×
Rede Internacional

VACINA PARA TODOS JÁ! | 3 milhões de vacinas não chegam no Brasil: que os trabalhadores controlem a produção e distribuição!

Sem nova data prevista para a entrega das vacinas, as 3 milhões de doses da Janssen (Johnson & Johnson) não chegarão hoje ao Brasil. Estamos perto de bater a triste marca de meio milhão de mortos pela Covid no Brasil, e nem 12% da população tomou as duas doses. Enquanto a vacinação, as vidas dos trabalhadores e da juventude estiverem subordinadas aos lucros das grandes farmacêuticas e laboratórios, continuaremos a morrer aos montes. Para conquistar vacina para todos já apenas impondo com a força da nossa luta a quebra das patentes sem indenização às empresas. Os trabalhadores precisam tomar em suas mãos a produção para que se massifique a distribuição das vacinas.

Luiza EineckEstudante de Serviço Social na UnB

terça-feira 15 de junho | Edição do dia

Imagem: Summit Saúde Estadão

O carregamento com cerca de 3 milhões de doses da vacina Janssen da empresa farmacêutica milionária Johnson & Johnson que deveria chegar hoje,15, ao Brasil foi suspenso. O ministério da Saúde chefiado pelo negacionista Queiroga disse que não há confirmação do motivo pelo qual o carregamento não chegará nesta terça.

A vacina que é aplicada em apenas uma dose teria validade até o fim deste mês de junho, porém a Anvisa aprovou a extensão de seu prazo de validade, que sob determinadas condições de temperatura se conservaria, para mais um mês e meio, e devem ser aplicadas até agosto. Enquanto não há nova data prevista para a entrega das doses da Janssen, as mortes no Brasil só aumentam e a negligência com as vidas da população do governo Bolsonaro-Mourão também, chegando ao ponto de sediar a Copa América aqui no Brasil em nome dos lucros milionários da Conmebol.

Leia mais: "Cepa América": governadores do centro-oeste mostram serviço para Bolsonaro, aceitando sediar o torneio

Apenas 11,6% da população brasileira tomou as duas doses das vacinas. É inaceitável que fiquemos à mercê de negociações e dos calendários dos monopólios farmacêuticos com Bolsonaro, Mourão e as alas golpistas do regime político. Em um país onde morrem aos montes, a chegada da terceira onda é uma realidade e logo mais bateremos a triste marca de meio milhão de mortes pela Covid, 3 milhões de doses parecem nos dar um alívio. Porém, não podemos ficar na miséria das negociações destes que só se importam com seus lucros e que não se importaram com nossas vidas desde o início da pandemia, na realidade nos atacaram ainda mais. Temos de ir por mais.

Leia também: Frente às novas cepas e à terceira onda da covid, lutar pela quebra das patentes já!

A Johnson & Johnson teve um lucro de 6,19 bilhões de dólares no primeiro trimestre deste ano, 7% a mais comparado ao primeiro trimestre de 2020. As grandes farmacêuticas e laboratórios não pararam de lucrar durante a pandemia. Isso tudo sobre as costas de imensa maioria da população, a classe trabalhadora, que não parou um segundo de trabalhar em condições precárias, sem EPIs, e agora sem direito à vacinação.

Para garantir o lucro dos patrões, os trabalhadores foram submetidos a todo tipo de situação. Mas provaram o quão essenciais são para o funcionamento desse sistema e sem eles nada se produz. É contraditório pensar que os trabalhadores tudo produzem, mas nada lhes pertence. Esse é o absurdo do capitalismo. Nos reservam uma vida de miséria, morte, fome e desemprego, e isso tudo é endossado pelo Estado e seus representantes, basta ver todos os ataques que vem descarregando sobre nós com os cortes na educação, reformas e privatizações.

Saiba mais: Entre recordes de mortes por Covid, de desemprego e de ataques: só nossa classe pode impor uma saída de emergência

É por isso que só a nossa classe pode dar uma resposta concreta para a crise. A alternativa a Bolsonaro não virá da demagogia por parte de nenhum golpista ou militar, e nem de figuras que buscam acordos com tais. Nesse sentido, precisamos nos organizar e lutar de forma independente nas ruas, sem confiança nas saídas por dentro do regime como é a CPI da Covid, impeachment e as eleições; e conciliações com a burguesia ou com os golpistas como faz Lula, e infelizmente setores da esquerda, como o PSOL, vem seguindo os mesmos passos e se subordinando à política do PT e de maior adaptação ao regime golpista.

Entenda: A CPI não é pra salvar vidas, é pra salvar o regime do golpe

Os atos que ocorrerão no dia 19J, como continuidade do dia 29M, demonstram uma maior disposição de luta, mas que desde o início expressaram o objetivo eleitoral que as direções das organizações estudantis e operárias, como a UNE(PT, PCdoB e Levante Popular) e as Centrais Sindicais como a CUT(PT) e CTB(PCdoB), tem. E rumo ao dia 19J continuam atuando para que sigam sendo manifestações controladas por elas em uma perspectiva de canalizar todo nosso ódio para as eleições de 2022.

Não podemos deixar que isso aconteça! Devemos batalhar fortemente pela auto-organização dos trabalhadores contra os Bolsonaro, Mourão, os militares e golpistas, nas ruas no dia 19J temos que dizer que queremos por vacina para todos já com quebra das patentes milionárias e sem indenização às empresas que lucram horrores como a Johnson & Johnson.

Junto disso, avançando para que os trabalhadores tomem em suas mãos os rumos do país, precisamos também batalhar pelo controle dos trabalhadores sob a produção e distribuição das vacinas. Dessa forma, seria possível atender as demandas reais da vacinação e massificá-la. Nesse sentido, é extremamente necessário a reconversão da produção de todas as indústrias não essenciais necessárias para garantir a produção, sob controle dos trabalhadores, dos equipamentos e insumos de combate à pandemia como para leitos para as UTIs lotadas; testes que são caríssimos, as vacinas, e muito mais. Chega de morrer pela Covid, nossas vidas valem mais que os lucros deles!

Editorial MRT e Esquerda Diário: A esquerda institucional e a busca de um caminho de subordinação ao PT




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias