×

Debate | A LIT e a perda da bússola estratégica. Para que intervir nas eleições e no parlamento?

Neste artigo debatemos com um texto polêmico da LIT (Liga Internacional de Trabalhadores) intitulado "Como enfrentar o FMI na Argentina?" (1) em que, questionando a intervenção do PTS e da Frente de Esquerda (FIT-U) na Argentina antes da votação do acordo com o FMI, a opõe à intervenção de María Rivera, deputada na Convenção Constituinte eleita no Chile e que faz parte de sua corrente internacional, como um suposto exemplo do "papel que nós revolucionários devemos ter no parlamento burguês". Por sorte não têm parlamentares na Argentina, pois assim veriam o tamanho do enorme oportunismo da LIT no Chile.

sábado 23 de abril | Edição do dia

(1) Leia aqui o texto da LIT: “¿Cómo habría que enfrentar el FMI en la Argentina?"
—-----------------------------------------------------------------------------------------------

Sobre a “Lista do Povo”, independência de classe ou conciliação de classe?

A Liga Internacional dos Trabalhadores tem uma pequena organização de algumas dezenas de membros no Chile, chamada Movimento Internacional dos Trabalhadores (MIT). Na Convenção Constitucional eleita em 21 de maio de 2020, o MIT obteve com sua única candidata, a advogada María Rivera, um cargo “convencional” dos 155 eleitos. A Lista do Povo ganhou 27 deputados com cerca de 1 milhão de votos na Convenção e, nesse marco, o MIT conquistou sua deputada, de forma oportunista.

Por que eles tendem a esconder como conseguiram essa tribuna? Será porque não foi por meio de uma intervenção política independente, mas por sua participação na “Lista do Povo”, uma lista reformista-populista?

Vejamos o que dizia o MIT (LIT) sobre essa Lista: "A Lista do Povo é uma das melhores expressões da organização dos lutadores para intervir neste Processo Constituinte, os integrantes da lista continuam nos protestos, os pré-candidatos são obrigados a ter comprovação de lisura que garanta que não tenham casos de corrupção ou ligações com os partidos dos 30 anos, etc. Nesse sentido, a lista popular é um importante esforço de unidade para se contrapor às restrições dos poderosos contra os independentes. É por isso que, como Movimento Internacional dos Trabalhadores, participamos da Lista do Povo.”

Isto é falso. Não foi uma das "melhores expressões da organização dos lutadores" como querem que acreditemos para justificar sua orientação oportunista. Não foi um reagrupamento de ativistas com uma política independente dos 30 anos do antigo regime de transição, muito menos algum fenômeno de vanguarda operária. Era um bloco populista-reformista com um programa que visava alcançar um "Estado de direitos sociais" (o mesmo que o programa da Frente Ampla (FA) e do Partido Comunista, do governo Bóric) e um novo "modelo de desenvolvimento” (o mesmo) em convivência com as multinacionais, e que baseou sua campanha na agitação dos “independentes contra todos os partidos” (independentemente de serem operários ou de esquerda, perfil que o MIT-LIT tomou com tudo para esconder suas subordinação a essa política “gremialista”) e que “os cidadãos sejam chamados a redigir a nova Constituição”. O MIT criticou seu programa por ser "ambíguo" ou "perigoso", mas não era nada disso, mas sim um programa antineoliberal moderado e social-democrata, muito semelhante ao da Apruebo Dignidad do PC e da FA.

Além disso, um dos requisitos para ingressar na Lista do Povo, além de "não ser partido" e entrar "de forma independente" era uma "declaração juramentada" que compartilhava o programa e não podia ser questionada na agitação da campanha. Para o MIT, não se tratava de abrir um debate real ou uma luta política aberta dentro dela, aos milhares que confiavam na Lista do Povo (LdP), mas de conseguir uma cota eleitoral a todo custo em um espaço reformista para entrar na Convenção. E por isso foram militantes entusiastas desta Lista, sem críticas ou verdadeiras lutas políticas na campanha, contribuindo para gerar expectativas neste setor, que, como veremos, produziu em poucos meses uma total desmoralização em seus eleitores e em setores da esquerda.

Vejamos outro argumento. O LdP não era um movimento militante, mas uma ferramenta eleitoral, que, buscando contornar os entraves antidemocráticos do regime, era totalmente controlado por suas "lideranças", sem instâncias reais participativas e abertas para promover qualquer projeto das bases. Para o MIT tratava-se de "combatentes" e "ativistas", não exatamente o que era: aparatos formados a partir de anos em campanhas eleitorais que até recentemente alguns estavam ligados ao Apruebo Dignidad, ao PC, ao chavismo ou mesmo ao progressista neoliberal Marco Enríquez Ominami da ex Concertación, especialistas em marketing eleitoral e audiovisual, com recursos significativos. Não foi "espontaneamente" armado com combatentes, mas sim de cima.

O que aconteceu com a Lista do Povo? O que fizeram assim que foram eleitos?

Depois veio uma série de escândalos de verba eleitoral: “boletas de serviço” milionárias com as quais os antigos partidos se financiam ilegalmente (uma das causas de corrupção mais repudiadas pela população). A “liderança” do LdP veio à tona, e foi dividida em duas facções, ambas envolvidas no uso de “boletas”. E então tudo piorou: os convencionalistas eleitos declararam sua saída da LdP dizendo que para eles sempre se tratou de um projeto "pessoal" e não compactuavam com a Lista (ou seja, usaram a plataforma eleitoral para obter cargos, nada mais); decepção de ativistas que deixaram seus grupos porque não foram ouvidos e só os usaram para fazer campanha; e depois duas enormes fraudes nacionais que fizeram a Lista implodir aos olhos de toda a população, resultando em uma enorme desmoralização das franjas de massa que votaram confiando nesses supostos "ativistas". Primeiro, um de seus ícones na rebelião que protestou fingindo estar doente terminal com câncer e fez campanha com isso, acabou sendo uma grande mentira. E então, a cereja do bolo: o candidato presidencial que oficializou a Lista do Povo, um ex-concertacionista que não tinha nada a invejar a Boric, tinha 65% das assinaturas de cidadãos necessárias para ser candidato à presidência, eram falsificadas e concedidas por um morto notório. Era o fim do LdP.

Enquanto falavam pela esquerda, rapidamente começaram a ser cooptados pelo regime. Depois veio a fraude, o fim do LdP e a enorme desmoralização da classe trabalhadora e dos setores populares. Tudo isso em 3 meses após o "triunfo" na Convenção.

Sua primeira ação foi um acordo com a FA e o PC em torno de declarar verbalmente a "liberdade dos presos da revolta" de forma simbólica ao prometer não interferir em nenhum poder do Estado respeitando as regras do "Acordo pela Paz" de Piñera e Boric; e deixando a liberdade dos presos e a luta de suas famílias à própria sorte – até hoje. E eles escandalosamente disseram que não entrariam na lista se os prisioneiros não fossem libertados!

Então, quando supostamente já deixaram de participar da Lista do Povo devido a supostas diferenças. Desculpas puras, não eram os mais genuínos lutadores? Nada disso. Em apenas três meses esta falsificação foi desmantelada. O MIT não só procurou mostrar que não era para esconder uma posição eleitoral, pois nunca confrontou claramente nem o seu programa nem a sua direção, e pelo contrário, mostrou-o como uma grande referência avançada. Eles fizeram isso porque a única maneira de ocupar esse "espaço estranho" era lavando o rosto. Foi um claro exemplo de oportunismo eleitoral, pois se verificou efetivamente que era possível obter uma cota como “independente” dentro dela, mas de forma alguma com essa tática se pode contribuir para a construção de uma esquerda operária anticapitalista e com independência de classe. Nem mesmo uma esquerda contra o Acordo de Paz, pois acabaram se subordinando às suas regras em seu primeiro ato.

Assim, tendo um “convencional”, por mais que tentem “gritar” ou parecer “raivosos” combinando saídas “ultra-esquerdistas” com o mais grosseiro oportunismo eleitoral, são incapazes de contribuir para o reagrupamento de setores de ativismo ou vanguarda, nem à construção de uma esquerda operária e socialista (menos ainda de um partido, contra o qual geralmente faziam campanha). Por que dizer que seus votos não têm relação com sua real organização nem servem para construir verdadeiras frações revolucionárias nos locais de trabalho e estudo (exceto para conquistar lideranças soltas que buscam conquistar posições superestruturais aqui e ali).

A partir do PTR enquanto procuramos intervir nos fenômenos reais e até participar em algumas instâncias de "assembleias populares", não fazíamos parte do LdP (mesmo tendo a oferta dos seus dirigentes num distrito muito importante) e procuramos intervir na luta de classes e no palco eleitoral com um programa de independência política para os trabalhadores, claramente anticapitalista a partir das reivindicações de “outubro” e contra o Acordo de Paz de Piñera e Boric.

Desde o PTR chamamos o MIT em inúmeras ocasiões para formar juntos uma frente de independência de classe, começando por denunciar as armadilhas do regime. Infelizmente se recusaram a lutar por uma política independente como fizemos no comando por uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana e depois nas eleições, onde priorizaram uma cota eleitoral oportunista em uma lista que não tinha nada de “revolucionário”.

O MIT não apenas participou da LdP até o final mas inclusive chamou a impulsionar a candidatura presidencial de Cristian Cuevas nela, um ex-burocrata sindical do PC que foi "encarregado do trabalho” do Governo de Michelle Bachelet (do PS neoliberal 2014 - 2017). Cuevas logo passou para a FA de Boric, esteve até pouco em sua coalizão e tem um programa desenvolvimentista de conciliação de classes.

O MIT permaneceu na Lista do Povo até a explosão desse fenômeno, que morreu como resultado de uma enorme "fraude" e se tornou uma grande decepção para muitas pessoas que o seguiram.

Por fim, em todo esse caminho, e subordinando-se à enorme campanha do "mal menor" para votar em Boric no segundo turno, o MIT foi um dos primeiros a votar nele no segundo turno com a desculpa de que sua vitória "poderia gerar um movimento social maior que pressione o governo para cumprir suas promessas”, justamente no momento em que voltou seu discurso mais para o “centro” burguês e obteve o apoio de grandes empresários, quase sem críticas, para lutar contra a “extrema direita”.

Como surgiu a Convenção Constitucional e o que a LIT disse sobre ela?

Para justificar toda uma orientação oportunista - acompanhada de intervenções esquerdistas para chamar a atenção - o MIT vai além, ao balanço da Convenção Constitucional, tanto que chega a algo muito parecido com o PC. Vamos ver.

A rebelião popular de 2019 colocou o governo de Sebastián Piñera entre as cordas e, com os métodos da luta de classes, questionou a velha ordem neoliberal instalada na ditadura e aprofundada pelos governos da Concertación e da direita. Nos dias da convocação da greve geral (12 de novembro de 2019) convocada pela CUT e pelos dirigentes sindicais, pressionados pela revolta, estava aberta a possibilidade de derrubar Piñera e instalar o que as ruas exigiam: uma assembleia constituinte livre e soberana, para propor a resolução de demandas populares: saúde, educação, salários dignos e pensões sem AFP, liberdade para presos e cadeia para repressores, entre outras demandas.

No entanto, após a greve e a trégua dos dirigentes sindicais, Piñera, junto com os partidos do regime, buscou uma solução "institucional" para a crise. Foi assim que surgiu a ideia de um plebiscito para decidir se o país avança para uma nova Constituição (acabando com a antiga Constituição da ditadura, de 1980) por meio de uma "Convenção Constitucional" (ideia surgida no círculo da ex-presidente Bachelet anos atrás contra as primeiras reivindicações de um constituinte). 3 dias após a greve, na madrugada de 15 de novembro, foi assinado o "Acordo pela Paz e a Nova Constituição", onde a direita, a ex-Concertación e a Frente Ampla, de mãos dadas com Gabriel Boric (hoje Presidente) carimbaram suas assinaturas para selar o "caminho institucional" para a crise. Os "poderes constituídos" desenharam com suas regras um "poder constituinte", que nasceu sob pressão da rua, mas como instrumento de desvio. Um amplo setor das massas sentiu isso como um triunfo enquanto a mídia, os políticos burgueses e todo o regime apontavam os benefícios desse caminho que eles traçaram pressionando pelas ruas. Os reformistas diziam que era uma conquista democrática e a "única saída" para que o sangue não escorresse (instalando o medo do Acordo ou a anarquia). Outro setor minoritário o via com desconfiança, chamava-o de "cozina" (os antigos acordos por trás das cortinas do palácio).

Assim nasceu a Convenção Constitucional para uma nova constituição, como forma de canalizar a crise tirando as ruas de cena e dando a iniciativa ao antigo regime e aos partidos empresariais. O Partido Comunista, que inicialmente não assinou o Acordo, depois com algumas mudanças (paridade de gênero, assentos reservados aos povos nativos e listas de independentes) aderiu a ele e o chamou de "triunfo democrático das massas" ajudando a desmobilizar a estes e isolando uma ampla vanguarda que denunciou o acordo.

O "Acordo de Paz" não deu continuidade a uma suposta "revolução" como antes, como diz o MIT (LIT). Não, o Acordo de Paz marcou o início de uma nova situação, um "desvio" que fez retroceder a situação pré-revolucionária aberta. Ele marcou o fim da ascensão observada na convocação de uma greve geral, manteve Piñera e o antigo regime no poder e abriu um caminho de desmobilização e tentativas de auto-reforma a partir de cima. A Convenção Constitucional procurou abrir caminho para isso e por isso foi elogiada até sua instalação por todo o grande arco da classe dominante. Apenas um pequeno setor da direita pediu sua Rejeição.

A Convenção Constitucional em nenhum caso significou uma vitória para a classe trabalhadora e para o povo, a juventude e as mulheres, mas sim um “gatopardismo”, uma armadilha orquestrada pelo antigo regime para mudar tudo a fim de que nada realmente mude. Embora os setores sentissem que era um triunfo, não se tratava disso e muitos deles hoje estão decepcionados com seu desenvolvimento. Obviamente o regime foi pressionado pelas lutas de rua, mas eles sacrificaram a Constituição, símbolo repudiado em todo o país, para manter seu domínio. Não foi uma vitória das ruas - como se Trotsky tivesse dito na revolução de 1905 que a Constituição oferecida pelo czar era um “triunfo”.

Toda a história da FA e do PC, ambos agora no governo, repousa sobre esse suposto "triunfo das massas". Também muitas organizações de esquerda, como a lista dos Movimentos Sociais e a antiga Lista Popular, passaram de denunciar a armadilha constitucional a se curvar à história do "triunfo", e mais ainda, disseram que era "histórica" ​​porque a Constituição será “a mais democrática do mundo”, enquanto todo o legado da ditadura estão de pé e as condições de vida das maiorias trabalhadoras e populares pioram.

O que dizem os companheiros do MIT? Infelizmente, eles se curvaram a todo o coro e à narrativa reformista. “O Acordo de Paz deu origem ao atual Processo Constituinte. Em primeiro lugar, devemos reconhecer que a abertura de um Processo Constituinte foi uma grande vitória para o movimento de massas. Nem o governo nem a “oposição” quiseram conceder um Processo Constituinte com as características atuais. Este Processo Constituinte é uma conquista da nossa luta.” É verdade que o antigo regime nunca quis mudar um pingo do legado da ditadura, mas o que eles deram foi um símbolo como armadilha para tirar a luta das ruas e levar as maiorias populares às ilusões da auto-reforma por cima para que nada de seus pedidos ou necessidades fossem atendidas até o final. Não é um "triunfo" que "nasceu deformado" como diz o MIT, assim como o PC, mas um desvio, uma armadilha, para desativar o processo revolucionário aberto e impedir a luta independente da classe trabalhadora e do povo para enfrentar os capitalistas. E essa armadilha atingiu seu objetivo por enquanto! Embora setores da oligarquia não gostem dos símbolos que são alterados, a Convenção não tocará a estrutura do Chile da ditadura (sem resolver nenhuma das grandes contradições e desmobilizar as massas).Talvez foi por essa análise que acabaram votando a proposta de quórum do PC.

O MIT define que houve uma "revolução" e que ela "foi bem-sucedida". Como triunfa uma revolução que não ganhou nenhuma de suas reivindicações, que tem centenas de processados ​​e presos, enquanto Piñera continuou a governar e ficou livre? Onde estavam guardados os salários, as pensões de fome, a precariedade, os abusos, os fabulosos lucros milionários das multinacionais e dos ricos do país?
Que triunfo de uma “revolução” é essa?

Uma coisa é dizer que as classes dominantes, já que não há derrota do movimento de massas e há um desvio, medem o equilíbrio de forças e têm que fazer concessões, como os "recuos de 10" e que estão observando o clima social e popular, que pode eventualmente retomar se as contradições não forem resolvidas, que é o que eles estão tentando fazer. Outra coisa é dizer que houve um "triunfo" de uma suposta "revolução".

Um Estado Operário nascido de uma Convenção Constitucional do regime burguês? A perda da bússola estratégica e da luta de classes

Toda esta orientação oportunista é encoberta com políticas que armam um alvoroço e ficam como "ultraesquedistas" para as massas como a iniciativa de sua “convencional’’ de “dissolver os atuais poderes do Estado e criar uma Assembleia Plurinacional dos Trabalhadores e dos Povos".

Esta é uma proposta sem qualquer relação com a estratégia revolucionária. Vamos ver. Propõem que a Convenção Constitucional “dissolva os poderes do Estado”, ou seja, que um organismo nascido do próprio Estado capitalista o “dissolva” por meio da auto-reforma. Compararam esta iniciativa à construção de um Estado Operário como a Rússia dos Sovietes ou os Cordões Industriais em nosso país. Desde quando no marxismo o Estado burguês pode ser "dissolvido" e substituído por um "Estado operário" por meio de uma reforma constitucional? É uma inovação “teórica” extremamente interessante do oportunismo a que chega.
Leon Trotsky chegou a propor a política de "Assembléia Única" na França, como medida radical-democrática (não socialista) para denunciar as instituições capitalistas bonapartistas (como a Presidência da República ou o Senado oligárquico) e para acelerar a experiência de setores da classe trabalhadora com suas lideranças. Também a Assembleia Constituinte na China.

A lógica de Trotsky era: somos partidários do estado operário, mas enquanto as maiorias não compartilham disso, defendemos todas as questões democráticas dos ataques bonapartistas e fascistas, e lutaremos por medidas democráticas radicais como essas Assembleias e outras (abaixo a presidência, abolição do Senado, voto para menores de 21 anos, câmara única, etc.) para promover a luta contra a reação e o antigo regime e desencadear a luta de classes do proletariado e das massas populares. Era uma palavra de ordem para mobilizar e exigir que os reformistas ("socialistas democráticos") que não compartilham o programa da revolução, não que o apoiassem (como o MIT disse aos reformistas aqui, como se eles apoiassem um "Estado Operário” como a Rússia dos soviéticos), mas sim as medidas radicais contra o antigo regime e serem fiéis às suas posições “radicais” promovendo métodos de luta de classes.

A assembleia nacional de Trotsky era muito diferente da luta por um estado proletário nascido da revolução socialista como o MIT tentou fazer. Mas eles tinham uma ligação: através da luta pelo programa democrático-radical, o proletariado poderia fazer política com os reformistas para mostrar que eles nem mesmo acreditam em seu próprio programa, para conquistar as massas camponesas e populares, e serem os lutadores mais consistentes contra o antigo regime e, nesse caminho, lutar pela criação de organismos auto-organizadores como os sovietes, que, se desenvolvidos, poderiam levantar a luta pelo poder dos trabalhadores e a derrubada dos capitalistas e seu estado. Em outras palavras, foi uma política sempre ligada à estratégia revolucionária, que a classe trabalhadora surgisse como sujeito independente e constituísse seus próprios órgãos de poder, bases do novo Estado. Nunca teve a intenção de “dissolver o Estado” por meio de reformas, mas de preparar as condições para que a classe trabalhadora e os oprimidos derrubassem o poder organizado dos capitalistas.

O MIT pode objetar que eles não têm força para empurrar essa luta. Não podíamos negar isso a eles. Mas isso não quer dizer que por falta de força e por buscarem usar espaços emprestados sem força própria, busquem manobras para que os reformistas votem por um "Estado Operário" em uma Convenção e busquem construir-se por meio de "golpes parlamentares" fazendo do marxismo qualquer deformação que aos olhos das massas é apenas mais confusão.
Para o marxismo não se pode "dissolver o estado", mas o estado capitalista deve ser destruído através da luta de classes e da revolução dos trabalhadores, através de seus métodos de greve geral e insurreição e formando seus próprios órgãos de poder. Não será nenhuma Convenção ou mesmo uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana que irá "dissolver" o Estado e o substituir por um Estado Operário. Somente a classe trabalhadora pode destruir o estado dos capitalistas e substituí-los por seu próprio Estado nascido de seus conselhos, através da revolução. Essa "nova" teoria do MIT é mais parecida com os teóricos do "estado combinado" do que com o marxismo. Nem os sovietes nem os cordões surgirão como uma "auto-reforma" do Estado. O MIT é o exemplo claro de busca de táticas sem qualquer relação com a estratégia revolucionária, sem sujeito e sem auto-organização.

Por último, a comparação com a FIT-U: uma polêmica desesperada

A partir dessas considerações sobre o comportamento oportunista da LIT no Chile, é interessante analisar a necessidade permanente da LIT de se diferenciar da Frente de de Esquerda Unidade (FIT-U) da Argentina. Ela nasceu em 2011 como um bloco político-eleitoral baseado na aliança dos três principais partidos de esquerda da Argentina: Partido Socialista dos Trabalhadores (PTS), Partido Operário (PO) e Esquerda Socialista (IS). Há dois anos, o Movimento Socialista dos Trabalhadores (MST) se juntou a eles.

No ano passado, a Frente de Esquerda se consolidou como a terceira força política nacional na Argentina, obtendo os melhores resultados desde sua fundação em 2011. Com 6%, conquistou mais de 1,3 milhão de votos (aumento de 20% em relação às eleições anteriores), obtendo 4 deputados no Congresso Nacional, e vários parlamentares de províncias e municípios. Eleita deputada federal pela capital Buenos Aires, Myriam Bregman, do PTS, é a primeira parlamentar de esquerda na capital em 20 anos. Nicolás del Caño do PTS e Romina del Plá do PO foram eleitos pela Província de Buenos Aires (PBA), coração do proletariado argentino e bastião do peronismo. Também aí a Frente de Esquerda ganhou entre 8-10% dos votos, precisamente nos bairros mais pobres (La Matanza, Merlo, Morón, Moreno, José C Paz, etc.), influenciando o peronismo e provavelmente passando de 8 a 11 vereadores. A eleição de Alejandro Vilca, catador de lixo, socialista de origem Kolla e líder do PTS, obteve 25% dos votos para o Congresso Nacional na província de Jujuy, fato inédito e de grande significado para a esquerda latino-americana reconhecido pelo próprio PSTU argentino em seu site em espanhol onde dizem que "a eleição, pela primeira vez, de um trabalhador e deputado de origem indígena como Alejandro Vilca é digna de comemoração". Ressaltamos que a conquista de Vilca segue a tradição de lutadores e deputados operários do PTS na FIT-U como Raúl Godoy, Andrés Blanco e Claudio Dellecarbonara, e foram eleitos de forma totalmente independente contra os capitalistas de direita e o peronismo.

Tudo isso foi conseguido através da agitação de um programa anticapitalista e socialista, atacando os lucros empresariais, especialmente apontando as palavras de ordem de rejeição ao regime de ajuste do FMI (acordado por todas as forças políticas burguesas) e pela redução da jornada de trabalho a 6 horas e 5 dias por semana (contra o projeto dos partidos burgueses de avançar para uma reforma trabalhista precária) e pela distribuição da jornada de trabalho entre empregados e desempregados. Essas ideias, parte do arsenal que a FITU conquistou desde 2019, foram conhecidas por setores das massas nas eleições, debatidas na TV todos os dias, além do resultado final em votos. Essa agitação permanente é uma grande conquista que, como expressamos nesta entrevista, mostra à esquerda que é possível influenciar amplos setores da vanguarda (de uma perspectiva de massa) sem rebaixar o programa anticapitalista, levantando pontos de transição que são ideias para a classe trabalhadora emergir como sujeito político independente na crise. Tudo isso se desenvolveu na luta contra o FMI.

A LIT em seu artigo questiona o que teriam feito diante da votação do acordo com o FMI se tivessem deputados. Aqui está a receita: eles teriam gritado! Sim, eles dizem que sim: o que deveria ser feito era "parar e gritar, tentar por todos os meios impedir essa votação". Em outras palavras, uma linha puramente "parlamentar", como negam tanto em suas sentenças.

Para nós não se trata de "gritar" no parlamento como se isso fosse mudar alguma coisa, porque não é isso que põe medo no governo e no FMI (além do fato de nossos deputados terem intervindo em duras lutas políticas até no parlamento contra ambos os campos capitalistas). O que coloca o temor é a construção de uma frente única de trabalhadores para derrotar os ajustes e o acordo do FMI e abrir caminho à mobilização independente da classe trabalhadora e do povo. O PTS, junto com outras organizações, montou várias manifestações massivas nesse caminho, como em 11 de dezembro do ano passado, 8 de fevereiro deste ano e, mais recentemente, em março, mobilizações que tiveram relevância nacional e constituem o único setor contra o Acordo de ambos os blocos patronais. Não é uma anedota que a imprensa oficial tenha que dizer que a esquerda disputa forças com o governo nas ruas.

Pensar que por si só "gritando" no parlamento isso mudaria a realidade e a relação de forças por si só é uma ilusão, porque não é necessariamente isso que põe medo no governo e no FMI (além de que nossos deputados e deputados têm intervindo em duras lutas políticas mesmo no parlamento contra ambos os lados capitalistas). O que coloca o temor é a construção de uma frente única de trabalhadores para derrotar os ajustes e o acordo do FMI e abrir caminho na mobilização independente da classe trabalhadora e do povo.

Essa é a estratégia que marca a atuação do PTS na FIT e suas tribunas parlamentares: desenvolver a mobilização e preparar a frente única para a luta contra o acordo do FMI, mantendo uma política independente dos blocos capitalistas de direita e do peronismo.

Esse objetivo é o que determina as duras lutas políticas em que estão envolvidos nossos deputados no parlamento, em que tiveram dezenas de cruzamentos e duros debates com representantes dos blocos capitalistas, sejam da direita ou do peronismo, como a denuncia do acordo com o FMI, recebendo ameaças da burocracia sindical, ou pondo o corpo em lutas emblemáticas e enfrentando a repressão. Tudo muito diferente de María Rivera, onde quase não foi vista em brigas reais, exceto por estar fora da convenção gritando para pressionar os outros parlamentares a assinar suas iniciativas.

O que a LIT diz sobre tudo isso? Nada, só temos que gritar dentro do parlamento.

Em outro artigo dizem que a esquerda é responsável pela aprovação do acordo. Mas na mesma nota eles dizem: “Está agora planejado que de repente haverá um novo Argentinazo, ou algo como o que em Chubut conseguiu parar o projeto de megamineração? Não, claramente não. O papel das lideranças sindicais e sociais, que não são mais apenas cúmplices, mas também arquitetos em muitos casos de planos anti-trabalhadores, funciona como um muro de contenção.” Em outras palavras, eles dizem que a esquerda é responsável por algo que seria impossível, pois eles mesmos dizem que a burocracia sindical funciona como um muro de contenção. Um salto para ficar onde está, no reino da confusão.

Para fazer todas as suas críticas à FIT, a LIT recorre à Terceira Internacional de Lenin e Trotsky, especificamente às teses "O Partido Comunista e o Parlamentarismo" do Segundo Congresso da Terceira Internacional de 1920, que supostamente usam como "regra " à atuação de sua militante María Rivera, do MIT chileno na Assembleia Constituinte do país com a questão.

Para a LIT, o que definiria a ação do parlamentarismo revolucionário seriam os gritos dos deputados e não a tentativa de preparar uma frente única para promover a mobilização das massas, quando toda a burocracia sindical clama por apoio ao governo. Nem à construção de franjas em setores das massas com uma política independente dos reformistas. O oportunismo parlamentar da LIT no Chile é encoberto com frases de ultra-esquerda.

No entanto, mesmo na esfera estritamente parlamentar, as denúncias e intervenções parlamentares da FIT-U são muito mais profundas e vinculadas à luta política e à luta de classes, como observamos acima, presentes em cada luta e enfrentando a repressão policial. Tudo ligado a uma plataforma para a construção de uma força operária, anticapitalista e revolucionária.

É por isso que é crescente o perigo do “trotskismo” na Argentina. Como assinala o liberal burguês Jorge Fontevecchia do diário El Perfil, para o peronismo, o trotskismo é uma ameaça, pois há setores “da periferia que são cooptados dia após dia pelo trotskismo, dos partidos de esquerda mais intransigentes”; hoje "o crescimento do trotskismo é duplamente ameaçador para eles: metade dos mais de um milhão de votos do FIT nas eleições de 2021 veio da Província de Buenos Aires".

Uma última pergunta sobre o programa FIT-U, dizem que não é um programa "trotskista" e comparam com o Programa de Transição de Trotsky, dizendo que o programa da FIT-U não defende a tomada do poder, quando o FIT-U é a única força política na Argentina que luta explicitamente por um governo operário que rompa com o capitalismo, como está claramente afirmado em seu programa e até mesmo em spots de TV, e até mesmo o internacionalismo. Ainda assim, para a LIT, embora o programa FIT-U apresente muitos pontos corretos, eles dizem que há muitas omissões e lacunas. Qual seria? Eles dizem que falta “uma denúncia implacável contra o regime político”, que além de ser falso para qualquer um que conheça o programa e a atuação cotidiana da FIT, é muito contraditório com a política do PSTU brasileiro, que se adaptou fortemente ao regime golpista no Brasil. E ainda mais no Chile, onde esse mesmo regime político e suas ações são encobertas pelo MIT como "conquistas". É por isso que sua denúncia das armadilhas do antigo regime não existe.

Cabe destacar novamente que hoje se trata de uma frente política composta por 4 partidos trotskistas, com diferenças programáticas, estratégicas e de prática política, o que também suscita diferenças na intervenção parlamentar e na luta de classes, questão que a LIT omite. Mesmo sendo organizações diferentes, o programa FIT-U que eles criticam propõe uma política independente e a luta por um governo dos trabalhadores. Nada a ver com o programa reformista e de colaboração de classes da Lista do Povo no Chile, no qual o LIT estava e do qual tiram sua “convencional”.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias