Internacional

10 anos após a Primavera Árabe, a maior revolta do século 21

Uma análise do papel dos atores envolvidos, desde as partes ativas até o julgamento das diferentes estratégias contra-revolucionárias, permite tirar conclusões para o enfrentamento das revoltas da terceira década do século.

segunda-feira 21 de dezembro de 2020| Edição do dia

Há 10 anos, em uma pequena cidade da Tunísia, no Norte da África, um jovem vendedor ambulante de frutas, Mohamed Bouazizi, foi preso e humilhado pela polícia por não ter permissão para dirigir sua carreta. A polícia confiscou a ferramenta com a qual o jovem coletava 10 dinares por dia (na época, cerca de US $ 7) para alimentar sua mãe viúva e seis irmãos. Impotência e frustração levaram o jovem a colocar fogo em seu corpo em frente à prefeitura.

A ação rapidamente percorreu as redes sociais fazendo com que milhares de jovens desempregados e pobres da cidade se identificassem com a mesma situação de vida de Bouazizi. Dor e raiva explodiram nas maiores manifestações da história do país. Em 14 de janeiro, quase um mês depois, Zine el-Abidine Ben Ali foi derrubado junto com sua ditadura de 23 anos.

A autoimolação do jovem trabalhador em Tiúnez marcou a morte de vários governos da região, dando início ao maior e mais difundido processo de luta de classes do século XXI. Em poucos meses, todos os regimes do Oriente Médio e do Norte da África, do Marrocos ao Irã, viram o nascimento de movimentos de protesto sem precedentes que abalaram suas bases estruturais.

Os diferentes regimes foram encurralados pelas revoltas. Das “repúblicas autoritárias” da Tunísia, Egito, Argélia, Líbia e Síria, às monarquias da Arábia Saudita, Bahrein e Jordânia, ainda regidas por pactos tribais e laços tradicionais com o imperialismo; e fora do mundo árabe, a Turquia e a República Islâmica do Irã.

Os 22 países da região enfrentaram graves turbulências políticas e tentaram diferentes estratégias para reprimir ou desviar os processos de mobilização: desvios democráticos, golpes militares e esmagamento violento, alguns dos quais levaram a guerras civis. Isso deu origem a uma dinâmica complexa de revoltas, processos pré-revolucionários, contra-revolução e guerra civil em que vários desses regimes entraram em colapso. Alguns foram reformados ou desenvolveram conflitos civis onde até interesses imperialistas foram resolvidos, entre potências regionais e atores locais dotados de autonomia.

Revolução, revoltas e contra-revolução na Primavera Árabe

A Primavera Árabe não foi um raio no céu sereno. Uma série de processos anteriores estava criando as condições para as revoltas populares de 2010-2012.

Os países do Norte de África passaram de civilizações agrícolas milenares a importadores diretos da crise de 2008 - devido à desertificação, ao abandono das áreas rurais e ao aumento do preço do petróleo, causaram uma situação desesperadora em toda a área, com a falta de água e comida, que estavam criando condições de pobreza cada vez mais profundas, lado a lado com um Estado muito repressivo. As "revoltas do pão" anunciaram prematuramente o que estava por vir.

A autoimolação de Bouazizi gerou protestos na Tunísia e eles rapidamente se espalharam pelo Egito. Rebeliões populares impressionantes derrubaram rapidamente as ditaduras vitalícias de Mubarak e Ben Ali no início de 2011. As rebeliões eram compostas por estudantes, trabalhadores e principalmente jovens e pobres urbanos, que invadiram com consignas políticas e métodos aprendidos durante os "motins do pão”, embora sem um programa claro, nem uma direção política concreta.

Começou então um período de "transição" onde as correntes políticas tradicionais se destacaram: na Tunísia, o Ennahda (Renascimento) e no Egito, a Irmandade Muçulmana. Ambos os partidos vêm de um Islã político moderado ligado a uma burguesia tradicionalista cujos programas estabelecem a ascensão eleitoral ao poder, combinando os princípios islâmicos de organização social com os do capitalismo e da modernidade.

As eleições no Egito, onde a Irmandade Muçulmana chegou ao poder, foram supervisionadas pelo exército e pelo imperialismo. Após dois anos de governo, o presidente Mohamed Morsi tentou centralizar o poder e islamizar o país, mas foi rechaçado com manifestações de milhões de pessoas que retomaram a Praça Tahrir.

Esta situação de fragilidade permitiu ao exército encontrar a oportunidade de realizar um golpe em 2013, onde além da ausência de um projeto alternativo que represente as demandas da classe trabalhadora em uma ruptura com o imperialismo e a burguesia local. Em seguida, o general Al Sisi sufocou as “ilusões democráticas” dos manifestantes com um massacre de 800 pessoas em um dia, um recorde no século 21, estabelecendo uma ditadura igual ou pior que a anterior.


Cairo, Egito 2011.

Na Tunísia, uma Assembleia Constituinte foi convocada em resposta às manifestações. O Ennahda propôs "islamizar o país", conseguindo conter centenas de milhares de jovens frustrados e desempregados, construindo um governo de "unidade nacional" com partidos seculares, até sua derrota eleitoral em 2014. No entanto, os problemas estruturais do país, como a pobreza e o desemprego aumentaram. E depois de anos de experiência “democrática” na Tunísia, as estruturas econômicas e o aparato repressivo que sustentou a ditadura de Ben Ali continuam em vigor.

Na Síria, Líbia e Iêmen, os processos de mobilização foram abortados por prolongadas guerras civis. O imperialismo interveio armando grupos relacionados ou mesmo diretamente ligados com a OTAN, como na Líbia. Potências regionais como o Irã e a Arábia Saudita - que vieram afogar em sangue o levante no Bahrein sem questionar os Estados Unidos - aproveitaram o vácuo de poder com base em seu projeto hegemônico e desde então travaram uma “guerra fria” lutando por meio de aliados fora de seu território. Os resquícios de antigos exércitos, tribos, milícias islâmicas, setores ligados à economia ilegal e comunidades autônomas são os atores locais que tornam possível o controle territorial e o mantêm graças a um sistema de alianças em mudança.

A guerra arrastou milhões de pessoas para uma crise de fome e doenças crônicas sob uma emergência humanitária, e uma crise de refugiados que tentaram escapar para a Europa e outros países.

Como podemos ver, as mobilizações de 2011 foram esmagadas ou desviadas com várias estratégias. As reformas “democráticas” expropriaram o discurso dos manifestantes e não resolveram as causas estruturais que moviam o movimento, permitindo que setores do poder local se reorganizassem e estabeleçam novos laços com o imperialismo.

As guerras civis abriram cenários mais complexos, onde o surgimento de milícias jihadistas - ligada ao colapso da estrutura de poder e dos interesses regionais - deu legitimidade às ditaduras e a Obama, então presidente dos Estados Unidos, para usar a máscara da “luta contra o terrorismo” e responder de forma reacionária às demandas populares. Enquanto o tecido social e político se rachava, forças como o Estado Islâmico se consolidavam, controlando até mesmo grandes cidades na Síria e no Iraque.


Líbia em 2011

Ele também incentivou a Rússia e o Irã, com objetivos geopolíticos e estratégicos distintos, a avançarem na conquista de uma presença maior no território em defesa de Al Assad até agora, e participando no Iraque, Líbia e Iêmen. Essa nova disputa pelo controle do Oriente Médio abriu um cenário complexo para a hegemonia regional com os EUA em recuo estratégico. Na "Era Trump" ele recorreu à concretização da aliança de vários países árabes com Israel, conseguindo que reconheçam o estado hebraico, com o objetivo de tentar sitiar o avanço do Irã na região, enquanto os recursos estiverem disponíveis no confronto com China no Pacífico.

A falta de uma organização própria das massas que saíram para lutar, independente das lideranças burguesas locais - que jamais enfrentariam o imperialismo de frente - foi uma fraqueza que permitiu às classes dominantes restabelecerem sua autoridade a um alto custo, embora sua hegemonia fosse fraca no Oriente Médio após o furacão de 2011.


Sudão em 2019

No entanto, a Primavera Árabe inaugurou símbolos e tradições de luta que permanecem latentes, e nesta crise mundial empurraram com todas as suas forças para uma nova insurgência.

Em 2018, contra todas as probabilidades, uma nova onda de enormes movimentos populares começou que derrubaram duas ditaduras (Omar al-Bashir no Sudão e Abdulaziz Bouteflika na Argélia) e colocou vários governos do Oriente Médio (Iraque, Irã) nas cordas. e Líbano).

Algumas lições da Primavera Árabe

Tanto nos primeiros anos da crise de 2008, incluindo os processos revolucionários da Primavera Árabe, como nos atuais, intervêm setores das classes oprimidas: os "perdedores relativos" da globalização, que correspondem a uma juventude educada e sem oportunidades, à classe média arruinada e os profissionais de baixa renda; e os “perdedores absolutos” que incluem a população em situação de miséria e marginalização, que após os conflitos da guerra têm grandes focos de insegurança alimentar (mortes por cólera e fome no Iémen, por exemplo) e o número de refugiados e maiores deslocados do mundo.

A classe operária "industrial" desempenhou um papel importante. Mas ao atuar como mais um "ator" das manifestações, assumindo uma identidade de "cidadão" sem contestar a hegemonia, não conseguiu pesar sua posição estratégica. Ao mesmo tempo, não houve direção política que propôs a ruptura com o imperialismo e com os partidos islâmicos ou progressistas que propõem mudanças na distribuição das receitas dos hidrocarbonetos ou reformas do sistema político, e sem alterar o seu papel de parceiros menores das potências ocidentais ou clientes de países como Rússia e Irã, como no caso da Síria.

A Primavera Árabe de 2010-2012 não foi uma “revolução” do ponto de vista de que houve uma reconfiguração da estrutura sociopolítica a partir da qual a burguesia conseguiu recuperar a sua hegemonia, e, portanto, houve um aborto da revolução. No entanto, a Primavera Árabe como um marco histórico que encerrou um enorme fardo simbólico e métodos de luta em milhões de pessoas, permaneceu no inconsciente coletivo de jovens, trabalhadores e trabalhadores de todo o Oriente Médio e Norte da África. Alcançou até um impacto global que se espalhou pelo mundo, tendo como exemplos mais ressonantes o movimento dos indignados na Espanha e o Occupy Wall Street nos Estados Unidos.

Quase uma década depois, os elementos que desencadearam esses distúrbios ainda estão em vigor ou pioraram. É por isso que os novos processos que eclodiram a partir de 2018 em diversos países da África e do Oriente Médio, que retomam todos os seus símbolos e métodos, são uma demonstração de que se estabeleceu uma ruptura histórica.

Em todos esses países, foram mantidas características condizentes com as de uma “revolta popular” espontânea, cujo ator central é a juventude marginalizada e combativa. Suas faixas contêm várias reivindicações contra as condições de desigualdade, insegurança no trabalho, direitos das mulheres, racismo e níveis espetaculares de exploração agravados pela pandemia. Seu prolongamento no tempo será um problema central para os governos do Oriente Médio no próximo período.

A Primavera Árabe demonstrou como o imperialismo e as burguesias locais farão enormes esforços para propor soluções com faces democráticas. Por isso, diante das revoltas que nasceram em 2019, a estratégia revolucionária deve partir das conclusões da independência política dos trabalhadores para destruir as algemas que os oprimem.




Tópicos relacionados

Líbano    /    Mundo Árabe   /    Iraque   /    Egito   /    Irã   /    Internacional

Comentários

Comentar