1ª vereadora travesti de Piracicaba é brutalmente assassinada

Madalena tinha 64 anos e se tornou a primeira travesti eleita vereadora na história da cidade de Piracicaba (SP). O Corpo foi encontrado em casa com sinais de violência.

quarta-feira 7 de abril| Edição do dia

Foto: Fernanda Zanetti/G1/Arquivo

A ex-vereadora Madalena (PSDB) foi encontrada morta, dentro de sua residência, na Vila Sônia, no início da madrugada desta quarta-feira (07). Ela estava no sofá e tinha ferimentos na região da cabeça. Segundo o boletim de ocorrência, um vizinho que tinha o hábito de frequentar a casa da Madalena encontrou o portão da casa apenas encostado. Como já tinha uma chave da residência da vítima, ele entrou na casa e encontrou-a caída no sofá.

Madalena era famosa em Piracicaba, uma mulher negra, travesti e que ocupava o cargo de presidente do centro comunitário do bairro Boa Esperança, foi candidata à vereadora quatro vezes (1988, 2004 e 2008 e 2012). Nas eleições de 2016, Madalena desistiu da candidatura à reeleição na Câmara de Piracicaba. A decisão foi informada por meio de carta, enviada à presidência do partido tucano. Ao G1, a parlamentar apontou problemas de saúde e agressões racistas e homofóbicas sofridas nas redes sociais durante a gestão no Legislativo como alguns dos motivos para não continuar na carreira política.

O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML). Ainda não há suspeitos para o crime. O caso foi registrado como homicídio e encaminhado para o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) de Piracicaba.




Tópicos relacionados

Racismo   /    Homofobia e Transfobia

Comentários

Comentar