Mundo Operário

FECHAMENTO DA FORD

Acontece agora: trabalhadores se reúnem em assembleia contra demissões da Ford em Taubaté

Desde as 8 horas dessa quarta, 13, trabalhadores se reúnem na Câmara de Vereadores de Taubaté, SP, uma das três cidades onde haverá fechamento de fábricas da Ford no Brasil, causando milhares de demissões.

quarta-feira 13 de janeiro| Edição do dia

Com cerca de 400 trabalhadores, acontece agora em frente à Câmara de Taubaté, SP, uma assembleia contra as demissões da Ford na cidade e no Brasil.

Reunidos desde às 8 horas dessa quarta, 13, os trabalhadores carregam faixas e cartazes denunciando o enorme impacto das demissões, que afetará não só os contratados da montadora norte-americana, mas também os terceirizados de empresas prestadoras de serviços para a Ford.

Uma assembleia com cerca de 500 trabalhadores já tinha ocorrido no dia em que foi anunciado o fechamento das fábricas de Taubaté, Camaçari-BA e Horizonte-CE, as últimas do país após o fechamento da planta de São Bernardo do Campo-SP em 2019. Como decisão dessa assembleia, há desde então uma vigília em frente à fábrica por tempo indeterminado.

Veja também:

“Foi do nada”: veja relato de trabalhadora da Ford sobre as milhares de demissões

Relato de um trabalhador da Ford: “É todo um plano de vida que é interrompido”

Estão previstas uma reunião entre as centrais sindicais na tarde de hoje e uma audiência virtual na Assembleia Legislativa de São Paulo na próxima semana, com data a definir.

Segundo informações do sindicato, o impacto do encerramento das atividades em Taubaté resultará na demissão de cerca de 830 trabalhadores da Ford e 600 trabalhadores terceirizados.

Ao mesmo tempo que a Ford teve um aumento de seu lucro em seis vezes em plena pandemia, os trabalhadores estão sob iminente ameaça de perder sua única fonte de renda.

Recomendado: Pablito: "As reformas de Bolsonaro e dos golpistas abriram espaço para as demissões"




Tópicos relacionados

Ford   /    Demissões   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar