Política

A crise do MAS e a cadeirada em Evo Morales

Nesta segunda-feira, Evo Morales recebeu uma cadeirada durante reunião para definição de candidatos para 2021. Já foram várias reuniões em que camponeses e representantes de setores sociais rejeitaram os candidatos que Evo pretende impor de um jeito ou de outro.

quarta-feira 16 de dezembro de 2020| Edição do dia

(Foto: Reprodução)

Evo Morales, como gestor de campanha e presidente do partido, iniciou há algumas semanas um giro pelo país para organizar e coordenar com organizações sociais e lideranças regionais de cada setor as candidaturas de quem participará das eleições para prefeitos e governadores de Março de 2021.

No início desta turnê, Evo Morales havia afirmado que seu objetivo era conquistar pelo menos 7 dos 9 cargos de governador e cerca de 300 dos 339 municípios do país. Nesse cálculo, ele descartou os governadores e alguns municípios onde o MAS não tem maioria e foi derrotado nas últimas eleições presidenciais. Como exemplo temos Santa Cruz, onde venceu o conservador e clerical Luis Fernando Camacho, e o departamento de Beni, onde grandes empresas pecuárias foram muito beneficiadas pelo gabinete do ex-governo de Áñez.

Essa "grande aposta" e a jornada de Evo Morales tiveram vários incidentes. O que teve maior repercussão foi o município de Lauca Ñ localizado nos trópicos de Cochabamba, bastião do MAS e onde Evo fez sua carreira política e sindical. Lá Morales apresentou seus candidatos na última segunda-feira. A situação começou a ficar tensa quando se pronunciou o ex-ministro do governo de Morales, Carlos Romero, que esteve em asilo político na embaixada do México e pretende ser candidato a governador em Santa Cruz.

Enquanto Romero falava, as pessoas começaram a o vaiar e as tentativas de Evo para acalmar as coisas não funcionaram até que os camponeses e líderes começaram a jogar cadeiras e uma delas chegou a atingir Evo. As reações foram rápidas e o momento viralizou nas redes.

(Fonte: El Potosi)

Evo Morales descreveu este evento como uma manobra de oposição que tenta destruir a unidade do MAS.

Porém, o que se acentua a cada dia são as múltiplas tensões internas no MAS e é algo que não é possível esconder ou disfarçar. Há poucos dias, na cidade de Betanzos, em Potosí, Evo teve que se esconder por mais de 3 horas em uma das salas do prefeito antes do protesto de centenas de camponeses que rejeitaram a indicação de Jhonny Mamani como candidato a governador, que foi golpeado e forçado a renunciar à candidatura. Assim, os mobilizados acabaram impondo Edilberto Chambi como seu candidato, deixando em dúvida quem realmente seria registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Na mesma linha, os Ponchos Vermelhos da província de Omasuyos do Departamento de La Paz rejeitaram o “dedo” de Evo. Toribio Huanca Mamani, executivo do Red Ponchos disse “ele (Evo Morales) está forçando alguns candidatos e isso não é aceito pelas organizações sociais, a gente se administra organicamente para que o candidato saia das bases e isso deve ser apoiado com o voto popular ”. E prosseguiu destacando, de acordo com uma reportagem da Agência Fides, que “Evo não deve se envolver nas eleições, que ele deixe trabalharem outras pessoas que têm princípios ideológicos sãos”.

Nesta terça-feira, na cidade de El Alto, houve um protesto de integrantes do MAS contra a imposição de candidatos e exigindo uma "renovação". Mas também entre os manifestantes foram ouvidos avisos de que se a imposição continuar, ocorrerá um "voto de punição".

Agora, é preciso dizer que as "cadeiradas" não são novas no MAS. Porém, o que essa situação mostra é que a direção não está conseguindo, como antes, controlar o descontentamento da base e dos membros de seu partido. A perda de controle de Evo Morales e os limites da liderança do partido foram colocadas em evidência.

Tudo isso é agravado pelas fissuras entre Evo Morales e o ex-chanceler e atual vice-presidente David Choquehuanca, que fez declarações extremamente duras nos últimos dias, distanciando-se dos métodos e políticas de Morales. A imprensa destacou algumas dessas declarações nas quais indicava que querer perpetuar-se no poder era corrupção, o que foi interpretado como se referindo a Evo Morales. Finalizou dizendo que o melhor presidente que teve a Bolívia foi o marechal Andrés de Santa Cruz (1829-1839). Nesse discurso, Choquehuanca destacou que "o poder deve circular como o sangue".

O Movimento pelo Socialismo se debate em busca de uma “renovação” de que ninguém conhece o conteúdo, seja à esquerda ou à direita. A única coisa clara é a recusa no retorno de Evo.

Vemos isso expresso, por exemplo, nas figuras que contestam essa renovação. Uma é Eva Copa, ex-presidente do Senado e que deu legalidade ao golpe - até nos últimos dias negou que tivesse existido. Representa uma virada acelerada para satisfazer as expectativas das classes médias que a interpretam como sendo respeitosa à legalidade burguesa e contra os métodos autoritários que Morales implantou em seus anos de governo. Da mesma forma, o discurso da "renovação" se sustenta a serviço de ocultar as aspirações e interesses pessoais das camarilhas do MAS que veem a possibilidade de ascensão social facilitada pelo enfraquecimento de Evo e seus aliados, que tem dificuldade em ocupar cargos no novo governo de Arce e Choquehuanca.

Outro componente das múltiplas disputas dentro do MAS se deve à reivindicação de amplos setores que questionam os aliados de Evo e García Linera por terem se escondido e fugido durante o golpe de estado enquanto vários setores populares tentavam resistir ao golpe e ao Governo de Áñez. Estas disputas e rachas entre os que ficaram e os que escaparam, também tem diferentes fontes, pois, por um lado, os auto-convocados de Senkata, e K’ara K’ara juntamente com os sindicatos camponeses e setores populares, fazem críticas a partir da perspectiva da esquerda, enquanto os aliados de Eva Copa e vários líderes masistas, que também ficaram, mas para negociar com o golpe, formulam esta crítica da direita.

Como se pode ver, o MAS se tornou um saco de grilos, e hoje é muito cedo para saber para onde esses atritos irão evoluir. Muito dependerá da luta de classes e das medidas econômicas e sociais adotadas pelo Governo de Arce.

A verdade é que o surgimento de formas de auto-organização durante o ano de resistência ao golpe e a experiência com Evo Morales e seus aliados durante o golpe está permitindo que setores populares deste partido, mais ligados às organizações sociais e sindicais, se recuperem um pouco do controle das decisões dentro do que consideram seu instrumento político.

Enquanto as cadeiradas aumentam, o que está claro é que o MAS 2.0 de que falaram Arce e Choquehuanca está cheio de divisões internas. Os acertos de contas e as disputas de interesses e "projetos" dificultam a sustentação de um discurso de unidade.

Tudo isso ocorre em um contexto onde a oposição de direita também está fragmentada e em crise.

Traduzido de:http://www.laizquierdadiario.com/La-crisis-del-MAS-y-los-sillazos-a-Evo-Morales




Tópicos relacionados

Luis Arce Catacora   /    Movimento Ao Socialismo (MAS)   /    Evo Morales   /    Política   /    Internacional

Comentários

Comentar