×

Esquerda argentina | A Frente de Esquerda Unidade se apresentou na Argentina para ser a terceira força nacional

A frente formada pelo PTS, o Partido Obrero, Izquierda Socialista e o MST apresentou sua aliança em 23 províncias. Saiba mais sobre os principais candidatos e as primeiras declarações dos líderes do espaço.

quinta-feira 15 de julho | Edição do dia

Nesta quarta-feira à tarde, Nicolás del Caño e Romina del Plá anunciaram à imprensa que a Frente de Esquerda e dos Trabalhadores - Unidade (FITU), formada pelo PTS, PO, IS e MST (os quatro principais partidos de esquerda que vêm buscando a unidade há anos), chegaram a um acordo para concorrer às eleições legislativas em 23 províncias do país. A notícia foi imediatamente noticiada amplamente nas mídia nacionais e provinciais.

Na Província de Buenos Aires, Nico Del Caño e Romina Del Plá encabeçarão as chapas de deputados federais junto com Néstor Pitrola, enquanto na Cidade Autônoma de Buenos Aires, Myriam Bregman, Gabriel Solano e Alejandrina Barry encabeçarão as chapas de deputados e legisladores, respectivamente.

A Frente de Izquierda Unidad anunciará nos próximos dias as chapas de todos os candidatos nos 23 distritos onde está concorrendo. No caso do PTS, também oferecerá como pré-candidatos da FITU seus melhores referentes em todo o país, para lutar para ser a terceira força política nacional. Entre outros, eles serão Christian Castillo, Claudio Dellecarbonara, Noelia Barbeito, Lautaro Jiménez, Alejandro Vilca, Laura Vilches, Raúl Godoy, Octavio Crivaro, Alejandra Arreguez, Daniela Planes, Laura "Xiwe" Santillán, Johana Gómez e muitos outros.

Em seu comunicado, Del Caño e Del Plá sustentaram que "o grande desafio continua sendo emergir como uma poderosa terceira força a nível nacional para conquistar novas bancadas parlamentares que, como já vimos, são um importante instrumento de luta do povo trabalhador, das mulheres e da juventude contra as medidas de austeridade do governo e contra a tentativa da direita (Juntos por el Cambio, de Mauricio Macri) de canalizar o descontentamento e a decepção com a Frente de Todos, de Alberto Fernández e Cristina Kirchner".

Vale lembrar que a Frente de Izquierda chega a este desafio depois de ter feito boas eleições antecipadas em Jujuy e Misiones.

As próximas eleições legislativas ocorrerão no contexto de uma grave crise econômica e social, que faz surgir uma alternativa ao Macrismo, que já fracassou, e ao peronismo, que está desiludindo milhões por não cumprir suas promessas, mais necessária do que nunca.

A situação sanitária também é muito grave. Nesta mesma quarta-feira foi anunciado que a Argentina ultrapassou 100.000 mortes pelo coronavírus, o que, como declarou Nicolás del Caño, é uma trágica notícia que "mostra o fracasso dos governos que gerenciaram a pandemia colocando os interesses dos laboratórios, o ajuste à saúde e ao povo trabalhador em primeiro lugar, para pagar os especuladores privados e o FMI".

Neste contexto, e tendo em vista as eleições, Del Caño e Del Plá ressaltaram que "hoje a Frente de Izquierda Unidad representa 80% dos votos da esquerda nas últimas eleições e é uma referência para milhões de pessoas que em todo o país não estão resignadas a continuar sendo saqueadas enquanto um punhado de grupos capitalistas e os credores da dívida fraudulenta continuam a acumular fortunas".

Como é do conhecimento público, diante destas eleições, eles apostavam em ampliar a unidade da esquerda classista e socialista, convocando a Autodeterminación y Libertad de Luis Zamora, Nuevo MAS de Manuela Castañeira e Política Obrera de Jorge Altamira e Marcelo Ramal para se juntarem a eles.

Diante da catástrofe econômica, social e sanitária, esta proposta havia recolhido milhares de assinaturas de apoio em uma petição, destacando o endosso deste caminho por muitos dos que estão liderando as lutas pelos postos de trabalho, salários, moradia e educação, por ativistas de direitos humanos, intelectuais, artistas e o movimento de mulheres, entre outros, que estão promovendo a necessidade de dar a mais forte expressão possível à esquerda para o grande descontentamento com a situação atual, apostando em uma saída operária e socialista para a crise.

Entretanto, como Del Caño e Del Plá relataram, mais uma vez a Frente de Izquierda será a única alternativa que continua a apostar na unidade para emergir contra os partidos das classes dirigentes, já que, "infelizmente, outros grupos menores da esquerda decidiram de forma sectária não fazer parte da unidade da esquerda classista e socialista". O NuevoMAS, a Política Obrera e Autodeterminación y Libertad não aceitaram a unidade, e estão todos seguindo seus caminhos separados.

Mas a realidade é que a Frente Esquerda chegará a esta batalha fortalecida por baixo. No âmbito das centenas de lutas operárias e populares que vêm ocorrendo no país desde o ano passado, diante de uma situação que não pode mais ser tolerada, a inserção da esquerda nessas lutas terá sua correlação no fato de que centenas de lutadores de todas as províncias serão candidatos nas listas da FITU, dando um grande impulso à campanha nos locais de trabalho, nos lugares de estudo e nos bairros, junto com dezenas de milhares de simpatizantes que vêem com entusiasmo a necessidade de lutar para colocar uma bandeira diante do desastre Macrista e a decepção com o governo da Frente de Todos.

Uma grande campanha militante

Com a apresentação das alianças, e nos próximos dias dos candidatos, começa uma luta importante que não será fácil, e que exigirá uma grande campanha militante de milhares em cada província do país. Contra os aparatos dos poderosos que querem que o descontentamento com o governo não fortaleça a esquerda, mas variantes como Juntos por el Cambio, Randazzo, os liberais e outros, a partir de baixo, vamos implantar uma grande luta em cada província.

As classes dirigentes buscarão um "mandato" para emergir das eleições para continuar atacando o povo trabalhador, de mãos dadas com o FMI e os grandes empresários nacionais e estrangeiros. Contra eles, temos uma dura batalha para fazer a melhor eleição possível para a esquerda, para conquistar novos pontos de apoio para enfrentar os novos ataques que virão. Nos próximos meses, a intervenção nas lutas será combinada com a disputa eleitoral.

Como discutido no recente Congresso do PTS, para as organizações que afirmam ser da classe trabalhadora e da esquerda socialista, a ferramenta eleitoral é um método auxiliar para fortalecer as lutas do povo trabalhador no plano político.

Nesse sentido, e como diz a declaração programática da Frente de Izquierda Unidad, "nestas eleições, em meio à catástrofe capitalista, a esquerda se apresenta para fortalecer as lutas do povo trabalhador e apresentar uma saída operária e socialista contra o regime do FMI que levou o país ao desastre social, econômico e sanitário. A Frente de Esquerda Unidade utilizará a campanha eleitoral para mobilizar politicamente a classe trabalhadora e os combatentes populares em todo o país, para que os trabalhadores estabeleçam sua própria saída para a atual crise nacional. A luta eleitoral da Frente de Esquerda Unidade está a serviço da organização dos trabalhadores na luta por seu próprio governo".

A declaração também afirma que "ressaltamos que o povo trabalhador não está condenado a ter que suportar um mal maior ou um suposto mal menor". Há outra saída, e é a que nossa Frente propõe: que a crise seja paga por aqueles que a geraram, os grandes patrões, os banqueiros, os latifundiários e o imperialismo. Em outras palavras, que a crise deve ser paga pela classe capitalista que levou o país ao desastre atual.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias