×

GREVE GERAL COLÔMBIA | A rebelião na Colômbia exige uma verdadeira greve geral para derrubar Duque

quarta-feira 5 de maio | Edição do dia

Na Colômbia, as mobilizações mais importantes do continente estão acontecendo, e uma vitória no país será uma vitória para todos os trabalhadores e para as massas populares da América Latina. Duque quer uma trégua, obrigando o Ministro da Fazenda Alberto Carrasquilla renunciar, enquanto ele se prepara para apresentar um novo projeto de lei. Ele pode ser derrotado. Que Duque deve cair é o clamor que já se faz sentir nas ruas das cidades do país.

Veja aqui: A explosão da luta de classes na Colômbia é um alerta a Bolsonaro e à direita regional

A situação está se tornando muito tensa nas principais cidades. Embora Duque tenha ordenado a militarização das cidades para enfrentar os protestos, neste 4 de maio, Uribismo, na voz de alguns congressistas do Centro Democrático (o partido com o qual o presidente chegou à Casa de Nariño), pediu-lhe que declarasse uma "situação de calamidade interna" a fim de "enfrentar a situação". Isto é o que é conhecido como estado de sítio, no qual Duque poderia assumir poderes que poderiam ir até a suspensão dos líderes regionais, restringindo manifestações e assumindo o controle do rádio e da televisão, bem como o poder de emitir decretos com força de lei.

Em 28 de abril, o primeiro dia da greve nacional e das marchas pelo país, cerca de 500.000 pessoas protestaram, 50.000 delas na capital do país e outras dezenas de milhares em Medellín e Cali, sem mencionar o resto das cidades e regiões rurais que, de norte a sul, de leste a oeste, se mobilizaram. Pelo menos naquele dia houve protestos em mais de 600 municípios, o mais populoso dos 1.100 municípios da Colômbia. Mas não há um dos 32 departamentos (províncias) onde as pessoas não saíram para expressar seu descontentamento e indignação. Em todos os lugares onde os protestos começaram, nenhum deles parou; pelo contrário, eles estão se espalhando. De acordo com uma pesquisa recente, 73% dos colombianos concordam com a greve.

Evidentemente Cali, um dos principais centros econômicos e industriais da Colômbia depois de Bogotá e Medellín, em Valle del Cauca, é a cidade que se tornou o coração do surto social. A situação ali é absolutamente dramática. O departamento de Valle del Cauca está entre os cinco departamentos com os mais altos níveis de pobreza extrema. Estas condições extremas, juntamente com o agravamento da pandemia do coronavírus, são o substrato que levou ao surto em Cali, a terceira maior cidade do país. Os protestos não pararam em mais de 19 pontos da cidade, e as mobilizações indígenas de Cauca convergiram para lá.

As múltiplas denúncias de infiltração das forças públicas para gerar violência não cessaram de justificar a intervenção das Forças Armadas, uma prática política muito comum na Colômbia, como também foi revelado nas mobilizações de 2019 em Bogotá. As forças de segurança "usaram munições reais, espancaram manifestantes e houve prisões, no contexto de uma situação tensa e volátil", conta um relatório da ONU sobre a própria cidade de Cali. Mas é uma questão generalizada em todo o país. O fato é que Iván Duque deu poder excepcional às Forças Armadas, que atuam como em zonas de guerra para "limpar" o terreno, e ali as mais altas autoridades são os militares. Ele o faz fazendo uso da declaração de "Assistência Militar", um recurso constitucional que só pode ser usado em caso de calamidade ou desastre. Equivale a impor o controle completo das Forças Armadas nas principais cidades, o que foi denunciado e rejeitado pelos próprios prefeitos de Bogotá, Cali e Medellín, que não foram sequer consultados e agora estão sob controle militar.

A situação em diferentes cidades colombianas seguem o mesmo cuurso. Os protestos e bloqueios rodoviários do sindicato dos caminhoneiros em algumas áreas do país continuaram pelo sétimo dia consecutivo e não parecem cessae, como relata Manuel Rosental. As organizações indígenas Minga estendem suas marchas por diferentes cidades e também garantem os bloqueios e demolem estátuas do antigo colonialismo, como a de Sebastián de Belalcázar. Todos eles anunciam dos próprios locais das manifestações que o protesto é por tempo indeterminado. É notável que os protestos acontecem em dois níveis, mas em total continuidade na Colômbia, os que acontecem durante o dia até o final da tarde e os que continuam à noite dos setores mais desesperados, chamados de marchas da fome, sofrendo a mais sangrenta repressão.

Há um sentimento geral de que isto não está mais acontecendo, e os setores mais avançados estão se concentrando no regime podre como um todo, e não apenas no governo Duque-Uribe.

O governo Duque, como toda a burguesia colombiana, tem apenas um plano: mais miséria para os trabalhadores e para o povo. Eles impõem aos trabalhadores o crescente desemprego e a miséria, arruínam cada vez mais a classe média, condenam os jovens ao mais sombrio dos futuros, continuam a espancar os trabalhadores do campo e os pequenos produtores camponeses, impõem a ruína e a miséria a todos os explorados. Tudo para garantir os grandes lucros dos capitalistas, tanto locais como estrangeiros. Eles não se importaram com o sofrimento durante toda a pandemia, que fez adoecer, empobreceu e matou as classes empobrecidas de forma desproporcional. Eles realizaram centenas de massacres e assassinaram mais de mil ativistas sociais sob o estado de sítio e o controle das Forças Armadas. Eles queriam mais, e o fizeram aumentando a miséria social, enquanto os ricos mantiveram seus negócios e aumentaram sua riqueza usando a pandemia.

As mulheres e os homens trabalhadores, juntamente com os pobres organizados, a classe média arruinada, os camponeses, os povos nativos e a juventude, devem lutar com todas as suas forças contra esses planos criminosos da burguesia colombiana. Não basta com a cabeça de Alberto Carrasquilla ou com a mera retirada da reforma. O ministro já foi substituído por José Manuel Restrepo, que até agora atuava como Ministro do Comércio, Indústria e Turismo, ou seja, da mesma equipe dos ajustadores. O próprio Duque disse o que está preparando: "chegar rapidamente a um consenso democrático sobre uma reforma do sistema tributário colombiano é um imperativo". Não é apenas o chefe de um ou vários ministros ou a retirada de alguma reforma, é todo um plano antioperário e antipopular da burguesia colombiana que deve ser derrotado.

Um descontentamento acumulado que está explodindo novamente

Nas mobilizações na Colômbia há exigências econômico-sociais muito profundas e é isso que tem sido posto em marcha. Toda esta situação prefigurava crises mais profundas em uma Colômbia cuja economia seria atingida pela pandemia e com as forças da repressão tentando conter o protesto com assassinatos. É o cansaço dos trabalhadores, dos camponeses, dos povos nativos, dos jovens e dos setores populares do país que mais uma vez foi sentido nesta greve nacional e nas manifestações maciças que varreram o país. A Colômbia está passando por uma profunda crise sanitária, econômica e social devido à pandemia, que mais uma vez explodiu o grande descontentamento que vem se acumulando.

O governo se endividou durante todo esse tempo, supostamente para enfrentar a crise econômica em meio à pandemia, mas de forma central foi para salvar os grandes lucros dos capitalistas. Com a Lei de Solidariedade Sustentável, que é o nome dado à reforma tributária, foi proposto levantar cerca de US$ 6,3 bilhões para "limpar" os cofres do Estado.

O ponto-chave é onde ele planejava conseguir esse dinheiro. O próprio Ministro da Fazenda, que acaba de renunciar, especificou que 73% virão de pessoas físicas e o restante supostamente de empresas. Em outras palavras, a maioria da população vai pagar por isso, uma maioria que é composta pelas massas trabalhadoras. Entre os pontos controversos estava um imposto de renda sobre pessoas que ganham um salário de pouco mais de 633 dólares, isto em um país onde o salário mínimo é de 234 dólares; também se propôs aumentar o IVA, que já é de 19% na Colômbia, para produtos básicos de consumo, que atinge a classe média, trabalhadores e os mais pobres, entre outras medidas.

Mas a demanda que se fez sentir na Colômbia não tem mais a ver apenas com a reforma tributária, como demonstra a continuação dos protestos apesar do fato de Duque tê-la retirado. Tem a ver com um descontentamento social acumulado que já havia sido sentido nos protestos maciços e históricos no final de 2019, onde prevaleceu uma juventude que havia perdido seu medo, o medo de todo um terrorismo de Estado. Com a pandemia e o aumento da crise social e econômica, esse descontentamento só cresceu. Os jovens trabalhadores e estudantes não foram detidos pela repressão sangrenta, pelos mais de 20 mortos ou pelas centenas de feridos ou presos. Eles mostram toda a disposição para continuar a luta.

O fato é que na Colômbia o pior neoliberalismo tem sido imposto há décadas, pouco comparável ao do Chile. Este neoliberalismo foi imposto no contexto da "guerra" contra o tráfico de drogas. A rançosa burguesia colombiana aproveitou a guerra sangrenta contra a insurgência, não apenas como uma questão de polarização interna, mas também para impor o terrorismo de estado tanto na cidade como no campo, onde qualquer combatente sindical, líderes de movimentos sociais, jovens por suas reivindicações, ou camponeses por terras, foram identificados como membros potenciais ou simpatizantes dos grupos insurgentes. De tal forma que sob esta prática eles avançaram em maiores ataques e sujeição da classe trabalhadora, dos camponeses, dos jovens e das grandes maiorias pobres das cidades.

Tudo isso foi realizado em colaboração direta com o imperialismo norte-americano, atuando como um verdadeiro procônsul em território colombiano, e que teve sua máxima expressão com o Plano Colômbia. Assim, um aspecto derivado desta nova situação de rebelião na Colômbia é o enfraquecimento de um dos principais e mais abjetos aliados do imperialismo norte-americano na região, não apenas agora com Duque, mas há décadas. Desde o número de bases militares norte-americanas e a subordinação prática das Forças Armadas colombianas às diretrizes do Comando Sul, até atuar como base de operações e ponta de lança dos movimentos intervencionistas de Trump durante 2019 em direção à Venezuela. Se a rebelião popular no Chile vier a ser um golpe para toda a direita aliada ao imperialismo na região, esta nova situação que começa a se abrir na Colômbia pode ser um problema maior para os planos do imperialismo norte-americano e, especialmente, para o novo inquilino da Casa Branca, Joe Biden.

A política do Pacto Histórico de Gustavo Petro e da Coligação da Esperança

O papel do centro-esquerdista Gustavo Petro e da Coalizão da Esperança é mais do que lamentável. Nas últimas horas, depois que vários setores falaram sobre o conteúdo de um novo projeto de reforma tributária, depois que Duque decidiu retirar a proposta inicialmente apresentada, a Coalizão da Esperança enviou uma carta com várias sugestões para um novo projeto. "Em meio à grave conjuntura atual, e com um espírito construtivo, os abaixo assinados, representando a Coalizão da Esperança, nos permitem fazer as considerações mais respeitosas", eles começam escrevendo em uma carta datada de 3 de maio, o sexto dia das mobilizações. Sem palavras.

Gustavo Petro, senador da Colômbia Humana e pré-candidato presidencial, representando o Bloco Histórico, embora tenha começado por propor a Iván Duque a revogação da reforma tributária aprovada em 2019, após retirar a proposta atual, disse que isso lhe permitiria gerar uma nova proposta. E diante dos protestos, embora ele tenha indicado simpatia e apoio, sua ausência nos protestos tem sido absoluta.

Petro é o melhor posicionado para as próximas eleições presidenciais a serem realizadas no final de maio de 2022, e de acordo com as pesquisas, se elas fossem realizadas hoje, ele ganharia. Para isso, Petro está promovendo o chamado "Pacto Histórico", que reúne o Polo Democrático, a Mais, a União Patriótica, entre outros movimentos, incluindo senadores como Roy Barreras e Armando Benedetti, que vêm dos mesmos partidos tradicionais (Partido de la U) que Petro criticou no passado. É por isso que Petro tem buscado a moderação, e às vezes até o silêncio em relação ao curso e intensidade dos protestos, quando não, declarando que "é hora de um abraço" em meio à brutal repressão, tudo para não "manchar" sua candidatura.

Em 3 de maio, em uma entrevista coletiva, ele se dirigiu a Duque com as seguintes palavras: "Eu digo a Duque que este é o momento mais crítico, que de seu governo ele pode sair com a cabeça erguida, olhando diretamente para a sociedade; não caia na armadilha que eles estão propondo". E acrescentou: "Não caia nessa armadilha histórica porque seu nome ficaria manchado por todos os séculos futuros, tenha prudência porque podemos salvar muitas vidas humanas e podemos construir muita tranqüilidade simplesmente fazendo as coisas direito, simplesmente dialogando, simplesmente não prestando atenção àquelas sirenes de violência, que são de fato vandalismo". Em outras palavras, a busca do diálogo quando as massas nas ruas não estão apenas pedindo a Duque para que saia, mas também toda a burguesia podre da Colômbia.

É possível vencer, as mobilizações defendem a queda de Duque e a necessidade da greve geral, basta de pactos e tréguas da burocracia sindical

Para este 5 de maio, uma nova greve nacional e mobilizações foram convocadas pelo Comitê Nacional de Greve (CNP). Isto foi declarado em uma conferência conjunta da CUT, CGT, CTC e Fecode, convocada esta segunda-feira para manter as ações e a nova grande mobilização nacional, pressionada pela persistência dos protestos em todo o país.

Em Cali, a cidade onde os protestos foram fortemente sentidos, eles já estão convocando uma greve por tempo indeterminado: "reconhecemos que ganhamos uma primeira batalha contra a decisão do governo de retirar a Reforma Tributária, mas NÃO ganhamos a luta, até que se revogue TODO o pacote de ajustes de Duque, que inclui a Reforma Trabalhista, Reforma da Saúde, Reforma da Previdência, até que seja feita justiça para as pessoas mortas, feridas e capturadas neste árduo trabalho de mobilização", diz uma declaração emitida pelos organizadores daquela cidade. Eles expressam a política de que não é hora de dar qualquer trégua.

Até agora, a política das burocracias sindicais tem sido, após intensas mobilizações, dar tréguas e fazer pactos, como vimos no longo processo de "diálogo" com o Governo após o 21N de 2019, que foi o que deu à Duque uma pausa e conseguiu desmobilizar. Eles são assim transformados em um dique de contenção.

A derrota do governo como resultado da ação combativa da classe trabalhadora e dos setores populares seria uma enorme vitória que modificaria substancialmente a correlação de forças para ir em busca de mais. Mas as lideranças sindicais que se arrogam a liderança dos protestos não estão nessa estrada, mas as massas nas ruas estão.

A burocracia não convoca claramente a paralisar efetivamente a produção, os lugares nevrálgicos, como aeroportos, transportes, etc. São apenas chamados para mobilização, sem outros níveis de organização além das convocatórias para um determinado dia. São as massas nas ruas, as pessoas indignadas que estão garantindo a paralisação das artérias centrais das cidades com bloqueios nas avenidas principais, assim como nas estradas em direção ao interior, no campo. Essa burocracia nefasta não tem uma política de organizar os trabalhadores nos locais de trabalho, em cada centro de produção.

A mobilização somente nas ruas e nas estradas principais não é suficiente. Os trabalhadores, os camponeses, os indígenas e os pobres são confrontados com a necessidade de mobilizar toda a força social necessária capaz de derrotar os planos do governo Duque e dos empresários, para que os trabalhadores e as grandes maiorias populares não sejam os únicos a pagar pela crise. Não podemos dar trégua ao governo e ao regime colombiano.

Para isso, a classe trabalhadora deve colocar-se no centro da luta. O caminho estratégico para a vitória é que a classe trabalhadora colombiana, juntamente com os camponeses e os pobres urbanos, intervenha com seus próprios métodos de luta, evitando qualquer desvio.

Às recentes mobilizações que não cessam, não resta outro caminho a não ser a convocação de uma greve geral, colocando toda a classe trabalhadora e explorada em movimento, paralisando toda a produção e serviços essenciais, para derrotar os planos do governo e dos grupos econômicos dominantes.

Os capitalistas devem ser atingidos onde dói, paralisando toda a economia. Esta necessidade está sendo imposta pela realidade. Por exemplo, uma greve dos caminhoneiros foi imposta em todo o país em quase todo o território nacional. Uma verdadeira greve nacional precisa ser garantida nas fábricas, nas empresas, em todos os locais de trabalho, assim como nas ruas e rodovias.

É por isso que é necessário ter comitês de greve eleitos pelos trabalhadores para cada local de trabalho e por região, centralizando os comitês e avançando em um verdadeiro comitê nacional de greve. Tantos anos de luta, tantos dias de enfrentamentos não podem continuar nas mãos de uma burocracia que não busca uma derrota definitiva do governo, como tem mostrado durante todo este tempo. É necessário levantar instituições reais da classe, desenvolvendo os comitês de greve e concentrando-os departamental e regionalmente.

Em várias cidades a organização está avançando, assembléias populares estão sendo desenvolvidas, comitês departamentais para garantir as mobilizações, como vemos em várias cidades. A aliança operário-popular se impôs nas ruas, é necessário dar-lhe a forma de organização e isto só será conseguido se a classe trabalhadora mostrar sua força. A articulação com estas formas de organização territorial para garantir a greve geral é fundamental para a classe trabalhadora. Coordenar e centralizar as forças em escala nacional que foram postas em marcha com todas as representações operárias e populares eleitas pela base, onde o conjunto de reivindicações e um plano operário de emergência são discutidos e votados, torna-se mais do que urgente, para assestar uma derrota decisiva a Duque.

A repressão que está se desenvolvendo é brutal, com dezenas de assassinatos e centenas de feridos, além dos desaparecimentos e milhares de pessoas presas. Diante desta situação, os trabalhadores, camponeses, estudantes, indígenas e setores populares têm todo o direito de se defender: é fundamental criar comitês de autodefesa sob o controle das organizações operárias, camponesas, indígenas e populares, tudo isto como parte da luta pelo desenvolvimento de organizações para a autodeterminação dos setores em luta. Trata-se de defender o direito de manifestação, que a repressão quer evitar, e a proteção de todos os manifestantes.

Nós revolucionários somos a favor da derrubada deste estado capitalista, que é apenas uma máquina em benefício dos grandes exploradores, expropriando os expropriadores e impondo um governo dos trabalhadores e dos explorados. Entretanto, há setores que consideram que este regime antidemocrático e oligárquico existente há décadas na Colômbia pode ser mudado através do voto popular. Nesse sentido, estamos prontos a acompanhá-los nessa experiência, mas lhes dizemos que, se quiserem fazer essa experiência, devem fazê-lo lutando para impor uma Assembléia Constituinte Livre e Soberana, onde todos os poderes de fato se dissolvam, a começar pela dissolução do poder presidencial e outros poderes do Estado: Abaixo a presidência da República, que serve de ponto de concentração oculto para as forças do militarismo, da reação e de todo o odiado regime colombiano! Abaixo o Senado e todo aquele Congresso podre onde as leis mais miseráveis contra o povo são votadas! Dissolução da Suprema Corte de Justiça, que nada mais é do que uma estrutura a serviço dos grupos de poder! Em suma, tudo o que cheira a este regime antidemocrático apodrecido. Que seja nessa Assembléia que se discutam os grandes problemas fundamentais e estruturais do país que hoje oneram o povo, assim como a ruptura com todos os pactos que nos ligam ao imperialismo. É claro que uma Assembléia Constituinte com estas características só pode ser imposta com a mobilização operária e popular combativa.

Mas nesse caminho e na luta para levantar organizações de autodeterminação, as massas podem ser convencidas de que é necessário avançar para um governo operário e do povo pobre, pois somente um desenvolvimento revolucionário da luta de classes, com o movimento operário liderando a aliança com o conjunto dos explorados, pode garantir uma solução progressiva para a crise geral na Colômbia.

No decorrer desta luta, pela greve geral e para estabelecer formas de organização da classe trabalhadora, num caminho completo de independência de classe, está posto o desafio para que os trabalhadores e a juventude se dotem de uma poderosa organização própria, um partido revolucionário dos trabalhadores e dos explorados, que lute com unhas e dentes para dar uma solução definitiva aos problemas mais prementes aos quais o capitalismo os condena.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias