Internacional

“A Classe Trabalhadora tem sido Crucial”- Entrevista com Estudantes em Myanmar

O Left Voice* entrevistou dois estudantes ativistas que vem resistindo ao golpe Militar em Myanmar. Eles falaram sobre a história do país e sobre o papel dos estudantes e dos trabalhadores na resistência ao golpe.

terça-feira 8 de junho| Edição do dia

Os estudantes em Myanmar têm desempenhado um papel vital na resistência ao regime do golpe, desde que os militares assumiram o controle do governo em fevereiro. O Left Voice falou com dois estudantes ativistas em Myanmar sobre a história do país, o papel no atual movimento de protesto, e sobre como a esquerda internacional pode ajudar. Ambos utilizaram pseudônimos para proteger suas identidades.

*Left Voice faz parte da rede internacional do Esquerda Diário nos EUA

Como a história do colonialismo e do imperialismo de Myanmar afetou o país?

M: Em 1885 a última dinastia que governou Myanmar chegou ao seu fim pelas mãos dos colonizadores britânicos, que já governavam praticamente toda a região de Myanmar. Mas é interessante ressaltar que os britânicos nunca governaram Myanmar como uma entidade única. As minorias étnicas eram administradas separadamente, os britânicos classificavam os assuntos em vários grupos étnicos. Esta distinção rigorosa era algo artificial e arbitrário e ainda paira sobre a política étnica de hoje. Os militares birmaneses surgiram durante a luta pela independência do Japão Imperial, que ocupou Myanmar de 1943 a 1945. É um legado bastante problemático e podemos dizer que Tatmadaw (nome oficial das forças armadas de Myanmar) tem sementes fascistas desde a sua própria criação.

Como vocês descreveram, as divisões étnicas de Myanmar são em grande parte um subproduto da interferência estrangeira. Atualmente, como se deu a dinâmica entre os diferentes grupos étnicos que vivem em Myanmar na luta contra o golpe?

M: Antes, os Bamar tinham sido em grande parte indiferentes ao sofrimento de outras minorias étnicas. Agora, devido à trágica situação em que as pessoas se encontram, são muito mais sensibilizados. Muitos jovens vieram se desculpar por terem feito vista grossa. Muitos se arrependeram da atitude hostil para com o povo Rohingya, que era o condenado dos condenados. A porta abriu-se para uma verdadeira reconciliação entre todas as pessoas oprimidas para construirmos juntos uma nova sociedade onde possamos coexistir de forma significativa, mas ainda existem muitos desafios à nossa frente.

K: Muitos jovens perceberam que quando pedem desculpa a outros grupos étnicos, normalmente deixam de fora os Rohingya. Eles reconhecem que pode haver um genocídio, mas mesmo assim não os aceitam como parte de nós. E isso ainda acontece. O nosso governo interino, o Governo de Unidade Nacional (NUG), vem cooperando com algumas minorias. Mas suas promessas e declarações na carta federal e também suas ações não são muito promissoras para os outros grupos étnicos. Portanto, receio que ainda teremos enormes problemas depois de ganharmos essa revolução.

Como você se envolveu no ativismo e como tem sido a participação nesta resistência massiva?

K: Eu não fiz parte das uniões de estudantes nem nada parecido. Mas fiz parte de um grupo liderado por estudantes, partilhávamos conhecimentos políticos. Por isso estava familiarizado com estas coisas e quando o golpe começou, protestamos e tomamos parte em organizações de protestos.

Li em algum lugar que muitos jovens em Myanmar são inspirados porque viveram menos tempo de governo militar do que outras gerações. Será que isso é verdade? Será que interfere muito no ativismo juvenil?

K: Mesmo nos tempos coloniais, a união estudantil era figura-chave do movimento pela independência. Penso que os estudantes sempre foram parte elementar da conscientização no país, mesmo quando a classe trabalhadora foi enfeitiçada pela ideologia dos opressores. Havia este culto de adoração da personalidade de figuras como Aung San Suu Kyi. E mesmo nos tempos em que eram populares, os estudantes permaneciam do lado da resistência.

Queria perguntar um pouco sobre o ativismo após o golpe de Estado. Como foram os protestos? O que fizeram os estudantes e que papel desempenhou a classe trabalhadora?

M: No início do golpe, foi dito às pessoas que é necessário esperar e ficar quieto durante 72 horas. Muitas pessoas compraram este disparate. Mas passados três dias, tornou-se claro para as pessoas que ficar sentado, quieto não as levará a lugar nenhum.

Foram as pessoas da classe trabalhadora e os estudantes que começaram os protestos, e os protestos foram se tornaram cada vez mais fortes. Logo após o golpe, o sindicato dos estudantes teve reuniões e discutiu o que iríamos fazer. Decidimos que era necessário dizer ao povo para espalhar a verdade, para vir resistir ao golpe, para contrariar a propaganda.

No início, as exigências eram bastante moderadas e isso deve-se em parte ao fato de Aung San Suu Kyi e o seu governo terem enfeitiçado a classe trabalhadora e o povo. Os protestos apenas pediam para libertar os líderes, ou seja, Aung San Suuu Kyi e os membros eleitos do parlamento da NPE, e para devolver o poder ao governo da NLD de acordo com os resultados das eleições.

M: No início dos protestos, os militares responderam com violência. Houve baixas, baixas civis. Havia uma moça de pé e penso que nem sequer estava protestando, ela estava apenas ali parada e a polícia atirou na sua cabeça. Pode procurar por essas fotografias, está por toda a Internet. Mas mesmo no momento em que houve baixas, os protestos ainda estavam contidos. Mas depois os militares entraram em pânico à medida que o movimento ganhava força e aconteciam massacres muito sangrentos.

Muitas pessoas morreram enquanto os militares reprimiam protestos de estudantes. Os militares e a polícia reprimiram e os estudantes fugiram. As pessoas do bairro esconderam os estudantes. Em uma casa, os militares sabiam que os estudantes estavam escondidos, pediram às mulheres daquela casa que se entregassem e a mulher recusou-se a sair. Ela simplesmente se recusou e então ela foi baleada. Foi morta a tiro no local só porque estava ajudando os estudantes.

Em algumas áreas, o protesto evoluiu para um conflito armado. Em algumas áreas as pessoas estão a fazendo uma oposição com as suas próprias armas artesanais, iniciando ataques defensivos contra os soldados militares.

Vocês acham que vai haver mais conflitos armados se as coisas continuarem como estão?

M: Penso que a luta armada é o único recurso se as coisas continuarem como estão. Os militares querem se manter no poder, não importa quantas pessoas tenham que massacrar. Para derrotá-los, não temos outra escolha senão recorrer a uma luta armada. Muitas pessoas em Myanmar estão esperando. Elas esperam que haja um Exército de Libertação Unido, talvez o exército federal que ainda não deu as caras. Somente permanecendo unidos, unidos entre o grupo étnico maior e outros grupos étnicos menores, é que podemos derrotar o nosso inimigo. O Governo de Unidade Nacional anunciou a criação da Força de Defesa do Povo (PDF). Não temos ideia se isso é confiável ou apenas de um espetáculo.

Queria perguntar um pouco sobre o papel da classe trabalhadora nas greves que tem acontecido. Como tem sido?

K: A classe trabalhadora é uma das partes mais importantes desta revolução. O seu espírito revolucionário é tão forte que o governo militar teve de impor a lei marcial nas áreas e cidades onde vivem os trabalhadores. Os protestos onde a classe operária mais participa também são mais vigiados, os trabalhadores são uma enorme parte do movimento de desobediência civil.

M: Especialmente os trabalhadores ferroviários. Os militares não podem circular comboios por todo o país porque toda a classe trabalhadora está em greve. As pessoas da classe trabalhadora têm sido cruciais para o nosso movimento e continuarão a ser cruciais se quisermos pegar em armas.

Myanmar é muito importante do ponto de vista geopolítico devido à sua proximidade do Oceano Índico. Se tornou de certa forma um pano de fundo estratégico para as crescentes tensões entre os Estados Unidos e a China, visto que ambos têm interesses econômicos em Myanmar. Como é que isto está se interferindo nos conflitos neste momento?

K: A China é provavelmente uma parte crucial destas influências. Eles têm muitos interesses econômicos aqui. A China, juntamente com a Rússia, apoiam os militares e também apoiam as organizações étnicas quando se trata de armas. Além de usar a sua influência nas Nações Unidas, que tem feito muito para reprimir a nossa revolução.

M: Até agora, a vitória ainda está longe de nós. Em relação à esquerda nos Estados Unidos, poderíamos ainda precisar de alguma ajuda. Há capitalistas nos Estados Unidos e em todo o mundo que ainda fazem negócios com Tatmadaw. E penso que o Sindicato dos Estudantes da Universidade de Yangon está trabalhando neste projeto chamado Universidade Federal para educar as massas e os estudantes que não vão à escola. Seria ótimo se os acadêmicos de esquerda nos Estados Unidos pudessem ajudá-los. Poderíamos fazer as traduções necessárias para a tornar mais acessível à classe trabalhadora, e as crianças poderiam ter acesso a uma educação adequada e necessária para lutar contra o regime oficial.

K: Os militares vêm nos controlando durante décadas. Não apenas nos últimos anos. Para a esquerda nos Estados Unidos, penso que a coisa mais importante que vocês podem fazer para ajudar seria mostrar solidariedade e não esquecer esta revolução.

Uma última pergunta, o que significaria a vitória em Myanmar e como vocês acham que ela pode ser alcançada?

K: Bem, para a maioria do povo, incluindo a gente, uma vitória significaria a queda da instituição militar e a emergência de uma democracia federal. E então haveria a queda do nepotismo. Após uma revolução, precisamos de um sistema judicial forte para punir estes opressores.

M: A vitória vai significar que todos os oprimidos do país terão um futuro numa nova sociedade que teremos que construir e alcançar. O que não vai ser possível com Tatmadaw por perto. Perdemos tanto durante esta revolução, muitas pessoas sacrificaram as suas vidas pela liberdade. Mas enquanto lamentamos, continuaremos a tomar o manto da revolução.




Tópicos relacionados

Crise Política em Mianmar   /    Entrevista   /    Internacional

Comentários

Comentar