×

Luta | Agentes escolares paralisam mais uma vez exigindo pagamento do abono e direitos de Doria

Os agentes escolares de São Paulo, que já haviam realizado uma paralisação no dia 18 de outubro, paralisaram novamente as escolas nesta quarta dia 03, a paralisação segue exigindo de Doria o pagamento do abono salarial a todos os agentes e melhorias de condições de trabalho e salário, já que o salário recebido pelos agentes é de cerca de $1.000,00, abaixo até mesmo do salário mínimo federal. 

quarta-feira 3 de novembro | Edição do dia

A paralisação ocorreu nesta quarta, dia 03, mesmo dia em que Doria e Rossieli, seguindo a normalidade negacionista de Bolsonaro, impuseram o retorno escolar obrigatório para 100% dos estudantes e sem distanciamento social. Os agentes paralisam mais uma vez exigindo a sua participação no abono salarial que o governo anunciou aos professores, e melhores condições de trabalho e salário, já que não chega nem ao mínimo federal o valor recebido pelos agentes, mostrando que é com a precarização do trabalho que o governo de São Paulo mantém as escolas públicas. Além disso, a mobilização se contrapõe a PLC 26, a reforma administrativa de Doria.

Veja declaração de uma das agentes escolares que estiveram presente no ato pela manhã na cidade de Campinas:

“Sou funcionária pública há 10 anos e o motivo da nossa paralisação no dia de hoje, e também como foi no dia 18 de outubro, é por conta do nosso salário que está muito abaixo do mínimo federal e também por todo descaso do governo do Estado e do secretário para nossa classe de servidor público e servidor da educação, está cada dia pior, nós não temos respaldo nenhum deles, simplesmente esqueceram que tem um quadro de funcionário que abre a escola, que cuida dos alunos, que derrepente você é pai, mãe, enfermeiro, psicólogo, você é tudo desses alunos e também atendemos pai, mãe, você acaba sendo psicólogo de mães que tem n problemas de família querendo desabafar. Por tudo isso, pelo que a gente representa para a comunidade escolar, onde a gente trabalha, só que o governador não está enxergando isso. Deixou a gente para trás no abono que teve, que sempre foi distribuído para classe geral e agora nesse momento crítico da economia, tudo subindo, ele deixou a gente de fora. É inaceitável! O PLC 26 infelizmente foi aprovado, tem deputados tentando reverter isso, a gente espera que seja revertido, mas infelizmente ele acabou com a classe de professor, servidor público e não só escolares, com todos, porque a questão de abonadas, falta, abono permanência, 5 anos de licença premium, que poderia pegar um mês de pecúnia, mas até isso ele fez questão de acabar. Eu espero que a Afuse dê a atenção que estamos precisando e que a classe corra atrás não deixe só por conta deles. Temos que ir lá, gritar, ir pra guerra, a hora é agora, embora eu acho que começou tarde demais, mas já que começou não podemos ter medo, não podemos ficar aterrorizados, porque dirigente falou aquilo, isso, porque eles não passam pelo que a gente passa, então que a gente tenha pé no chão e firmeza e continue de cabeça erguida lutando pelos nossos direitos.”

Uma declaração que mostra que motivos não faltam para a mobilização dos agentes, assim como também não faltam aos professores, já que estamos diante de um verdadeiro combo de ataques aos servidores e toda classe trabalhadora, com PLC 26, retorno obrigatório, implementação da reforma do ensino médio, PEI, avanço do EAD e fechamento de noturnos, além de Doria extinguir cargos nas escolas e precariza o serviço para favorecer a entrada das Organizações Sociais na gestão escolar e assim abrir mais espaço à privatização.

A paralisação desta quarta mostra que existe muita insatisfação na categoria, e poderia ser ainda maior de não fosse o assédio da SEDUC sobre as faltas de quem paralisasse hoje. Além disso, poderia ser maior se as direções sindicais, como a AFUSE, mobilizasse a categoria de fato, organizando espaços de base para que a paralisação seja mais ampla e efetiva. A Apeoesp, sindicato dos professores, que poderia junto com a Afuse e demais sindicatos da educação, chamar uma mobilização em comum, segue com seu rotineirismo e sem organizar nenhum plano sério de luta contra esses ataques e de Bolsonaro e Mourão. 

É preciso reunir forças para exigir das direções sindicais a organização pela base, onde tenha paralisações reais e que possam ser parte de um plano de luta, que unificado com os professores e demais categorias, possa exigir aumento real de salário, e não abono, para que o salário seja o mínimo do DIEESE e não um valor que mal dê para comer, como denunciam as agentes. 

Nós do Nossa Classe Educação prestamos total apoio aos agentes escolares, uma só classe, uma só luta!




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias