PANDEMIA FILAS CAIXA ECONÔMICA FEDERAL

A via sacra das filas quilométricas na caixa Econômica federal

O risco de se expor à pandemia nas filas quilométrcias da Caixa Econômica Federal .

Kleiton Nogueira

Doutorando em Ciências Sociais (PPGCS-UFCG)

sábado 26 de dezembro de 2020| Edição do dia

O dia estava nublado, eram quatro horas da manhã quando acordamos. Eu e minha mãe tínhamos planejado ir à Caixa Econômica Federal resolver pendências do aplicativo Caixa Tem, meio pelo qual ela recebe o salário, ou melhor, recebia, já que devido a problemas, há dois meses não conseguia ter o salário creditado pelo aplicativo. Apesar de ser bem cedo, chegamos às cinco da manhã na Agência, que fica no centro da cidade. De início, percebemos uma fila quilométrica, e embora isso tivesse nos assustado de início, fomos ao final da fila.

O grande problema dessa questão é que, do ponto de vista formal, o governo e as instituições públicas, em conjunto com a grande mídia nos pedem para ficar em casa ou mantermos distanciamento social. Contudo, é impossível manter essas precauções diante de milhares de pessoas que precisam sair de suas casas cedo, e até dormir no local para poderem resolver pendências burocráticas. Embora minha mãe não fosse receber o auxílio emergencial, observamos que as maiorias das pessoas nas filas estavam ali para sacar o auxílio emergencial. Havia crianças, idosos visivelmente enfermos e jovens, todos aglomerados. E ainda que chegássemos cedo, a Caixa só inicia o funcionamento às oito horas da manhã, e quando mais esperávamos, mais pessoas chegavam, formando assim um aglomerado de humanos.

Ao iniciar a distribuição das fichas (recordo que ficamos com a ficha número 246), pude observar o pouco número de funcionários para o atendimento. Num determinado momento, os seguranças da Agência estavam desempenhando funções que deveriam ser realizadas por funcionários da Caixa. Nesse sentido, a entrada na Agência da caixa implica apenas no primeiro estágio da via sacra, posteriormente, há vários estágios de filtragem e análise de documentos. E para a minha surpresa e de minha mãe, inicialmente eu não pude acompanhá-la, o que a deixou em estado de pânico. Sendo analfabeta, a necessidade de ter alguém por perto para explicar e fazer encaminhamentos se torna algo que apenas quem passa por esse tipo de situação pode compreender. Mesmo assim, com o impedimento da minha entrada na Agência, ela foi atendida inicialmente para o enfrentamento de outra fila gigantesca no interior do prédio.

Veja mais: Mais de 5 horas aglomerados para poder retirar o auxílio emergencial na Caixa

Contudo, finalmente consegui entrar na Agência, ao explicar bem a situação ao segurança, que apesar de reprovar, deixou que eu acompanhasse minha mãe nessa caminhada dantesca. O fato é que, nitidamente a Caixa Econômica Federal, com essas filas homéricas, acaba sendo um foco de proliferação de Covid-19. Mesmo tomando todos os cuidados, o nível de aglomeração é bastante alto, e não há um isolamento mínimo devido à quantidade de pessoas. O nível de disfunção burocrática é gigantesco, tem-se um aplicativo que na verdade não resolve muita coisa, e não há um canal de atendimento online que permite a resolução de problemas de forma objetiva e prática.

Mesmo após sete horas enfrentando filas e mais filas, não conseguimos resolver nosso problemas, necessitando retornar para mais uma via sacra e passar por todo o processo. Desse modo, ir numa fila, se aglomerar em um período de pandemia é de uma lógica que no final apenas reforça para o crescimento da infecção e possível saturação do sistema de saúde devido à necessidade de mais internações. Esse quadro aprofunda por si só o atendimento no Sistema Único de Saúde brasileiro, tendo em vista os ataques de mais de quarenta anos de neoliberalismo sobre as políticas públicas no Brasil.

Veja mais em:Financiamento da saúde pública brasileira: compreendendo o desmonte do SUS

Essa realidade me fez refletir o quanto à teoria marxista é atual, porque ela é prática e ativa. Não é um simples olhar estéreo ou um discurso sobre a realidade com a finalidade de uma escrita ou publicação. Pelo contrário, é pulsante porque advém da análise de elementos que enfrentamos no cotidiano, da exploração capitalista e da luta de classes. Pude observar essa realidade em cada trabalhador, trabalhadora e pessoa desempregada que estava naquela fila, numa mistura de raiva, revolta e leitura da realidade de modo genuíno, que consegue entender que o fato de estarem numa fila, sob condições precárias, possui culpa em alguma instância da realidade social. Muitos acusavam o governo, e com razão, os mais de 180.000 mortes pela Covid-19 no Brasil e o descaso do Governo Bolsonaro é nítido. Mas, além disso, cabe destacar que a Caixa Econômica Federal passa por um processo de sucateamento há tempos. Esse sucateamento implica de forma lógica, na qualidade de atendimento, que muitos procuram usar como argumento para privatização.

Veja mais: Entrega da Caixa avança sob intervenção de banco de investimento norte-americano

Embora a materialidade da vida seja mais forte do que qualquer discurso que venhamos a proferir, essa mesma materialidade nos evidencia como a classe trabalhadora é tratada pelas empresas privadas, um rápido exemplo dessa situação foi o descaso no Norte do país, com o apagão no Amapá, que coloca em contradição a própria lógica privatista.

Veja mais: O povo do Amapá não pode esperar, é necessário uma resposta imediata da esquerda

Tais fatores nos colocam a necessidade de pensarmos a superação do capitalismo no intuito de colocarmos em debate o controle operário sobre todos os bens e serviços produzidos na sociedade. Um Estado operário, orientado pela necessidade das pessoas e não pelo lucro só é possível com a plena independência de classe, para que seja possível, por exemplo, que enfrentemos os problemas de nosso tempo de modo mais racional e objetivo, processo que de forma alguma vem sendo realizado com a pandemia de Covid-19. O que temos observado é uma corrida por lucros perpetrada pela corrida por vacinas que nem todos terão acesso.

Veja mais: Coronavírus, vacinas, ciência e capitalismo

As filas dos bancos demonstram a debilidade do capitalismo em enfrentar os problemas e prover a humanidade dos elementos mais básicos como saúde, alimentação, educação e moradia, recursos hoje que são considerados de luxo para a maioria da população. No caso dos bancos, o pleno controle e gestão operária sem dúvida alguma resolveriam o problema das filas gigantescas, até porque a própria lógica de um Estado Operário conduziria a pandemia de modo superiormente eficiente, com a concentração de energias em atender as reais necessidades das pessoas. É nesse sentido que mais uma vez tenho a clareza de que o Brasil e o mundo necessitam de uma saída revolucionária, que não seja eleitoreira como muitos partidos da ordem o são, e que de fato coloque os interesses da classe trabalhadora à frente dos processos de luta de classes, com total autonomia de classe e prezando por táticas e uma estratégia revolucionária. Cair no engodo reformista e conciliatório como o que assistimos com o PT, pra mim, seria apenas endossar a degradação da vida como temos assistido nessa pandemia.




Tópicos relacionados

Conciliação de classes   /    COVID-19   /    pandemia   /    Luta de Classes   /    Classe Trabalhadora   /    CAIXA   /    Capitalismo

Comentários

Comentar