×

Inflação na Europa | Aeronautas alemães da Lufthansa entram em greve salarial

A luta pelo aumento dos salários diante da inflação e das atuais condições de trabalho continuam a “incendiar” as pistas dos aeroportos europeus. Trabalhadores da companhia aérea alemã Lufthansa entrarão em greve na quarta-feira. Na França, também foi anunciada uma mobilização no aeroporto de Lyon Saint-Exupery.

terça-feira 26 de julho | Edição do dia

Para esta quarta-feira, 27 de julho, o Ver.di, um dos sindicatos da companhia aérea alemã Lufthansa, convoca uma nova greve para exigir aumento salarial. Diante da inflação, o sindicato exige um aumento de 9,5% para os trabalhadores da empresa. Essa greve também afetará os trabalhadores alocados no solo, como manutenção ou reboque.

"A situação nos aeroportos está se deteriorando e os funcionários estão cada vez mais estressados ​​e sobrecarregados devido à grave escassez de pessoal, inflação alta e nenhum aumento por três anos", disse Christine Behle, chefe da Ver.di, segundo a AFP.

Há falta de 7.000 funcionários no setor aeronáutico alemão, precarizado e marcado por baixos salários e perdas significativas de empregos durante a pandemia.

Em um comunicado de imprensa dirigido aos passageiros, o sindicato explica: "Queremos que o transporte aéreo funcione sem estresse e restrições para nossos passageiros e para nós, funcionários. A Lufthansa demitiu muitos funcionários durante a pandemia. Estamos realizando negociações coletivas, mas até agora a Lufthansa se recusou a investir em pessoal suficiente e, portanto, em um tráfego aéreo mais fluido”.

Uma tempestade de raiva entre os trabalhadores das companhias aéreas na Alemanha e na França

A mobilização na Lufthansa é a continuação de um verão de revolta no setor aéreo, diante da inflação e da retomada do tráfego após a pandemia. Na França, o sindicato Unsa convocou os trabalhadores do aeroporto de Saint-Exupery, em Lyon, a entrarem em greve nesta terça-feira, 26 de julho, entre 12h e 14h.

Nas últimas semanas, mobilizaram-se trabalhadores da Ryanair, Easyjet, Brussels Airlines (subsidiária da Lufthansa), British Airlines, mas também dos aeroportos de Paris e Bruxelas, provocando o cancelamento de vários milhares de voos. Quanto à Lufthansa, a transportadora alemã viu 6.000 de seus voos cancelados nas últimas semanas e deve ver mais durante a greve anunciada pelo sindicato Ver.di.
Nos últimos anos, os empregadores deste setor vêm pressionando os trabalhadores das companhias aéreas. Congelamento de salários, demissões, contratação insuficiente e condições de trabalho difíceis, que levaram à morte de um funcionário do aeroporto de Roissy no início de julho. Um coquetel explosivo que está na origem da onda de greves que afeta os aeroportos europeus.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias