Política

ELEIÇÕES RECIFE

5 motivos para não votar em João Campos

quarta-feira 28 de outubro| Edição do dia

1) João Campos é herdeiro da atual gestão Geraldo Júlio – que também faz parte do grupo que está há 16 anos no governo estadual. Durante a gestão do PSB em Pernambuco e no Recife, vimos como a desigualdade aumentou, fazendo o Recife ser conhecido como a capital da desigualdade social. O déficit habitacional também aumentou, assim como a construção de moradias de luxo também aumentou, mostrando como seu governo é pra especulação imobiliária e não para os trabalhadores e a população pobre. Além disso, os problemas estruturais do Recife, como a ausência de saneamento, as enchentes e os deslizamentos seguiram. E Recife continua a ostentar o posto de capital com a maior trânsito do Brasil. A situação de calamidade da saúde ficou evidente nas altas cifras de Recife na pandemia.

Além, disso não faltaram ataques aos trabalhadores por parte do PSB. O governo Paulo Câmara foi um dos primeiros a aprovar a reforma da previdência estadual. O estado paga aos professores menos que o piso nacional do magistério e ainda realiza várias contratações temporárias precárias. Na saúde a condição não é melhor: há profissionais de enfermagem que ganham menos que o mínimo. Para melhorar, o governador Paulo Câmara ainda liberou recentemente a dupla função nos ônibus na região metropolitana.

No município a coisa também não vai bem. Foram inúmeras greves dos servidores municipais, denunciando seus baixos salários e péssimas condições de trabalho. E em ambos os casos, não hesitaram em reprimir os trabalhadores em greve.

2) A coligação de João Campos inclui partidos como MDB, PSD, Rede, PV, PROS, Avante, Republicanos, PP e Solidariedade. O MDB é um dos partidos mais corruptos desse regime, contando com algumas figuras conhecidas como Renan Calheiros, o ex presidente Michel temer e o agora preso Eduardo Cunha.

Já o PP é também outro igualmente corrupto e abriga figuras clássicas como Paulo Maluf. Também abriga a latifundiária Kátia Abreu, que agora assume o lugar de vice líder do governo Bolsonaro no lugar de Chico Rodrigues, encontrado com dinheiro na cueca.

O PROS é o mesmo partido do capitão Wagner, que é o candidato da extrema direita em Fortaleza, outra capital importante do Nordeste.

E o Republicanos é o partido que agora se encontra alguns dos filhos de Bolsonaro, como Flávio e Carlos.

Me diga com quem anda e te direi quem és. Pelo visto João Campos se encontra em mals lençóis nessa coligação...

3) O próprio PSB vem no curso à direita na política nacional. Após abrigar a candidatura da neoliberal financiada pelo Itaú Marina Silva (que assumiu a cabeça da chapa após morte de Eduardo Campos em 2014), o partido no segundo turno apoiou Aécio Neves. Em 2016, também apoiaram o golpe institucional.

Márcio França, agora candidato do partido à prefeitura de São Paulo, foi vice de ninguém menos que o tucano Geraldo Alckmin, apenas para citar um exemplo de alianças com a direita do PSB pelo país.

O próprio Paulo Câmara, junto com João Azevedo, governador da Paraíba também do PSB, assinaram uma carta junto a outros governadores do Nordeste pedindo à reforma da previdência. Inclusive, alguns deputados do PSB votaram a favor da reforma

4) Apesar de ser da oposição, a candidatura de João Campos não representa nenhum enfrentamento ao bolsonarismo. O candidato evita criticar o presidente abertamente e não dedicou nenhuma palavra a ele em sue plano de governo. Inclusive, disse que não teria dificuldade para dialogar com Bolsonaro caso eleito. Não é surpresa, vendo o histórico do PSB e vendo que o partido se alinho ao governo em 46% das votações

5) João Campos não possui nenhum plano para resolver as questões estruturais do Recife. Em seu plano de governo, as questões aparecem apenas de forma difusa e abstrata, tendo bastante ênfase a questão do “empreendedorismo”, ao melhor estilo neoliberal.
Assim como as atuais gestões do PSB, João Campos mostra que não irá resolver nenhuma das questões estruturais da cidade!




Tópicos relacionados

Eleições municipais 2020   /    Eleições 2020   /    Recife   /    PSB   /    Recife   /    Política

Comentários

Comentar