem humanitária de Merkel também não resiste a um exame mais minucioso: a Alemanha interveio na guerra civil síria em 2014 - uma das principais causas da "crise de refugiados" de 2015 - com uma missão "humanitária" no Mediterrâneo. Naquela época, o partido Die Linke [literalmente "A Esquerda"] [1] também se tornou um partido belicista quando seus deputados no Bundestag votaram pela primeira vez a favor dessa intervenção. Por sua vez, a política de migração e refugiados da UE, liderada pela Alemanha, nada mais fez do que provocar a sombria situação humanitária de 2015. Os acordos com Erdoğan e outros regimes autoritários, a partir desse ano, pioraram a situação e agravaram as contradições. O famoso lema de "Nós podemos fazer isso!" [2] de Merkel não foi uma expressão de ajuda humanitária, mas serviu para mascarar sua política restritiva em relação aos refugiados e legitimar os acordos com Erdoğan. Ela fez isso tão bem que até mesmo uma grande parte da esquerda nos países de língua alemã comprou a história e começou a apoiar Merkel como o mal menor em face do crescente partido de extrema direita AfD (Alternativa para a Alemanha).

Um sintoma especialmente visível da desestabilização em todos os governos de Merkel é a fragmentação do sistema partidário. Os principais partidos perderam a confiança da população, e o Partido Social-democrata (SPD) em particular continuou a tendência de perda de confiança desde que Schröder entre 2003 e 2005 implementou seu programa de ajuste neoliberal e desmantelamento do Estado de bem-estar conhecido como “Agenda 2010 " O SPD não era mais visto como representante dos trabalhadores e das massas. É verdade que foi o governo de Schröder, antes de Merkel, que traiu as massas com cortes no seguro-desemprego (o infame plano conhecido como “Hartz IV”). Mas as coalizões de governo que foram formadas com Merkel como chanceler continuaram sistematicamente as políticas anti-sociais que Schröder havia levado ao extremo. Por último, mas não menos importante, a ascensão da Alternativa para a Alemanha (AfD) também faz parte dessa fase, intimamente ligada à crise da dívida soberana (crise do euro) de 2010, quando a AfD apareceu em um início na forma de setores rebeldes de extrema direita da democracia cristã
, que queriam que a Alemanha renunciasse à hegemonia sobre a UE e adotasse uma política monetária nacional. Essa evolução se aprofundou durante a chamada “crise dos refugiados”, a partir de 2015, com tons cada vez mais racistas, linguagem em que a própria democracia cristã se agravou por décadas.

No entanto, Merkel geralmente conseguiu ser vista como a chanceler da estabilidade e para manter uma paz capitalista interna, ou seja, uma paz dos capitalistas. Nesse sentido, beneficiou-se principalmente de ser vista internacionalmente como um contrapeso ao emergente trumpismo com suas políticas nacionalistas e protecionistas. A política da China sob Xi Jinping e seu curso mais agressivo da chamada "nova rota da seda" também podem ser vistas como uma expressão desse clima nacionalista. No entanto, à medida que o regime de Merkel se aproximava do fim, ele também adotou propostas para maior protecionismo, embora não tenham obtido aceitação; um sinal de que o merkelismo como forma pacífica de governo da Alemanha como potência econômica estava chegando ao fim.

A esquerda institucional como parte da "Pax Merkel"

Havia uma ampla percepção de que Merkel era algo como a contra-imagem das manifestações monstruosas do capitalismo, e muitos a viam como o "mal menor", especialmente em face da AfD e das alas mais direitistas da democracia cristã. Mas ela também cultivou essa imagem no cenário internacional como oponente de Salvini, Orbán, Kaczyński, Brexit ... e a lista poderia continuar. Em cada uma dessas ocasiões, no entanto, ela se opôs ao direito apenas no interesse do capital alemão: por exemplo, contra a AfD, de manter o euro e expandir um setor de trabalhadores migrantes de baixos salários; contra chefes de estado europeus de direita, para defender o domínio alemão da UE e sua ascendência frente às outras nações.

No entanto, internamente, a crise social desencadeada pela política neoliberal de Schröder já estava em pleno andamento quando Merkel chegou ao poder. A cifra de quase cinco milhões de desempregados em 2005 e a dívida pública eram controlados pelo governo Merkel. Implementou o programa de redução do seguro-desemprego Hartz IV e foi celebrado pelo capital por suas medidas "pró-mercado de trabalho", um eufemismo para se referir ao deslocamento de milhões de trabalhadores e desempregados para o setor de baixa remuneração. Um setor que, apesar de ter empregos pesados ​​e longas jornadas em condições precárias, não consegue garantir nem mesmo um nível de subsistência e que é um beco sem saída para o mercado de trabalho, especialmente para mulheres e imigrantes.

Esse ataque total às massas dividiu o SPD, entre a maioria do partido e um setor que se desintegrou e fundou a “Alternativa Eleitoral pelo Trabalho e Justiça Social” (WASG). A esquerda reformista ficou gravemente ferida com essa ruptura, mas esse setor, ao não fazer um balanço consistente com as traiçoeiras lideranças social-democratas e burocráticas, levou à tragédia para a classe trabalhadora que continua com um novo nome. O setor majoritário que permaneceu dentro do SPD governou com Merkel sempre que possível, enquanto o WASG, agora fundido com Die Linke, desempenhava o mesmo papel de oposição em nível nacional que a Social-Democracia uma vez desempenhou. Ambos permanecem como peças estabilizadoras do regime. O "novo" partido Die Linke, formado a partir das reformas iniciadas por Schröder, não era, então, uma expressão da luta de classes, mas sim sua canalização consciente para o regime pelas antigas direções.

Os cortes nas infraestruturas públicas, em escolas, hospitais e transportes, que se fizeram sentir de forma implacável durante a crise do COVID-19, são consequências deste rumo. O SPD, Die Linke e a burocracia sindical foram colaboradores de Merkel na manutenção da "paz social" e na sabotagem das lutas. Para a população da Alemanha, a política de "déficit zero" (Schwarze Null) [3] equivalia a políticas de austeridade e ajuste para os países do sul da Europa, combinada com precariedade e mudanças estruturais que significam cortes de negócios e fechamentos para a classe trabalhadora.

Apesar de sua liderança, a classe trabalhadora nem sempre aceitou "Pax Merkel", essa paz capitalista às suas custas. Assim, durante o tempo de Merkel, ocorreu uma série de lutas na Alemanha, que foram combatidas pelo regime com a participação das burocracias sindicais. Especialmente importantes foram as derrotas na greve contra o desmembramento do serviço de e-commerce DHL Delivery em 2015, as recorrentes greves no varejo, a movimentação de trabalhadores em hospitais ou ferrovias, greves em muitos setores precários no setor de serviços, mas também lutas defensivas em setores estratégicos, como a fábrica de peças automotivas Neue Halberg Guss, perto de Leipzig, em 2018, ou a fábrica de máquinas da Voith na Baviera, em 2020.

Portanto, a história da política pacífica e equilibrada de Merkel nem mesmo é verdadeira dentro da Alemanha. Embora Merkel tenha feito os trabalhadores do sul da Europa pagarem pela crise do euro, ela nunca foi capaz de encobrir as profundas contradições sociais da Alemanha. Somente por meio das traições recorrentes da socialdemocracia, do Die Linke e das burocracias sindicais foi possível acabar com as lutas que sempre estouraram por esse motivo. A falsa oposição aos fechamentos e à precariedade desses falsos amigos da classe trabalhadora foi tão inconsequente quanto às críticas que fizeram à política de Merkel em relação à Grécia, que se limitaram a meras palavras. Também nos movimentos sociais, especialmente no movimento contra as mudanças climáticas, as lideranças se dispuseram a se subordinar a Merkel.

A autocrítica que muitos social-democratas e membros do Die Linke fazem de terem acomodado Merkel demais não é suficiente . Stephan Hebel e outros críticos da esquerda ignoram sistematicamente o próprio papel do SPD e do Die Linke (junto com as burocracias sindicais) contra a classe trabalhadora. Para compensar, eles atribuem a Merkel uma habilidade quase mágica de pacificar as massas. Mas não foi Merkel quem desmobilizou as massas, mas as burocracias sindicais e o reformismo, tornando-se um pilar essencial do merkelismo.

Por uma ruptura com o regime

A era do merkelismo é também a do atual ciclo de crise, que começou em 2008 e não pôde terminar até hoje. Com suas contradições intensificadas, este período é também um ciclo de lutas de classes e levantes de massa em nível internacional. Alguns exemplos são as reações à crise do euro no sul da Europa, a Primavera Árabe e desde 2018 as revoltas em massa na América do Sul, Ásia e França. E também na Alemanha, um esforço teve que ser feito para conter os impulsos da luta de classes, assim como os dos movimentos sociais. O merkelismo também foi uma tentativa da burguesia de conter os processos de luta de classes em todo o mundo e na Alemanha.

Independentemente de quem suceda Merkel como chanceler "oficial", ninguém será capaz de herdar Merkel por completo. A era do merkelismo acabou, porque é cada vez menos possível, no estado atual do mundo, manter a estabilidade dessa forma, nem interna nem externamente. Portanto, a crise de sucessão de Merkel, que já dura anos, levanta questões em aberto para o capital, bem como para os trabalhadores e os oprimidos.

Para o capital, trata-se de manter e expandir os excedentes de exportação alemães. Historicamente e até hoje, o setor metalúrgico e, acima de tudo, o setor automobilístico são o coração da capital alemã. Acima de tudo, é fundamental para a política de superávit externo e para a posição da Alemanha no mercado mundial. Isso também ficou claro para Merkel, então ela sempre teve os ouvidos atentos a esse setor, defendeu os combustíveis fósseis e a eliminação tardia do carvão na Alemanha, apesar do “dieselgate” e do movimento contra as mudanças climáticas.

O problema para a classe trabalhadora é como se defender dos efeitos das crises, como fechamentos, demissões, cortes de salários, cortes sociais, pensões e muitos outros ataques, em um período cada vez mais problemático, e como se organizar para desenvolver a luta de classes e deixar as instituições capitalistas para trás.

A crise das organizações reformistas e sua adaptação aos governos enfraqueceu as forças de esquerda em todas as crises do merkelismo. Logo, um balanço patrimonial coerente implica não apenas avaliar as próprias políticas de Merkel, mas também o papel da esquerda reformista e, em última instância, romper com esse papel. Para fazer isso, devemos nos opor igualmente às direções reformistas - tanto os sindicatos, como o SPD e Die Linke - quanto às instituições capitalistas.

É preciso construir uma força de trabalhadores e jovens que não se deixe frustrar e desviar nessas direções. Estamos convencidos de que a construção de tal força só é possível ficando à esquerda do Die Linke . Somente quebrando as algemas da esquerda institucional podemos construir facções antiburocráticas e revolucionárias nos sindicatos e movimentos sociais que fazem política com e no interesse dos trabalhadores e oprimidos.

Um exemplo da viabilidade desse projeto encontra-se hoje na França, onde trabalhadores e jovens revolucionários, com Anasse Kazib à frente de uma nova organização revolucionária, apresentaram seu próprio candidato à presidência contra o regime corrupto que aderiu ao reformismo. Os atuais sucessos eleitorais da FIT-U na Argentina também demonstram claramente que um programa de independência da classe trabalhadora frente ao capital, ao Estado e às burocracias pode chegar a milhões.

No estado de ânimos das massas na Alemanha, a indústria automobilística e todo o setor metalúrgico desempenham um papel importante. Nos últimos anos, ocorreram cada vez mais cortes, fechamentos e dispensas nesses setores. Eles podem se multiplicar aos trancos e barrancos se, em uma situação mundial mais instável, o grande ciclo de crise que começou em 2008, no qual Merkel se moveu e dentro do qual terminou seu mandato, tem um impacto maior na Alemanha.

O merkelismo manteve a paz capitalista às custas de trabalhadores precários, o que levou a uma relativa calma em setores estratégicos. Com o fim do merkelismo, ataques mais generalizados também podem ser esperados nesses setores. Para contrariar isso e também os ataques que já estão em curso, é necessário vincular as lutas dos setores precários e estratégicos, uma das tarefas centrais de uma esquerda revolucionária na próxima etapa. A organização sindical e a tradição de lutas dos setores estratégicos, aliadas à radicalidade dos setores precários e seu caráter mais explosivo, podem, juntas, formar uma força material contra o regime, as burocracias e o reformismo.

A paz capitalista do merkelismo acabou. A esquerda institucional fazia parte dessa paz. A burguesia anuncia novas lutas. A burguesia está se reagrupando, a esquerda deve fazer o mesmo.

Artigo original: Vergiss mein nicht, du treues Herz! Klasse gegen Klasse Magazin # 6 - Was kommt nach Merkel?

Tradução: Pedro Pequini

veja todos os artigos desta edição
FOOTNOTES

[1Die Linke foi fundado como uma organização política em 2007 como resultado da fusão dos herdeiros do antigo Partido da Unidade Socialista Estalinista (SED), que governou a República Democrática Alemã por quatro décadas, e outra corrente, o WASG, surgiu de uma ruptura de 2004 da social-democracia.

[2Em 31 de agosto de 2015, Merkel deu uma entrevista coletiva após uma visita a um campo de refugiados perto de Dresden, na qual ela afirmou que a Alemanha poderia conseguir absorver um grande número de imigrantes, e usou a frase “Wir schaffen das!” (Podemos fazer isso!), que se tornou famoso.

[3A Alemanha chegou em 2014, pela primeira vez em 45 anos, a ter um “déficit zero”, ou seja, um nível de gastos do Estado que não ultrapassou o nível de receita. Essa política não pôde ser mantida após a crise da Covid-19.
CATEGORÍAS

[Partido Socialdemocrata Alemão (SPD)]   /   [Angela Merkel]   /   [Alemanha]   /   [Teoria]   /   [Internacional]

Oscar Fischer

Editor de Klasse Gegen Klasse (Rede Internacional Esquerda Diário), membro da RIO (Organização Revolucionária Internacionalista) da Alemanha.

Anja Bethaven

Comentários