×
Rede Internacional

China | 12 pessoas morrem com chuvas na China, chegando a 25 o total de mortos com chuvas torrenciais

Chega a 25 o total de mortos com inundações causadas por chuvas torrenciais na China que vem acontecendo nos últimos dias. Essa é mais uma das expressões da anomalias promovidas pela destruição ambiental realizada pelo capitalismo, como vemos nos últimos dias nas ondas de calor no Canadá, e outras mudanças climáticas em outras regiões do mundo, e que no Brasil é levada adiante pelo ministro ruralista do Meio Ambiente Joaquim Alvaro e Bolsonaro, que querem destruir a todo custo a Amazônia.

quarta-feira 21 de julho | Edição do dia

Imagem: STR / AFP

Já morreram 25 pessoas na China, 12 delas no metrô de Zhengzhou, capital de Henan, devido às fortes chuvas que meteorologistas dizem ser as mais fortes em mil anos.

Veja também: Nas mãos de Bolsonaro e Salles, desmatamento na Amazônia cresceu 51% nos últimos 11 meses

Existem 7 desaparecidos, e mais de 500 pessoas foram resgatadas da linha de metrô que inundou.

Em Luoyang, uma cidade de sete milhões de habitantes, uma fenda de 20 metros aberta na barragem de Yihetan "pode romper a qualquer momento", segundo o exército.

Cone Sul é o lugar mais frio do mundo hoje fora da Antártida

Segundo o exército, uma fenda de 20 metros aberta na barragem de Yihetan "pode romper a qualquer momento", que se localiza em Luoyang, cidade com sete milhões de habitantes.

Henan vem sofrendo com as chuvas desde sábado (17) e se espera mais chuvas torrenciais até sexta-feira (23). Nos últimos quatro dias, choveu o esperado para um ano inteiro em Zhengzhou. Quase 200 mil pessoas foram evacuadas da cidade, que fica a 700 km a sudoeste de Pequim e tem cerca de 12 milhões de habitantes (população similar à de São Paulo).

Foi realizada a evacuação de escolas e hospitais. O maior hospital de Henan, com mais de 7 mil leitos, ficou sem energia e cerca de 600 pacientes em estado crítico tiveram de ser transferidos. Também foram interrompidos os transportes ferroviário e rodoviário. Além disso, para se protegerem das enchentes, muitas pessoas se abrigaram em bibliotecas, museus, e até em cinemas.

Outras partes da província, que tem cerca de 100 milhões de habitantes, também tiveram suas ferrovias e rodovias fechadas. Também houve o cancelamento e/ou o atraso de voos. A província de Henan é um importante centro logístico da China.

Veja mais: Inundações na Alemanha e Bélgica matam 63 e deixam milhares de desabrigados

Entre sábado(17) e ontem (terça-feira,20), cairam mais de 617 milímetros de chuva em Zhengzhou, o que quase equivale à sua média anual de 640 milímetros, ou seja, em apenas quatro dias caiu 1 ano de chuva. De acordo com meteorologistas, esses quatro dias de chuva corresponderam a um nível visto apenas "uma vez em mil anos".

Calor no Canadá, Frio no cone sul, desabamento em Miami: a catástrofe ambiental capitalista

Essas chuvas são mais uma das expressões da destruição ambiental levada adiante pela irracional sede de lucro do capitalismo, se somando às inundações na Alemanha e na Bélgica que matou dezenas de pessoas, às ondas de calor no Canadá que matou centenas, às ondas de frio polar no cone sul, além do desmatamento levado adiante por Bolsonaro e pelo ruralista Joaquim Alvaro no Brasil, que são brutais ataques à vida da classe trabalhadora, dos povos nativos e de todo povo pobre. O capitalismo só pode levar à destruição do meio ambiente, ou seja, à destruição do planeta terra.

Pode te interessar: Para salvar a Amazônia da destruição ambiental é preciso destruir o capitalismo

[VÍDEO] Crise ambiental global e uma saída revolucionária




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias