Mundo Operário

TELE-MARKETING

8 mil trabalhadores da Vivo e Vikstar ameaçam greve após ficarem sem salário

Salários de profissionais da área de teleatendimento estão atrasados há mais de um mês. Esses funcionários são os mesmo que são obrigados a trabalhar expostos ao vírus enquanto as empresas de telemarketing faturam milhões. A Vivo e a Vikstar Services buscam se eximir da sua responsabilidade.

terça-feira 13 de abril| Edição do dia

8 mil funcionários da empresa Vikstar Services, empresa prestadora de serviços de telemarketing, estão sem receber seus salários. Segundo o diretor da regional do Sintell, não é a primeira vez que a empresa descumpre com suas obrigações trabalhistas, os trabalhadores querem avançar com a paralisação do trabalho até que os salários sejam pagos.

O pretexto da empresa é de que a Telefônica, que controla a Vivo, não pagou à Vikstar os valores devidos. Com ambas empresas tirando o corpo forae empurrando o problema uma para a outra, quem sai prejudicado são os milhares de trabalhadores e trabalhadoras que seguem sem seus salários.

Além disso, as empresas de telemarketing obrigam seus funcionários a trabalharem em condições de exposição ao coronavírus, colocando a vida desses trabalhadores em risco.

Nessa pandemia a precarização do trabalho e das condições de vidas aprofundaram, o desemprego, a fome e a miséria são problemas profundos da realidade do país. E os trabalhadores sofrem cotidianamente com esse impacto e aprofundamento da precarização, principalmente trabalhadores tercerizados dessas empresas de telecomunições.

O esquerda diário presta toda solidariedade e apoio a paralisação dos trabalhadores da Vikstar services pelo pagamento imediato dos seus salários.




Tópicos relacionados

Telemarketing   /    Greve   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar